PMDB e PSB descolam do PT e alçam voo solo para as eleições estaduais de 2014

Isabella Lacerda (O Tempo)

As direções de PMDB e PSB em diferentes Estados  alçam voos solo em 2014, e o enfrentamento com o PT vai ser inevitável. Apesar de a aliança nacional também influenciar a montagem do tabuleiro de candidaturas, os partidos já está lançando seus candidatos a governador.

Pezão e Pezinho…

Em Minas Gerais, o PMDB já articula o nome do senador Clésio Andrade como sendo o mais adequado para enfrentar o candidato do governador Antonio Anastasia (PSDB), que não poderá tentar a reeleição. O PT, por sua vez, admite que o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, é o preferido para o embate.

No Rio de Janeiro, onde o atual governador Sérgio Cabral (PMDB) não poderá tentar a reeleição, as conversas em torno de seu sucessor já estão em pauta. Apesar de o comando nacional do partido ter firmado aliança em torno da reeleição da presidente Dilma Rousseff, a sigla já está  lançando o vice-governador Luiz Fernando Pezão na corrida e ainda cobra o apoio petista. O PT, por sua vez, sinalizou como provável candidato o senador Lindbergh Farias (PT).

No caso de São Paulo, o objetivo é minar o governo do tucano Geraldo Alckmin, que deve buscar mais quatro anos de mandato. Enquanto lideranças do PMDB reafirmam que a sigla terá candidato próprio ao governo do Estado, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, já veio a público informar que sua legenda também deseja lançar um concorrente próprio.

No Piauí, o PMDB iniciou as articulações para lançar o vice-governador, Zé Filho, para o governo do Estado. Ele deve enfrentar um novo nome do PSB, ainda indefinido, além de um petista.

No Ceará, o PMDB deve lançar o senador Eunício Oliveira. Já o atual prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PSB), pode ser o sucessor do governador Cid Gomes, que não pode tentar outra eleição.

PSB TEM 12 CANDIDATOS

O PSB pretende montar pelo menos 12 candidaturas próprias aos governos dos Estados em 2014 para fortalecer o nome do governador de Pernambuco e pré-candidato à Presidência da República, Eduardo Campos.

A busca por palanques regionais é um dos principais desafios da sigla – que teve nove candidaturas em 2010 – para reduzir a vantagem da presidente Dilma e do senador Aécio Neves (PSDB).

Os socialistas já têm alternativas consideradas fortes em seis Estados: Amapá, Piauí, Paraíba, Espírito Santo, Ceará e Pernambuco.

Já nos três maiores colégios eleitorais do país – São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro – ainda não há nomes considerados viáveis, mas o partido está buscando alternativas.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *