Piada do Ano! Fanáticos pedem que Bolsonaro autorize PF a descumprir ordens do STF

Charge Erasmo Spadotto - Polícia Federal - Portal Piracicaba Hoje

Charge do Erasmo (Arquivo Google)

Sarah Teófilo
Correio Braziliense

Ativistas, blogueiros e jornalistas apoiadores do presidente Jair Bolsonaro assinaram um manifesto pedindo para que Bolsonaro, por meio de um decreto presidencial, determine que a Polícia Federal não realize diligências relacionadas ao inquérito das fake news, do Supremo Tribunal Federal (STF). Dentre os nomes, estão alvos do inquérito, que investiga ofensas, ameaças e informações falsas contra ministros do Supremo, e também do inquérito que investiga financiamento de atos antidemocráticos.

No texto, eles criticam o inquérito das fake news, dizendo que se trata da “peça mais macabra e totalitária já produzida na história do poder judiciário nacional”. Eles, então, fazem um “apelo” a Bolsonaro.

DECRETO PRESIDENCIAL – O apelo é de que “por meio de um decreto presidencial, determine a todos os agentes públicos federais que se abstenham de realizar quaisquer diligências provenientes do inquérito 4.781 [conhecido como inquérito das fake news], evitando assim novas afrontas à Constituição Federal e aos direitos fundamentais dos cidadãos brasileiros. Pedimos que tal inquérito seja declarado ilegítimo e ilegal, por afrontar os princípios básicos da democracia”, pontua.

De acordo com o grupo, formado por 29 pessoas, com o decreto, os servidores da PF “não serão obrigados a sujar as mãos executando atos que agridem a democracia e a dignidade da nação brasileira”.

“Ordens iníquas não devem ser cumpridas, e sim denunciadas. Que esse seja o primeiro passo para enterrar de uma vez por todas esse inquérito totalitário e, em seguida, punir exemplarmente os responsáveis por sua existência”, ressaltam.

CONGRESSO E SUPREMO – As manifestações investigadas pelo inquérito dos atos antidemocráticos são justamente aquelas que pedem o fechamento do Congresso Nacional, do STF e um novo AI-5, ou ato institucional número 5, conhecido como o mais duro da ditadura militar brasileira. Com ele, o Congresso e o Supremo foram fechados, e direito a habeas corpus foi suspenso.

Dentre os nomes que assinam este manifesto estão o de pessoas alvo do inquérito que investiga o financiamento desses atos. No texto, eles comparam as investigações relativas a ofensas e ameaças contra ministros da suprema Corte com atuações de “polícias secretas dos regimes totalitários”. O grupo ainda questiona se os ministros querem colocar o STF no mesmo rol de grupos como o Gestapo (polícia secreta nazista) ou KGB (serviço secreto da União Soviética).

AUTORITARISMO – “Toda opinião que não venha de órgãos oficiais será criminalizada sob nomes pomposos e sem substância, como ‘fake news’ ou ‘discurso de ódio’, sem que nem se deem ao trabalho de apontar uma suposta notícia falsa ou preconização de violência — basta apenas a acusação”, escreveram.

O inquérito das fake news foi aberto no ano passado, com grande resistência de procuradores e a própria então procuradora geral da República (PGR) Raquel Dodge. O atual PGR, Augusto Aras, no entanto, deu um parecer favorável à continuidade da investigação no STF no ano passado, assim como o ex-advogado-Geral da União (AGU), André Mendonça.

MUDANÇA DE POSIÇÃO – Ambos mudaram de posição quando o inquérito atingiu apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, no fim do mês de maio, e Aras pediu o arquivamento da investigação. Na última semana, por 10 votos a 1 (ministro Marco Aurélio), o STF decidiu pela constitucionalidade do inquérito. No último dia 12, o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Og Fernandes autorizou o compartilhamento de provas do inquérito com as oito ações no TSE que pedem a cassação da chapa presidencial de 2018.

“A simples existência do inquérito das ‘fake news’ ofende simultaneamente os três Poderes da República”, afirmaram. O grupo pontua que “desde o início do mandato” de Bolsonaro, “a mídia independente foi uma das únicas instituições que teve a coragem de refletir os anseios do povo perante os desmandos do sistema político”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Os concorrentes à Piada do Ano estão cada vez mais criativos. Essa anedota do decreto proibindo a Polícia Federal de investigar realmente é maravilhosa. (C.N.)

7 thoughts on “Piada do Ano! Fanáticos pedem que Bolsonaro autorize PF a descumprir ordens do STF

  1. Ola CN, bom dia, realmente esse pais é da Piada do Ano (pronta nesse caso), pqp… Eu digo, ainda está longe do concurso Piada do Ano, mas o Comite Organizador, esse ano, vai ter muito trabalho..Gostaria de estar no Brasil, e assistir à votação do vencedor do Piada do Ano , que nesse ano vai ser memoravel!! Os concorrentes estão a todo vapor, tentando superar os adversarios a todo custo..O Paz e Amor esse ano vai tremer,,, abs e vamos em frente

    Alvaro Cavalcanti

  2. Durante a campanha eleitoral, Bolsonaro contou com a preciosa ajuda de Sérgio Moro, para amarrar o goleiro (Lulampião), e pôr a bola, na marca penal, só para o capitão adversário chutar.
    Desta feita, querem também peiar a PF, a fim de que o STF fique de mãos atadas e, por conseguinte, a população vire caixão de pancadas!
    E o pior é que, pela megaestrutura da qual quase todos dependem, e da afinidade que Bolsonaro tem com os segmentos policiais e militares; é mais tendencioso a polícia federal desobedecer o Supremo do que o Executivo.

  3. É para rir ou para chorar? Os caras enlouqueceram ou só exageraram na dose do remédio? Meu Deus do céu, que país é este? Todos ficamos loucos ou só alguns? Vou recomeçar a busca, interrompida a pedido da mulher, para onde devo me mudar, o meu coração e a minha paciência já não aguentam tanta insanidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *