Polícia aperta o cerco ao governador Pimentel e à primeira-dama

Como ministro, Pimentel garantiu vida de rainha à namorada

Deu em O Tempo

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quinta-feira (1º), a terceira fase da Operação Acrônimo, que investiga o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), a primeira-dama Carolina Oliveira e o empresário Benedito Rodrigues, conhecido como Bené.

Entre os alvos estava a casa do presidente da Cemig, Mauro Borges, na capital mineira. Assim como Pimentel, Borges é ex-ministro do Desenvolvimento. Ele assumiu a pasta em 2014, no último ano do primeiro mandato de Dilma Rousseff.

BENÉ, O PIVÔ

A operação Acrônimo apura irregularidades no financiamento e na prestação de contas da campanha de Pimentel para o governo mineiro, em 2014. Bené, um empresário ligado a campanhas do PT, é o pivô da operação. No ano passado, foram encontrados R$ 113 mil em dinheiro vivo dentro de um avião turboélice que transportava o empresário, o que motivou as investigações da PF. A aeronave apreendida pertence a suas empresas.

Entre os demais alvos da fase deflagrada nesta quinta estão a CBF (Confederação Brasileira de Futebol), no Rio de Janeiro, e as sedes das empresas Marfrig e Odebrecht Ambiental, em São Paulo.

Na CBF, o alvo foi o contrato assinado com a MR Consultoria. A empresa pertence ao jornalista Mário Rosa, que é investigado na Operação Acrônimo, e foi contratada no final do primeiro semestre para dar consultoria ao presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, logo após José Maria Marin ter sido preso na Suíça.

Um delegado e três agentes da PF foram à sede da CBF para obter cópias do contrato.

PRIMEIRA-DAMA

A MR é investigada pela polícia por ter pago cerca de R$ 2 milhões para a Oli Comunicação, empresa pertencente à primeira-dama de Minas Gerais, Carolina Oliveira. O valor é metade o faturamento da empresa dela, de 2012 a 2014. Rosa atuou como consultor informal na campanha de Pimentel.

A PF aponta os grupos Marfrig e Cassino (controlador do Pão de Açúcar) como autores de repasses de R$ 595 mil e R$ 362,8 mil, respectivamente, para Carolina. Em junho, a empresa de Mário foi alvo de busca e apreensão em Brasília.

A Oli Comunicação recebeu pagamentos milionários de empresas que firmaram contratos com o BNDES, segundo a Polícia Federal.

Parte dos repasses ocorreu entre 2012 e 2014, período em que Pimentel era ministro do Desenvolvimento, pasta à qual o BNDES é vinculado.

Ao todo, a PF cumpre 40 mandados de busca e apreensão em Belo Horizonte, São Paulo, Rio e Brasília. Não houve mandados de prisão.

3 thoughts on “Polícia aperta o cerco ao governador Pimentel e à primeira-dama

  1. Que casal ! Que casal !!! . Ela , ela é bonita. Eu disse ELA.
    Mas…, porque fizeram tanta coisa feia???
    Ele, é ”pimentel”. Ou pimenteira ? Pimenta nos olhos dos outros é refresco.
    E, ainda , rindo de nós!!! Logicamente, tem motivos.

  2. O interessante que o Governo rouba e não se acha um centavo nas contas deles, e os tucanos e Cunha não roubam mas tem varias contas em nomes de tucanos e de Cunha com dinheiro preso na Suiça. Não da para entender, ou dá?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *