Paulo Guedes demonstra absurda ingenuidade ao defender o livre comrcio

Resultado de imagem para livre comercio charges

Charge reproduzida do Arquivo Google

Francisco Vieira

O artigo de Jos Vidal, recentemente publicado aqui na TI, est correto ao defender os juro subsidiados do BNDES para incentivar a indstria. O Brasil est sofrendo uma das maiores desindustrializaes da histria, em um perodo muito curto. Nos anos 80 e 90, no ponto mais alto da industrializao, esse setor representou 35% da produo nacional. Hoje no nem 12% e est caindo. Os brasileiros tm que entender como sria a reduo da indstria de transformao no Brasil.

Nenhum pas desenvolvido jamais apoiar a industrializao do Brasil. No querem que surja um novo Japo ao sul do equador e por isso acredito que o Guedes esteja equivocado quando defende o livre mercado no Brasil, com o fim do protecionismo, alegando que exatamente isso que est acontecendo hoje no mundo!

LIVRE COMRCIO – Hoje, quando olhamos para os pases ricos, em sua maioria, eles praticam o livre comrcio. Por isso, comum pensarmos que foi com esta receita que eles se desenvolveram.

Mas, na realidade, eles se tornaram ricos usando o protecionismo e as empresas estatais. Foi s quando eles enriqueceram que adotaram o livre comrcio para si e tambm como uma imposio a outros pases.

O ttulo do meu livro Chutando a Escada uma referncia a uma obra de um economista alemo do sculo XIX, Friedrich List, que foi exilado poltico nos Estados Unidos em 1820. Ele critica a Inglaterra por querer impor aos EUA e Alemanha o livre comrcio. Afinal, quando voc olha para a histria inglesa, eles usaram todo o tipo de protecionismo para se tornar uma nao rica.A Inglaterra, ao dizer que outros pases no podem usar o protecionismo como algum que, aps subir no topo de uma escada, chuta a escada para que outros no possam us-la novamente.

CASO DA ALEMANHA Mais da metade (55,5%) das exportaes brasileiras para a Alemanha composta por produtos bsicos, como soja em gro (16,3% do total), minrios de ferro (13,3%), caf em gro (8,9%), farelo de soja (3,9%), carne de frango (2,9%) e carne bovina (2,5%).

Algum alemo precisa ensinar aos brasileiros como produzir os produtos que eles consomem na Alemanha sem que se precise desmatar por aqui E talvez algum diga a eles que o agricultor s planta se tiver lucro na hora de vender e que, quanto maior for a populao mundial, maior ser a demanda por alimentos.

Portanto, a melhor maneira de preservar no s as florestas brasileiras, mas tambm as de todo o mundo, seria, ou melhor, atravs do controle de natalidade. Com pouca demanda, ningum ir desmatar para aumentar a oferta de produtos e tomar prejuzo na hora da venda.

###
NOTA DA REDAO DO BLOGBelo retorno, Francisco Vieira, com excelentes colocaes. Aproveito para lembrar que todos os pases desenvolvidos do mundo subsidiam seus produtos agropecurios, mas exigem que o Brasil no adote pedidas protecionistas. Na verdade, Guedes um bobalho colonizado. (C.N.)

54 thoughts on “Paulo Guedes demonstra absurda ingenuidade ao defender o livre comrcio

  1. Sempre lembrando que foi com o apoio direto ou tcito deste blog, que chegamos at aqui. Acompanho para saber quando finalmente este blog admitir seus erros. At o Frota j se arrependeu!

  2. O arrocho previdencirio que vem a com a PEC 06/2019 ir piorar muito a situao dos brasileiros e da economia nacional, como aconteceu tambm com a contrarreforma trabalhista, sobre a qual diziam que seria capaz de gerar milhes de empregos. O governo Bolsonaro est desmontando o sistema de seguridade social em um momento de risco de grave crise financeira mundial. A Argentina, cujo governo aplicou programa econmico semelhante ao de Paulo Guedes, antecipa o que pode acontecer no Brasil. Alm de crescimento medocre e do empobrecimento da populao, a instabilidade financeira tornou a situao dramtica no pas vizinho. https://dialogosdosul.operamundi.uol.com.br/america-latina/60074/politica-de-guedes-e-bolsonaro-e-pior-do-que-a-de-macri-que-arruinou-economia-argentina

  3. No surpresa para ningum, eu acho, que a base da economia do pais desde seu descobrimento o comrcio de commodities. O pas desde ento se esforou em formar pees e no doutores. Tantos anos de atraso no so superados de uma hora para outra. claro que contamos a ajuda de pases que viam com bons olhos permanecermos celeiro do planeta. Para se ter uma boa ideia do que o Brasil, basta que vejamos a capa da Econimist em que o cristo decola e logo em seguida cai. Impostos, burocracia, desenrolo e logstica, foram os pontos mais atacados e isso no est sendo visto ainda hoje. Trabalha-se para tirar direitos dos trabalhadores como se eles fossem os culpados e na verdade so a soluo. Guedes um ogro, teve sua reputao inflada e muita gente comprou a ideia, mas os fatos so seu maior carrasco. Goza da amizade do presidente que v nele o que jamais ser, mas tanta parecer. Guedes est to na contramo que volta a insistir em requentar a CPMF. Falta ele originalidade e senso moral, para no dizer o mnimo de bom senso, pois seu presidente j disse em bom tom que no quer o retorno da cobrana, com a irritante insistncia, Guedes diz a populao do pas que ou seu chefe um banana que no manda nele ou pior, que um mentiroso que muda de opinio a depender do dia. Guedes est implodindo Bolsonaro.

  4. Paulo Guedes vai acabar com o Brasil s esperar pra ver. Ou muda-se de rumo ou vamos todos amargar essa derrota. O barco est parando e o porto ainda nem se avista. Mas o posto Ipiranga que tinha soluo pra tudo descobre-se que s birra.

  5. Bom dia ,leitores (as):

    Senhores Francisco Vieira e Carlos Newton , ledo engano de vocs , no existe nenhuma ” INGENUIDADE ” por parte do Ministro de Economia Paulo Guedes , pelo contrrio , existe pura e simplesmente m – f .

  6. Excelente Artigo do Sr. FRANCISCO VIEIRA, que partindo de outro excelente Artigo do Sr. JOS VIDAL, defende a nossa INDUSTRIALIZAO especialmente via nosso CAPITAL BRASILEIRO.

    S ele, o CAPITAL BRASILEIRO desenvolve TECNOLOGIA BRASILEIRA e capitaliza 100% aqui dentro.

    O grande Economista Alemo/Americano FRIEDRICH LIST mostrou o caminho com seu Livro ( “Sistema Nacional de Economia Poltica” – 1841). Inspirou-se muito nas ideias do grande ALEXANDER HAMILTON ( “Report on Manufactures” ( 1791) que foi a Base da Industrializao Americana.

    Como bem nos lembra o Sr. FRANCISCO VIEIRA, o grande FRIEDRICH LIST nos ensinou:

    ” Qualquer Nao que por meio de Impostos Protecionistas e restries a Navegao, tenha alcanado sua capacidade Manufatureira e sua Navegao tal nvel de desenvolvimento que nenhuma outra Nao possa sustentar a livre concorrncia com ela, no h nada mais sbio do que tirar essa ESCADA do seu alcance, e declarar em alto e bom som que at aqui “havia trilhado caminhos errados”, e agora, pela primeira vez, tinha triunfado em descobrir a Verdade”.

    Ns no Brasil, com o NACIONAL-DESENVOLVIMENTISMO VARGUISTA comeamos a construir essa ESCADA, que teve auge no Movimento Civil-Militar de 1964, mas por falta de Concorrncia Interna que deveria ser fomentada ao mximo, e excesso de Estatismo, a construmos com Base muito fraca e agora est desmoronando. Temos que reconstru-la com a Base bem forte da Concorrncia Interna e mais nfase na Empresa PRIVADA NACIONAL.

  7. Permita-me um adendo. Um governo mundial, a evoluo natural da espcie. Uma maior organizao e evoluo social, foi o que permitiu a humanidade sair das cavernas para formar tabas, vilas, provncias, at nos unificarmos, formando pases e agora blocos de pases. Para que o ser humano possa ter alguma chance de ultrapassar esta fase de sua evoluo sem se auto dizimar em uma hecatombe nuclear, conter exploses demogrficas, limpar o ambiente, teremos que nos adaptar e evoluir para uma nova fase de nossa evoluo social. Hoje a ONU existe apenas de fachada, basta a negativa de algum pas com direito a veto e as coisas voltam a estaca zero. Em um governo central, no existe a votao, mas deliberao. Pases problema deixariam de s-lo. Acabariam as fronteiras, mas o controle seria feito em escala mundial. Essa evoluo nunca parou, mas acontece em pequenas etapas. Evidentemente que isso ter consequncias, como tudo, boas e ruins. Grupos tentaro se apossar do controle do mundo e sero combatidos por pessoas conscientes, faz parte.

  8. Quem l um textos desses acha que o Brasil deve estar em vias de se tornar uma Singapura em termos de economia liberal. A vc vai atrs da realidade e descobre que o Brasil ocupa a posio nmero 180 e poucos em nvel de liberdade econmica, junto com pases comunistas.

    Brasileiro est to acostumado a viver em uma economia controlada pelo governo qu simplesmente no sabe o que liberdade econmica.

    O texto de uma tolice completa, de um idiota andando no deserto berrando sob o medo de morrer afogado.

    • Perfeito.
      Comrnta-se como se O Brasilsilsil varonil, em funo de seu “modelo economico” atual fosse uma maravilha rm desenvolvimento e paricipao economica comercial (salvo engano, nossa participao est em menos de 1%).
      Me lembro da decada de 80 do computador COBRA. S serviu para enriqiecer mais o Pel, que fez propaganda.
      No precisamos dizer o que veio posteriormente com abertura comercial.
      Sobre agriculcuta subsidiada, muitos econimias so subsidiadas, o que no s8gnifica ser totalmente fechada. Sem contar, que muitos sofreram com Guerras duras, ou seja, fome e arraso total. Comiam qualquer coisa que se movia. Povos que passaram por isso do muito valor a comida.
      No somos “comunistas”, porm somos uma das economias mais fechadas no mundo, parece que at a Chinesa mais capaz comercialmente. E o que conquistamos com isso?

  9. No votamos em Bolsonaro para livrar um dos filhos da justia nem para fazer do outro embaixador. Melhor o presidente se conscientizar de suas responsabilidades – ele presidente porque foi eleito pelo povo e pode ser tirado da boquinha pelo povo.
    Nada a ver com o Lula Ladro nem com a Dilma WindCatcher. Esses no passam de percevejos.

  10. Mais um texto defendendo que os pobres financiem empresrios ricos, por meio do bndes.

    Quer ajudar a industria? Reduza impostos, burocracia e mantenha o controle da inflao e oramento pblico.

  11. Sigo exatamente os mesmos elogios postados ao artigo de nosso colega Francisco Vieira, pois se trata de um tema atual, oportuno e adequado para ser discutido.

    No h condies de fazermos frente a pases muito mais industrializados e desenvolvidos que o nosso, nesta questo de livre comrcio.

    Falta-nos cacife, para entrar em rodadas de pquer, por mais que saibamos blefar.

    Meu aplauso ao xar.

    Abrao.
    Sade
    (Por outro lado, como fao para adquirir o livro Chutando a Escada, Francisco?)

  12. Mediante informaes do Editor, nosso incansvel Carlos Newton, que se encontra adoentado, quero deixar registrado que lhe desejo pronto restabelecimento.

    Que se cuide, que faa os exames necessrios e siga rigorosamente o que os mdicos orientarem.

    Que deixe o blog de lado, por enquanto, pois est sendo muito bem administrado por Marcelo Copelli, enviando-lhe o meu abrao e votos de sucesso na conduo da TI.

    Newton, meu caro amigo, um forte e fraterno abrao.
    Sade, muita sade.

  13. O capital no tem ptria e ele se instalando num pas cujo custo de produo competitivo, jamais ter interesse em sair dele, pois a bandeira do capital no de um pas e sim a do lucro: alm dele produzir barato para a populao, ele vai exportar, o que acarretar o progresso do pas com muito emprego e com muita arrecadao, mesmo pagando pouco imposto neste pas.

    Enfim, dizer que uma multinacional pensa nos interesses de seu pas de origem produto de desinformao.

    O interesse do capital que seus acionistas fiquem satisfeitos com o seu desempenho e isto se chama ter lucro, que no tem nada a ver com patriotismo e que jamais vai ter.

    Quanto aos acionistas, eles so do mundo inteiro e muito nem residem nos pases onde ele, capital, se originou.

    O brasileiro precisa aprender que negcio negcio, patriotismo no entra nisso. Tambm que, no comrcio se compra o mais barato. Ta a China.

    Enfim, baixe-se o custo de produo de um pas e este empregar milhes de seus habitantes.

    • Artimanhas econmicas, tentadas por este pas de birutas, j foram tentadas s centenas.
      Neste pas elas sempre foram a regra e no a exceo como deviam ser.

      Todas deram com os burros ngua e o pas foi junto.

    • Sabes o que remessa de lucros? Royalties?
      Realmente o capital (multinacionais) no tem ptria, s matriz. Ele se estabelece onde pode maximizar seus lucros.
      Tambm no hesita em abandonar qq pas desde que outros ofeream melhores condies, deixando o qu?
      Tambm no transfere tecnologia por vontade prpria. Alis, importa muitos produtos e exporta outros, talvez com algum saldo positivo.
      No obstante, at que seriam bons investimentos aqui, mas no da maneira que est acontecendo, onde empresas internacionais compram a coisa pronta, pagam os mesmos impostos, reinvestem muito pouco e ainda recuperam o valor gasto em pouco tempo.
      Se viessem aqui, trouxessem dinheiro novo (no utilizando o nosso prprio dinheiro), seria at uma coisa boa.
      Outra coisa, no nos iludamos com capital especulativo que s visa lucro imediato.

      • Continue com este misticismo ideolgico e continuaremos como estamos para sempre.

        Na sua conta, empregos e os tributos no valem nada, porque no bem bom que t, pimenta no dos outros para vc refresco.

        Quem dono de tecnologia so as empresas e elas investiram alto nisso.
        No existe almoo de graa.

        Tem empresas do mundo inteiro que mudaram seus parque industriais para a China, inclusive brasileiras, pelos baixssimos custos de produo e no consta nenhuma barreira por parte do governo chins para elas, que empregam milhes de chineses.

        • Acho que no leste at o final. Veja o que escrevi: No obstante, at que seriam bons investimentos aqui, mas no da maneira que est acontecendo, onde empresas internacionais compram a coisa pronta, pagam os mesmos impostos, reinvestem muito pouco e ainda recuperam o valor gasto em pouco tempo.
          Se viessem aqui, trouxessem dinheiro novo (no utilizando o nosso prprio dinheiro), seria at uma coisa boa.
          Outra coisa, no nos iludamos com capital especulativo que s visa lucro imediato.

          • O interesse de um pas numa empresa cujo capital internacional e todo mundo pode participar dele, inclusive brasileiros, atravs da compra de aes, devem ser os empregos e os tributos. Fora isso resto produto de ideais e ideais so fantasias e, fantasias no so a realidade.

          • Resumindo, empresas se instalam num pas ou compram outras j instaladas se os custos de produo forem atrativos, competitivos, com garantia jurdica, liberdade econmica, leis trabalhistas contrrias das nossas,etc,etc,etc

          • No perguntei quanto custa ao consumidor brasileiro, mas sim ao pas. As peas so importadas e o telefone montado aqui. Logo, o Brasil leva desvantagem, pois a importao de eletrnicos como chips,, placas, etc.. devem ser cobertas com a exportao de produtos primrios basicamente. Isso que d a gente no possuir tecnologia, que a Coreira, no exemplo dado, atingiu.

          • 1000 reais o modelo mais barato.
            Carssimo para o poder aquisitivo do povo.
            O custo Brasil faz com que fique caro assim.

  14. Prezado Francisco,

    Reitero os elogios postado no meu comentrio acima sobre o teu excelente artigo.

    No entanto, eu te pediria permisso para adicionar outros fatores ao controle de natalidade, que postaste como impulso ao nosso desenvolvimento.

    Olha, do jeito que as religies atualmente exercem seus poderes sobre o governo, e no somente este, mas tambm aos anteriores, muito mais fcil resolver o desemprego, que o Brasil adotar atravs dos Postos de Sade um Planejamento Familiar!!

    Escrevi, certa feita, que este Planejamento deveria ser condio “sine qua non” manuteno do Bolsa Famlia, inclusive.
    Se a Mariazinha e o Zezinho j possuem mais filhos que deveriam, em face de suas situaes econmicas, das duas uma:
    Perda do auxlio governamental ou a criana ser adotada por outra famlia!

    Evidente que aparecero os defensores disso e daquilo, porm essa falsa preocupao com o direito paterno e materno, esbarra na condio de a criana ser sustentada, educada e formada!

    Ora bolas, como no pensar no bem-estar da criana?
    Daquele filho trazido para este mundo sem que seus pais tivessem a mnima condio?
    Quer dizer que mais vale o homem e a mulher darem a sua “bimbada”, que evitar que tenhamos mais um pobre ou miservel nos ndices nacionais?!

    Viva a hipocrisia e o cinismo, isso?!

    Crianas maltrapilhas, com fome, sem um lar adequado, cheia de vermes, que no faz as vacinas regularmente porque a me ou o pai no podem lev-lo para o Posto de Sade, quanto mais educ-lo, ento tais dificuldades extremas que esta criana dever enfrentar, tudo bem?!

    Mas aonde que se esconde o sentimento cristo nessa hora?
    Aonde est o respeito ao menino ou menina , vendo-os passar por privaes desnecessrias?
    esta a caridade crist?
    O amor ao prximo?

    NO ESTOU FAZENDO APOLOGIA DO ABORTO, mas defendendo a necessidade precpua de um Planejamento Familiar, e de se evitar que nasam cada vez mais futuros brasileiros que engrossaro as estatsticas de pessoas carentes e dependentes de ajuda permanentemente!

    Abrao.

    • Prezado Bendl,
      esse tema de natalidade eu j discuto h muito tempo. Hoje at a taxa caiu bastante, mas deveria diminuir ainda mais, principalmente entre a populao mais carente.
      Isso de planejamento familiar deveria ter sido feito h muito tempo. Lembro de um professor de filosofia alertando sobre esse problema de excesso de natalidade, j na dcada de 60.
      As mazelas oriundas desse crescimento desmedido, aliado migrao populacional do meio rural s cidades (sem comparao no mundo), ainda vo demorar muito para serem curadas, isso se o pas crescer consistentemente, o que no uma realidade.
      Tentei fazer minha parte escrevendo para os meios de comunicao, acho que aqui no RS quem falava sobre isso era o Lauro Quadros. Outros nem se sensibilizavam ou diziam que no iriam contrariar a igreja.
      Tambm no fao apologia do aborto, mas deveria ser uma prerrogativa feminina.
      Porm, fiz e fao apologia sim, de um planejamento familiar pragmtico. Coisas, tipo propaganda em certas cidades daqui que usam cartazes que incentivam essa prtica (s tenha filhos se tiver condies de cri-los).

      • Prezado Vidal,

        T vendo como os gachos se entendem?!

        Pensamos rigorosamente igual neste particular, de ser imperiosa a implementao de um Planejamento Familiar em nvel nacional!

        No temos mais como sustentar a irresponsabilidade de machos e fmeas que colocam suas crias no mundo, para que outras pessoas depois as cuidem e eduquem!

        O Bolsa Famlia poderia ser a grande mola mestre para esta questo:
        A mulher ou o homem daquela famlia que recebe o auxlio e que se deixar esterilizar, de plena vontade prpria, evidente, ter um aumento no seu donativo!

        s famlias que tiverem aumento de filhos e que esto registradas nessas doaes, perdero 20% do que recebem para cada criana que vem ao mundo ou, ento, a criana ou crianas sero destinadas a doaes!

        No justo que as classes A,B,C, sejam mais ainda obrigadas a pagar impostos desnecessrios, por culpa de gente que no tem sequer considerao com seus prprios filhos!
        Tanto faz se a crianada no tem o que comer, vestir, estudar, uma cama para dormir, um teto para se proteger … e da?
        – O filho meu – dizem criminosamente!!!

        Pois no deveria ser mais dessa forma!!

        Agora, Vidal, duvido que seja posto em execuo esse planejamento.
        As tais “bancadas evanglicas” impediriam qualquer medida correspondente e, a Igreja Catlica, mais ainda!

        Abrao.
        Sade.

  15. Monta-se uma estratgia para conduzir o gado leiteiro at a espinha do curral. O projeto aprovado ideal tanto para criao confinada quanto a pasto. A sada frontal que economiza tempo garante que o tempo passado dentro da sala de ordenha seja breve e que a produtividade seja alta. O ordenhador tambm se beneficia da fcil operao e limpeza da sala de ordenha, menor percurso a ser percorrido e tambm de um ambiente de trabalho ergonmico e seguro. Assim como tratam o gado confinado para dar maiores lucros ao seu dono, fazem com o povo pobre. Estes no sabem que esto sendo induzido pelo poder econmico e caminham sem saber que no fim da jornada no h nada para comemorar, pois seus algozes esperam ansiosos para sacrific-los. No adianta esperar por mudanas que no viro. Eles querem acabar com o Brasil e com os brasileiros.

  16. -Senhores, somente agora vi o presente artigo.

    O artigo no meu. APENAS teci comentrios e adiantei o contedo do link do Vidal para aqueles leitores mais “preguiosos”.

    O livro que estou escrevendo talvez ainda saia este ano, mas ser da rea das cincias exatas. Mas a ser sobre assunto e para ser discutido em roda de amigos, sem estresse…

    Abraos.
    Portanto, no fiz livro algum.

    Abraos.

    Link do Vidal do artigo sobre o livro:

    https://brasil.elpais.com/brasil/2018/01/05/economia/1515177346_780498.html

      • Estou usando um celular. Portanto, tem vezes que as palavras so omitidas, outras vezes saem duplicadas e outras so sumariamente alternradas
        trocadas pelo corretor sem que eu perceba, e ficam fora do contexto e do modo/tempo verbal. A janela para escrever, por ficar muito pequena, leva a isso.
        Mas para o bom entendedor…

    • Li um outro livro desse economista sul-coreano Ha-Joon Chang, “Maus Samaritanos: O Mito do Livre Comrcio e a Histria Secreta do Capitalismo”, onde ele contesta a retrica do livre comrcio, relembrando com riqueza de dados o passado protecionista dos pases de primeiro mundo, que hoje eles no querem lembrar.

  17. “No querem que surja um novo Japo ao sul do equador”

    Mesmo com todo apoio dos pases estrangeiros, para isso acontecer, precisaramos comear do inicio e ser colonizados pelos japoneses.

  18. ” industrializao, esse setor representou 35% da produo nacional. Hoje no nem 12% e est caindo. ”

    E durante toda essa derrocada, o BNDS supriu o bolso dos industriais com o dinheiro subsidiado pelo pobre, e mesmo assim houve reduo, em analogia a tcnicas cientificas, conclumos que devemos inverter os sinais para termos resultados contrrios.
    Ou melhor continuar no erro, empobrecendo a populao e enriquecendo os milionarios.?

  19. “Mas, na realidade, eles se tornaram ricos usando o protecionismo e as empresas estatais. Foi s quando eles enriqueceram que adotaram o livre comrcio para si e tambm como uma imposio a outros pases.”

    Grande tolice, outros tempos outras dinmicas mundiais, fizeram o livre mercado pra transportar a industria suja (poluente e escravocrata que no cabiam em seus pases) para outros pases e para l vender matria prima tecnolgica, maquinrios e tecnologia e comprar produtos industrializados baratos executados com operrios de baixo custo.

    Imaginemos se a china ficar riqussima, e 55% da populao seja da classe mdia, de onde sair todos os produtos de que precisaro? o mundo estaria desabastecido.

    • A China a segunda economia mundial, atrs apenas dos EUA. O grande passo que eles deram que partiram de uma economia engessada para um socialismo de mercado (ou um tipo diferente de capitalismo) e onde vrias empresas, sejam estatais ou no, competem entre si. Claro que eles negociaram para que as empresas instaladas l transferissem sua tecnologia e tambm so famosos por no respeitarem muito a propriedade intelectual.Hoje eles detm tecnologia e grandes empresas at assustam os EUA, veja o exemplo da Huawei. A questo cambial controlada e a fabricao em grande escala barateiam os custos.
      J o salrio mdio chins j maior que o pago aqui no Brasil.

      • Eu acho que a APle, a Samsung, A LG e outras centenas de empresas de outros pases no repassam tecnologia nenhuma. Esto porque o tal socialismo que l existia virou capitalismo selvagem, com os trabalhadores, como nos EUA, negociam com os patres o salrio. O que bem menos pior que o tal socialismo, por melhor que este seja
        . Com isso se empregou milhes de chineses e o governo arrecado muito com os impostos que so baixssimos. Ou seja, o capital mundial foi para l pelo custo chins.

        • Conheces as marcas Xiaomi, Huawei? Lenovo? Jac motors? As lojas online como Aliexpress?
          Sim, os chineses lucraram muito com a mudana econmica efetuada por Deng Xiao Piing e a posterior globalizao. Mas procura dar uma pesquisada sobre o assunto. Abrao. Sempre bom debater assuntos, mesmo a gente discordando. Eu aprendo muito.

  20. Pra ver como o autor do texto e muitos aqui nem sabem do que esto falando:

    Com 418 estatais, Brasil recordista em ranking da OCDE

    Mesmo com a venda das 17 empresas anunciadas, pas continuar no topo; Hungria (2) tem 378

    Redao 22/08/2019 s 00:00 | Atualizado s 20:24

    O Brasil sustenta nada menos que 418 estatais. Se o governo federal vender essas primeiras 17, o que j seria feito histrico, ainda assim restaro 401 amontoadas sobre as costas do pagador de impostos no Brasil. O levantamento da OCDE (Organizao para a Cooperao e Desenvolvimento Econmico), realizado em 39 pases. Nenhum deles tem tantas estatais. Na Sua, caso mais positivo, so apenas quatro. A informao da Coluna Cludio Humberto, do Dirio do Poder.

    Os pases mais desenvolvidos do mundo no carregam o peso das estatais. Japo, por exemplo, tem apenas oito, a ustria, dez.

    Austrlia, pas semelhante ao Brasil em dimenses geogrficas e com economias de tamanho semelhante, tem s oito estatais.

    https://diariodopoder.com.br/com-418-estatais-brasil-e-recordista-em-ranking-da-ocde/

    Ai, mas o Guedes um neoliberal…. Gzuis! 400 estatais e o pessoal aqui acha pouco!

    • Acho que ningum est falando em estatais. Fala-se em empresas de capital nacional, o que muito diferente. Na verdade o Brasil tem 138 estatais federais. Na dcada de 90 privatizou mais de 100..
      Mas o que interessa mesmo a eficincia. Singapura e Noruega tem muitas estatais, por exemplo.

  21. Desejo ao nosso Editor da TI pronto restabelecimento e esquea um pouco os escritos e atenha-se na sua sade.

    Gostei bastante do artigo, parabns ao articulista Francisco Vieira, sempre postando comentrios enriquecedores nessa Tribuna.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.