Planalto prevê mais desgaste e PT considera Fux um traidor

Vera Rosa
O Estado de S.Paulo

A presidente Dilma Rousseff quer manter o governo distante do novo julgamento do mensalão. A leitura política no Planalto é a de que a reabertura do caso pelo Supremo Tribunal Federal provoca desgaste ao governo e pode contaminar a campanha da reeleição, em 2014, mas a ordem é manter o silêncio.

Em conversas reservadas, ministros do PT dizem que, para o governo, melhor seria o STF começar agora a julgar o mensalão mineiro, que atinge o PSDB do senador Aécio Neves (MG), provável candidato tucano à Presidência. Ninguém no governo e no PT gostou da escolha do ministro Luiz Fux como relator dos embargos infringentes.

Nos bastidores do partido, ele é considerado “um traidor” por ter prometido “matar no peito” o processo contra o ex-ministro José Dirceu, antes de ser indicado para a Corte, e depois condenar todos.

Na prática, integrantes do governo acreditam ser pouco provável uma guinada no julgamento dos réus do PT. Temem, por isso, que prisões sejam decretadas e petistas apareçam algemados durante a campanha de Dilma apenas para “compor a foto” contra o partido da presidente. Na avaliação do PT, a disputa para reeleger a presidente Dilma não será um passeio.

“Esse julgamento dos embargos tem que ficar para 2015, para depois das eleições”, disse o presidente do PT de São Paulo, deputado Edinho Silva. “Até agora, o Supremo agiu de forma muito politizada para uma Corte.”

Para o líder do PT no Senado, Wellington Dias (PI), a cúpula do partido ficou perdida e atuou de forma equivocada ao não assumir a defesa pública dos réus do mensalão. “O PT garantiu os advogados, mas errou quando, na fase da denúncia, em 2005, não assumiu, logo no início, a posição da prática de crime eleitoral. Deixou a história da compra de votos crescer. Foi um erro pelo qual vamos pagar”, insistiu Dias.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

7 thoughts on “Planalto prevê mais desgaste e PT considera Fux um traidor

  1. Em religião ou ideologia não existe meio termo, bom senso, convívio com os contrários, alternância de poder político, etc. Essas coisas que são pilares da democracia.
    Ou se pertence a ela, no caso aqui a marxista-leninista, ou é um infiel. Um traidor.

    PS. Religiões como a marxista e a islãmica têm interesse em governar o planeta totalitariamente. Fato sabido.

    Quanto as outras religiões ou ideologias, que não tem o ódio e a violência como as duas citadas, merecem meu respeito.

  2. Traição é o governo petista querer subserviência de um ministro que indica para o STF.
    Onde fica a independência dos 3 poderes?
    Ainda não começou o bolivarianismo. Começou? Acho que por enquanto só temos os “médicos” importados, uma tentativa de mordaça na imprensa, além da subserviência do Congresso. Mas estamos perto, infelizmente…O capimunismo nos levará a ser a próxima Venezuela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *