Pimentel não comenta buscas da PF e sua mulher se diz surpresa

Governador Fernando Pimentel não quer dar declarações

Fábio Fabrini e Leonardo Augusto
Estadão

Investigada pela Polícia Federal dentro da Operação Acrônimo, a primeira-dama de Minas Gerais, Carolina Oliveira, divulgou nota por meio de seu advogado Pierpaolo Cruz Bottini na sexta-feira, afirmando ter visto “com surpresa a operação de busca e apreensão realizada em sua antiga residência, em Brasília”.

O Estado de Minas também divulgou nota, dizendo apenas que o governo não é “objeto de investigação nesse processo”. O governador Fernando Pimentel (PT) não se pronunciou sobre a operação da Polícia Federal.

Leia a íntegra da nota da primeira-dama de Minas: “A senhora Carolina Oliveira tomou conhecimento das investigações realizadas pela Polícia Federal na manhã desta sexta-feira, mas viu com surpresa a operação de busca e apreensão realizada em sua antiga residência, em Brasília. Carolina acredita que a própria investigação vai servir para o esclarecimento de quaisquer dúvidas”.

BUSCA E APREENSÃO

Na sexta-feira, a PF vasculhou um apartamento mantido por Carolina na Asa Sul, em Brasília, no qual ela morava até se mudar para Belo Horizonte, no ano passado. A ação integra a Operação Acrônimo, que apura suposto esquema de lavagem de dinheiro envolvendo empresas de colaboradores da campanha de Pimentel ao governo mineiro.

Carolina Oliveira é presidente do Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas), cargo em Minas tradicionalmente ocupado por primeiras damas do Estado. A nota, assinada pelo seu defensor Pierpaolo Bottini, de São Paulo, afirma ainda que Carolina “acredita que a própria investigação vai servir para o esclarecimento de quaisquer dúvidas”.

Em Belo Horizonte, uma das buscas e apreensões dentro da operação foi feita no apartamento do ex-deputado federal Virgílio Guimarães (PT), um dos fundadores do partido em Minas Gerais. Depois de quatro mandatos consecutivos na Câmara Federal, o ex-parlamentar não se candidatou em 2010 e lançou como candidato seu filho, Gabriel Guimarães (PT), que venceu a disputa naquele ano. Quatro anos mais tarde, foi reeleito.

Virgílio, de 66 anos, nunca escondeu ter sido ele quem apresentou o publicitário Marcos Valério – ambos são de famílias que viveram em Curvelo, Região Central de Minas -, ao ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, e ao ex-ministro José Dirceu, todos condenados no mensalão.

8 thoughts on “Pimentel não comenta buscas da PF e sua mulher se diz surpresa

  1. Eles sabem de tudo , mas hoje e dia tem o fator “não sabia de nada”, “num sei”, “se n]ao sair na tevelisão dos filhos do marinho não vale nada”..
    Há um caso desses governadorzinhos de bosley, que esconde uma dos maiores escadâlos de corrupção e sonegação dentro do pr[óprio Palácio do Caviar.
    Até hoje, mas precisamente, sábado, ás 21:35 não se tem noticia do probleminha da primeira dama com a DAS-LÙ,
    Tudo jogado para debaixo do tapete, , que o diga as folhetas da folha do serra…..

  2. Se for investigar político por pegar carona em avião de empresário, como estão fazendo com o Virgílio Guimarães, e por abrir “consultoria” , depois de sair do Congresso, 90% dos deputados e senadores e dos partidos tem que ser investigado. Além disso, no avião desse Bené foram apreendidos 113.000 reais, no helicóptero de outro político mineiro, que não é do PT, foram encontrados mais de 400 quilos de cocaína, e e estranhamente ninguém fala mais nisso, nem a imprensa nem a Polícia Federal. Se fosse do PT, com certeza já estaria em cana desde o dia em que encontraram essa cocaína, junto com o piloto e saindo todas as semanas em capas de revista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *