Pesquisa confirma a Tribuna e dá Bolsonaro vencendo Moro, Lula, Huck e Ciro

Mouro condena ex-presidente Lula a nove anos e meio de cadeia

Moro e Lula são os maiores rivais de Jair Bolsonaro em 2002

Philipe Santos
Correio Braziliense

Uma pesquisa sobre intenções de votos divulgada, nesta sexta-feira (24/7), mostra que a atual intenção de votos para o pleito de 2022, e aponta que o presidente Jair Bolsonaro seria reeleito presidente do Brasil em todos os cenários. O levantamento é do instituto Paraná Pesquisas junto com a revista Veja e foi realizada entre 18 e 21 de julho.

De acordo com a pesquisa, Bolsonaro lidera todos os cenários de primeiro turno e derrotaria todos os seis potenciais adversários do segundo: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ex-­prefeito Fernando Haddad (PT), o ex-­governador Ciro Gomes (PDT), o ex-­ministro Sergio Moro, o governador de São Paulo João Doria (PSDB) e o apresentador Luciano Huck.

LULA E MORO, OS RIVAIS – Nesses seis cenários de primeiro turno, Bolsonaro vence com percentuais que vão de 27,5% a 30,7%. Nas disputas de segundo turno, depois de Lula (45,6% a 36,4%), Moro é quem mais se aproxima de Bolsonaro (44,7% contra 35%).

 Segundo especialista, ouvidos pelo Correio, o ex-ministro perdeu espaço desde que saiu do governo. Enquanto Bolsonaro teve a popularidade aumentada por causa do auxílio emergencial.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Nada de novo no front ocidental, diria o genial escritor Erich Maria Remarque. A pesquisa confirma a análise publicada esta semana pela Tribuna da Internet. Vamos em frente. (C.N.)

19 thoughts on “Pesquisa confirma a Tribuna e dá Bolsonaro vencendo Moro, Lula, Huck e Ciro

  1. Moro e Lula são os maiores rivais de Jair Bolsonaro em 2002

    Sr. Newton, o ladravão nao pode concorrer a cargos públicos por ser ficha imunda…

    abs

    • A escolha de Flávio Dino, para aglutinar uma frente oposicionista, a fim de confrontar Bolsonaro, foi das piores.
      Além de ser governador de um estado inexpressivo, Dino, filho de uma nação majoritariamente cristã, autoconfessa-se ateu.
      Cumpre ressaltar que, dos segmentos que apoiam Bolsonaro, o evangélico é o que mesmo oscila, durante as TPMs do mandatário maior.

      • E qual o problema em ser ateu?
        Se fosse budista também seria…
        Enfim, é a discriminação falando mais alto e os interesses pessoais.
        Gente imunda.
        Pega os países nórdicos, Canadá etc. muito anos-luz à nossa frente como nações seculares. Já aqui, como na África atrasada onde penetra a palavra do evangelho está tudo sendo dominado por picaretas e charlatões.

  2. Estamos em 2020 e os institutos de pesquisa já estão em 2022?
    Esse país é uma merda mesmo(!)
    Na França algo do tipo seria proibido.
    Aliás, até pesquisa no ano Eleitoral tem data para terminar lá. Meses antes das eleições.

    • Muitos eleitores acabam votando num candidato que está na frente, com intenção de contribuir para torná-lo vencedor e terminar as eleições no 1º Turno.

      Tem ainda aquele que muda de escolha para votar em opções a fim de tirar um potencial candidato.
      O voto útil…

      Enfim, o que existe de real intenção na divulgação das pesquisas é alimentar o mercado econômico-financeiro com especulações, essencialmente operado pelos que dão as cartas.
      Tira a liberdade de voto do eleitor.

  3. O poder da pesquisa eleitoral, a todo momento, viola descaradamente a consciência do eleitor invadindi a cabine eleitoral não só no dia das eleições – como muito antes.
    É preciso proibir e tornar crime as pesquisas de intenção de voto.

  4. Infelizmente, o grande “romancista” citado, não se destacou, suficientemente, para arrebatar o Nobel da época. Um comparativo desnecessário em função do enredo atual, CN. Conselho: melhor continuar a ler as obras de José de Alencar…

  5. Cumprido esse retiro de resipiscência, o capitão virá mais fortalecido, com patente de coronel. Vai ver que até o Congresso Nacional e STF, depois desse índice eleitoral acima do esperado, ambos ficarão encolhidos diante da possibilidade de tomaram medidas punitivas contra o presidente. O que era Centrão, doravante, vai-se expandir até pelo “Beiradão”; mais apoios políticos e base reforçada.

  6. Pesquisas?
    Pra que?
    Estão manipulando só pra ganhar um troco.
    É só ver a última manifestação em Brasília, meia dúzia de gatos pingados!
    Isso não quer dizer nada?
    Não dá pra acreditar mais em nada. Até porque muita água suja vai rolar embaixo da ponte.
    Acho que esse quarteto do mal não tá com essa bola toda, não.
    Cordialmente.

    P.S. Já imaginaram um segundo mandato do néscio?
    Sem a menor responsabilidade de nada?
    Aí vai ser uma mistura de trem fantasma com montanha russa e ele se deleitando na sua loucura.
    Não, isso não pode acontecer!! De jeito nenhum!!
    O povo saberá reagir aos poucos e na hora certa, vai dar o troco, que será em 2022. Se for apeado antes, melhor.
    O país não aguenta…
    Vamos nos esborrachar!!

  7. “A preguiça de raciocinar e o desprezo pela leitura erudita fazem do indivíduo um convencido das verdades prontas!”
    O problema não está nas fake news, mas no tipo de receptores dessas ciladas midiáticas. Somos um povo novelista. Adoramos seguir fórmulas prontas: tanto, que, segundo o Globo Repórter, somos os maiores produtores (falsificadores) de Wisky Escocês do mundo.
    Esses marketeiros mefistofélicos conhecem muito bem o nosso calcanhar-de-Aquiles. Um bom exemplos disso é: através de pesquisas eleitorais forjadas, eles nos apresentam um algarismo “X” associado a um dado candidato, não raro, desprezível. Muitas vezes, tal algarismo fictício acaba-se convertendo em número real, em forma de percentual a favor do candidato; dada a nossa pobreza de discernimento coletivo. A materialização do blefe se dá graças a nossa crença cega, quando somos postos, pequeninos achatados, diante de uma “maravilha barroca”. Foi assim que a Globo elegeu Collor de Mello: bastava um toque digital comandado por Collor, e na tela surgia aquelas imagens de computação gráfica (uma novidade à época), nós ficávamos abismados como índios para as caravelas de Cabral.
    Um repórter de encomenda abordava um pau-de-arara e indagava ao matuto: “Em que você vai votar? -Ni Cólo! Por que Collor? Purquê Cólo mermo!
    A conversa entre os eleitores urbanos, pretensamente, mais esclarecidos: votariam em Collor porque ele era um “gato” – as mulheres. Para ambos os sexos, o carioca-alagoano era o melhor, porque todos os “problemas do Brasil, ele já tinha enfiado, em um computador que resolve tudo”

    • Paulo III
      É por ai! Após 50 anos acompanhando o eleitor e seu jeito de votar, tive de concluir: se democracia é voto, sem voto qualificado terás uma democracia como a nossa!
      Muitos brasileiros votam por votar; por esperança; por compra do voto; por raiva, etc. Um voto consciente e correto é anulado por um voto sem qualquer responsabilidade.
      Quando vejo as propostas para alterar legislação partidária/eleitoral sem mexer no ponto principal que é o eleitor/voto, desisto de investir meu tempo e conhecimentos no tema.
      Reitero: se W.Churchill está correto ao dizer que “A democracia é o pior dos regimes políticos, mas não há um sistema melhor.”, temos de, urgentemente, descobrir, construir outro! E niso que tenho trabalhado e muito!
      Fallavena

  8. Bolsonaro cresceu nas classes mais desfavorecidas. R$ 600,00 + baixa escolaridade = subida nas pesquisas.

    E, pelo que tem sido anunciado de benefícios pelo Guedes para a classe mais necessitada, a diferença vai aumentar. O programa tem por alvo as eleições.

  9. Humm. Esse Instituto Paraná não foi quem deu vitória de Aecio sobre Dilma? Pesquisa em 188 municípios? De qualquer maneira é muito cedo para pesquisas.

  10. Estamos no meio de um pandemónio!
    Interessante os resultados. De alguma forma, confirma-se que não temos mais do que 30% de pessoas sérias,;que conhecem um pouco de política, de economia e outras coisinhas.
    Num segundo turno de Bolsonaro x Moro, certamente a esquerda não votaria.
    Dependendo do vice de Moro, poderá tirar mais votos de Bolsonaro.
    Bolsonaro é candidato desde que assumiu e Moro ninguém sabe. Convenhamos, Mesmo que as pesquisas não identifiquem, o presidente continua perdendo votos e companheiros do partido.
    E ainda temos dois anos de governo.

  11. Bom! Se a oposição vier com lula, petista ou assemelhado, lá vamos nós de novo de cambulhão
    com o capitão.
    Nestas alturas, nem sonhamos mais com um “ilibado”. Alguém que tenha roubado pouco, já nos satisfaz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *