PMDB acha que Dilma já não tem como se recuperar

Natuza Nery
Folha

As dificuldades encontradas por Dilma Rousseff para equilibrar o Orçamento do próximo ano ampliaram o distanciamento entre ela e o PMDB, e o partido, que assumirá o poder se a presidente deixar o cargo antes da conclusão do seu mandato, já faz cálculos para tentar prever o melhor momento de abandonar o governo e aderir ao movimento pelo impeachment.

Há consenso na cúpula peemedebista sobre a fragilidade de Dilma e o melhor caminho para lidar com ela. Nas palavras de um líder do partido ouvido pela Folha na semana passada, o PMDB não deve “enforcar o governo”, mas “deixará a corda solta para que este mesmo o faça”.

Os peemedebistas acham que a deterioração do cenário econômico nos próximos meses aumentará a insatisfação da população com o desempenho da presidente e não veem possibilidade de reação que tire Dilma das cordas. Segundo o Datafolha, a presidente tinha apenas 8% de aprovação em agosto.

DOIS EVENTOS

Na avaliação da cúpula do PMDB, dois eventos próximos serão cruciais para a evolução da crise: a esperada reprovação das contas do governo Dilma pelo TCU (Tribunal de Contas da União), na primeira semana de outubro, e o congresso marcado pelo PMDB para 15 de novembro, quando o partido pode oficializar o rompimento com o Palácio do Planalto.

Entre uma data e outra, Dilma seguirá seu calvário. Na próxima semana, ela deverá enfrentar um primeiro teste de fogo na votação dos vetos que impôs a três projetos aprovados pelo Congresso que aumentam as despesas do governo, ameaçando o equilíbrio fiscal.

Mais do que um risco financeiro imediato, uma derrota nessas votações reforçaria as dúvidas sobre a capacidade que a presidente ainda tem de governar.

IMPEACHMENT

Outra prova difícil surgirá provavelmente no fim de setembro. Eduardo Cunha indicou a aliados que poderá abrir, a partir do dia 29 de setembro, a discussão sobre o recurso que a oposição quer usar para deflagrar o impeachment de Dilma.

Esta semana, ele definirá o rito que seguirá para a votação do recurso, cujo objetivo é autorizar a criação de uma comissão especial para analisar um dos pedidos de impeachment apresentados contra Dilma, liderado pelo advogado Hélio Bicudo, fundador do PT que rompeu com o partido há alguns anos.

Caberá a essa comissão analisar o pedido e submeter seu parecer ao plenário da Câmara, onde serão necessários os votos de 342 dos 513 deputados para autorizar a abertura do processo de impeachment, que levaria ao afastamento de Dilma do cargo e a seu julgamento no Senado Federal.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG É mais provável que Cunha se finja de governistas, atenda a Lula e rejeite o pedido de Bicudo. Se isso acontecer, a oposição então recorrerá ao plenário, onde é mais fácil abrir o processo de impeachment, pois só depende de 257 votos (metade mais um). Se Lula fosse mais inteligente, pediria que Cunha aceitasse o pedido, o que dificultaria a aprovação do impeachment. (C.N.)

4 thoughts on “PMDB acha que Dilma já não tem como se recuperar

  1. Social: hoje é o Dia da Banana, a fruta* … portanto, Feliz Dia para todos nós, consumidores, produtores, revendedores de Banana !

    (*) conforme Agendinha 2015, editora Vozes, que informa:

    também é o Dia do Técnico Agropecuário e o Dia Mundial sem Carro.

  2. CN

    Você está de parabéns.

    Poucos notaram:

    Total page views 17,823,951
    Total visitors 10,015,353
    Page views per visit 1.77
    Last hits time: 12:44:54 22 September

Deixe um comentário para Gilson Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *