Polícia Federal vai iniciar a investigação sobre envolvimento de Lula no mensalão

(deu no jornal O Tempo)

A Polícia Federal (PF) em Brasília recebeu o pedido de instauração de inquérito para apurar um suposto envolvimento do ex-presidente Lula com o mensalão. A investigação deve ser aberta até esta quarta-feira.

O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal na sexta-feira e tem como base um depoimento prestado pelo empresário Marcos Valério de Souza, considerado o operador do mensalão.

Delegados farão uma avaliação formal do pedido para determinar se a investigação é de competência da PF. Mas essa é uma análise burocrática, e os policiais dão como certa a instalação do inquérito. É a primeira vez que será aberta investigação criminal sobre o envolvimento de Lula com o mensalão.

No processo principal do escândalo, julgado no ano passado pelo Supremo, Lula não foi investigado. Ele prestou depoimento, por ofício, apenas na condição de testemunha arrolada por diferentes réus do processo.

REPASSE AO PT

O depoimento de Valério que embasa o novo pedido do Ministério Público foi dado à Procuradoria Geral da República em setembro do ano passado, no meio do julgamento do mensalão. Entre outras acusações, o publicitário afirmou que Lula, o ex-ministro Antonio Palocci e Miguel Horta, então presidente da Portugal Telecom, negociaram repasse de US$ 7 milhões para o PT.

Valério afirmou que o ex-presidente e Palocci reuniram-se com Horta no Palácio do Planalto e combinaram que uma fornecedora da Portugal Telecom em Macau, na China, transferiria o valor combinado para o PT.

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante (PT-SP), saiu em defesa do ex-presidente e disse que a investigação contra Lula “não vai prosperar”. “Lula já enfrentou todo tipo de adversidade na vida pública. Ele sabe que sempre foi assim com ele. Ele está preparado, e nós também. Ele vai superar mais essa tentativa que não vai prosperar”, afirmou.

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Mercadante poderia dizer também que a defesa de Lula é em caráter IRREVOGÁVEL, repetindo o que ele disse quando era senador e líder do governo, ao anunciar sua “renúncia irrevogável” à liderança. Pouco depois, foi c, levou uma reprimenda de Lula, abaixou a cabeça e pediu desculpas. (C.N.)

 

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *