Pezão e Lindbergh, um confronto no Rio de Janeiro

Pedro do Coutto

Se foi dada a partida para a sucessão presidencial, surgindo à primeira vista a polarização entre Dilma Rousseff, favorita, e Aécio Neves, virtual candidato do PSDB, é natural que nos demais estados da Federação o processo eleitoral comece a ser movimentado. Entretanto, de acordo com a reportagem de Marcelo Emígio e Cássio Bruno, O Globo de segunda-feira, o movimento mais intenso ocorre no Rio de Janeiro colocando no primeiro plano do confronto o vice de Sérgio Cabral, Luiz Fernando Pezão, do PMDB, e o senador Lindbergh Farias, do PT. Surgiram também as candidaturas potenciais de Miro Teixeira, PDT, Cesar Maia, DEM, Anthony Garotinho, pelo PR.
O fato de a disputa se concentrar entre os candidatos prováveis do PMDB e do PT não significa ruptura da aliança entre os dois partidos em torno da reeleição da presidente Dilma. Houve um momento em que sim quando o governador do RJ mobilizou-se contra a candidatura petista e condenou a armação de um palanque duplo no Estado que poderia prejudicar a candidata a um novo mandato em Brasília.
Mas, com base em suas próprias declarações publicadas sábado também no Globo, de que seu apoio a Dilma é total e absoluto, é de supor que o chefe do Executivo estadual reformulou sua posição diante da questão. Deixou no ar pelo menos a impressão de que continuará apoiando a presidente da República em quaisquer condições. A menos, o que não parece lógico, a presidente tenha decidido empenhar-se na manutenção da aliança em torno de Pezão. Se não aconteceu nada disso, a hipótese de uma ruptura na base de apoio no terceiro colégio eleitoral do país parece afastada. Nesse caso, as urnas vão decidir sem a interferência federal.
SEGUNDO TURNO
Nesse caso segundo turno provável no plano fluminense, não só pelo aparente equilíbrio entre os dois principais candidatos, mas também em função de outras três candidaturas projetadas. E uma hipótese inclusive viável na área federal, principalmente na hipótese de Eduardo Campos vir efetivamente a se candidatar pelo PSB e da ex senadora Marina Silva conseguir criar sua legenda. Ou então se, diante de uma impossibilidade, terminar ingressando numa das legendas de oposição disponíveis. Segundo turno no plano federal, segundo turno também no plano estadual.
As eleições de 2014, assim, não seriam decididas nas urnas do primeiro domingo de outubro, mas sim no último domingo daquele mês. O segundo turno, uma invenção francesa de De Gaulle, nas urnas de 1965, quando derrotou Mitterrand na disputa definitiva, traz consigo a vantagem de harmonizar as correntes envolvidas na disputa, proporcionando, pelo menos, esta foi asa intenção, a possibilidade de uma união ideológica, uma espécie de denominador comum entre as principais facções. A ballotage, como é chamada na França, é uma forma de estabelecer previamente, na véspera das urnas, um programa de governo que reúna as correntes envolvidas no pleito.
Com reflexo na formação da maioria parlamentar após apurados os votos finais. As representações políticas nas equipes de governo seriam igualmente projetadas compondo as futuras administrações. De Gaulle partiu do princípio de que nos regimes democráticos dificilmente uma corrente teria, sozinha força suficiente para vencer também as eleições proporcionais e dessa forma consolidar  a base legislativa do governante vitorioso. Claro que esse pensamento não se  repete em nosso país. Mas deveria. Em todo caso, o segundo turno é uma forma de resolver os impasses surgidos no primeiro. É estabilizador.
 

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

9 thoughts on “Pezão e Lindbergh, um confronto no Rio de Janeiro

  1. Cada dia eu me convenço mais que a nossa (?)imprensa, com raríssimas exceções, prestam um desserviço a população.
    O Sr. Pedro do Couto diz que a disputa do pleito no Rio de Janeiro se concentra entre o PMDB e o PT, esquecendo ou se fazendo de desinformado, que em todas as pesquisas divulgadas até agora, o Garotinho aparece disparado em primeiro lugar. Será que o “jogo”, como é feito na Globo, é esconder a candidatura do Garotinho ?

  2. Sr. Pedro do Couto, não esqueça que quem acessa a Tribuna da Imprensa são leitores esclarecidos, que buscam um estilo de jornalismo isento e sem compromisso. As Organizações Globo já fez a sua escolha desde os tempos da ditadura e até hoje vive de achacar verbas públicas de governos que se curvam a ela. Certamente não é o caso do Garotinho, que recentemente fez pesadas denuncias na Tribuna da Cãmara, envolvendo a Globo, o patriarca Roberto Marinho, seus filhos e até o diretor executivo de jornalismo Ali Kamel, basta acessar o seu blog. Agora, querer tirar o Garotinho desse páreo, ninguém aqui cai nessa, gostem dele ou não. Aliás, os dois juntos nem chegam perto. Portanto, Sr.Pedro do Couto, se sua preferência é a mesma da Globo, escolheu o veículo errado para fazê-lo. Melhor é tentar na rádio Tupi, o qual o Sr. participa dos debates, pois lá todos sabem também que é um veículo que se sustenta com o dinheiro do Cabral.

  3. Nessa briga insana, o Garotinho leva de barbada a eleição. Ele ensinou ao candidato do PMDB o caminho do interior do Estado. Caso consiga, e nao e difícil, alguns Prefeitos, nao teremos nem segundo turno.

  4. O Lindenberg está inelegivel não pode se candidatar a nada o Pezão coitado não passa de 8% de intenção de votos.Isso aí é noticia plantada.

  5. Os poucos, raros, raríssimos fluminenses ainda conscientes sofrem com a melancolia por acompanhar quem serão os candidatos a seus futuros carrascos…

  6. A DISPUTA, ENTRE ESSES DOIS INDIVÍDUOS, É SÓMENTE PARA SABER QUEM É O MAIS CORRUPTO. DEPOIS DA FAMIGERADA (E ‘GULOSA’ DE DINHEIRO PÚBLICO DUPLA BATMAN E ROBIN (CABRAL/PAES))- FAVELIZADO, SEM SAÚDE PÚBLICA, SEM SANEAMENTO BÁSICO,SEM EDUCAÇÃO (EMPRESA-ESCOLA – O RIO MERECE COISA MELHOR. MAS COMO O NORDESTE SE MUDOU PARA CÁ, CORREMOS O RISCO DE NÃO ESCAPARMOS DE UM OU OUTRO. QUE OS DEUSES NOS AJUDEM!

  7. Pedro Couto´. É fácil entender o por que do recuo de Cabral: Seu candidato a ministro do STF foi nomeado. Refiro-me ao Ministro Roberto Barroso.

Deixe um comentário para dione castro da silva Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *