Política do governo desde FHC é prejudicial ao aposentado

Charge de Son Salvador (reprodução da internet)

Nellio Jacob

O aumento diferenciado para quem ganha mais de um salário mínimo, imposto pelo FHC e mantido pelos governos Lula e Dilma, no fundo significa diminuir salário, em especial a remuneração dos aposentados, é safadeza dar percentuais iguais para desiguais. Poderia até ser justo o aumento diferenciado para quem ganha acima de 5 salários mínimos e a partir dai ir diminuindo o percentual de aumento gradativamente. Mas da maneira como isto é feito hoje, em alguns anos a maioria dos aposentados que ganham um pouco mais de um salário mínimo estará recebendo apenas apenas o equivalente ao piso do mínimo.

Enquanto isso, altos salários para os companheiros nomeados sem concurso, aumento de salários ao seu bel-prazer do executivo, legislativo e cúpula do judiciário, sem falar nas mordomias. Para o governo, tirar dos trabalhadores e aposentados é sempre mais fácil.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGEste assalto aos aposentados começou quando o governo reduziu o texto de 20 para dez salários-referência e não levou em consideração essa parcela recolhida a mais, ao conceder as aposentadorias. (C.N.)

 

19 thoughts on “Política do governo desde FHC é prejudicial ao aposentado

  1. Quem se aposenta pelo regime geral, depois de trabalhar e contribuir compulsoriamente a vida inteira, precisa continuar trabalhando dobrado para sobreviver com os altíssimos custos de dezenas de medicamentos diários e dos planos de saúde assaltantes (com a saúde pública falida, sentença de morte).

    Quem lucra com os aposentados são os agiotas, que exercem a segunda profissão mais promissora do Brasil, depois da política e do empreendedorismo de organização criminosa, cobrando os juros extorsivos mais elevados e vergonhosos do mundo, em uma nação que se declara majoritariamente cristã e católica, contrária à usura exagerada e cruel.

    Ainda vão elevar a idade para a aposentadoria. Os mais fracos sempre pagam o maior preço e primeiro. Os mais fortes, apadrinhados políticos, jamais pagam, e continuam em mordomias, alheios a qualquer crise ou reforma.

  2. A facção que controla o PSDB jamais deixou o poder.

    PT e PSDB, siglas sem sentido, são as vestes jurídicas de duas quadrilhas que integram a mesma facção que comanda o Brasil e explora a maioria dos brasileiros e imigrantes há cinco séculos, mas que se aprimorou e se disfarçou de país independente ou “soberano” há dois séculos.

  3. Palavras que desonram e iludiram os aposentados.

    “Fiz a reforma da Previdência para que aqueles que se locupletam da Previdência não se locupletem mais, não se aposentem com menos de 50 anos, não sejam vagabundos em um país de pobres e miseráveis”
    Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente, maio de 1998

    “Vamos entrar ainda este ano com um projeto para que o aposentado no Brasil possa viver como vive [o aposentado] na Europa.”
    Lula da Silva, no programa Silvio Santos
    (1989)

    “Aproveito a oportunidade para dizer: não quero mexer na aposentadoria de ninguém. Fiz uma brincadeira e interpretaram tudo errado”.
    Dilma Rousseff (PT), pré candidata a presidente, palestra na Federação das Indústrias do Estado de Goiás
    Fonte: Folha Online
    01/06/2010

  4. Sem aumento real em 2016, perdas salariais dos aposentados e pensionistas aumentam para 84,77%

    Maurício Oliveira e Lívia Rospantini

    O governo anunciou, na última segunda-feira (31), a previsão de aumento para o salário mínimo e de inflação para 2016. De acordo com a fórmula de reajuste dos benefícios, que considera a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior mais o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes (0,1%), o teto dos benefícios deverá ser de R$ 5.114,73 a partir do próximo ano.

    Enquanto os reajustes do salário mínimo e dos benefícios do INSS iguais ao piso deverão ser de 9,83%, a previsão da inflação é de 9,67% para 2016, e, uma vez que a presidente Dilma Rousseff vetou o reajuste dos aposentados que recebem acima do salário mínimo, as aposentadorias e pensões acima do mínimo continuarão a ter apenas o reajuste da inflação.

    Apesar de todos os esforços da COBAP e de suas entidades representativas em todo o país, o Governo não cedeu e, com isso, mais uma vez os aposentados e pensionistas não terão aumento real. Isso vai significar aumento das perdas salariais que vão totalizar 84,77% no período de setembro de 1994 (implantação da moeda Real) até janeiro de 2016.

    A luta da COBAP continua em defesa do reajuste igual para todos!!!!!!!!

    Leia em: http://www.cobap.org.br/noticia/57920/sem-aumento-real-em-2016-perdas-salariais-dos-aposentados-e-pensionistas-aumentam-para-8477

  5. Foi o PT que não só acabou, com as aposentadorias do servidores, como ‘engessou’ a carreira dos mesmos. Por exemplo, seu um agente da PF faz um curso superior em engenharia, ele não pode prestar concurso para perito, pois como ‘muda de carreira’ perde todos os direitos.
    A Dilma Youssef, foi além, criou apressadamente o Funsprev, para com os recursos dele originários, tentar cobrir os rombos dos outros Fumdos de Pensão. Como ninguém acredita nesse governo, menos de 7% dos novos funcionários aderiram a essa nova arapuca.
    Diante disso, o que fez a Czarina dos Pampas ? Tornou a adesão voluntária em obrigatória, coisa bem típica do stalifascismo.

  6. Caro Jacob,

    Artigo irrepreensível, parabéns!

    A forma como os aposentados são tratados pelo PT (atual governo e há 14 anos no poder, portanto, calem a boca os sectários petistas se tentarem culpar os governos que antecederam Lula e Dilma, pois se quisessem melhorar as condições dessa categoria tiveram tempo e recursos para esta finalidade) é criminosa.

    Basta tomar a situação de desespero dos aposentados para constatar como o povo tem sido “respeitado” pelos petistas, em princípio, e depois pelos corruptos, desonestos, imorais, perdulários e vagabundos parlamentares!

    Quando nos defrontamos com aposentadorias milionárias em comparação ao salário de um trabalhador, que esteve por 35 anos sob sol e chuva colaborando para o desenvolvimento do País – impedido de crescer pelo desgoverno petista -, a injustiça se mostra em toda a sua dor, a sua crueldade, a sua maldade com o cidadãos e cidadãs aposentados porque considerados de segunda ou terceira classes por Dilma Rousseff e cúmplices, pessoas culpadas de inúmeros crimes praticados contra o povo e Brasil, pois traidores, entreguistas, apátridas, gente da pior espécie!

    Saúde, Segurança, Educação, Aposentados … inegavelmente os comentaristas que ainda defendem os petistas no poder denominando de “golpe” o impeachment que se desenha na Câmara Federal, certamente lutam pelos seus interesses e conveniências pessoais em detrimento da população e País porque maus brasileiros, más pessoas, péssimos seres humanos, e apoiadores de administrações funestas, perniciosas e nocivas para esta Nação e seu povo tão explorado e aviltado na última década por um bando de bandidos instalado no Planalto!

    Exemplo clássico de desprezo pelos trabalhadores do partido que desgraçadamente ostenta esse nome foi com a concessão outorgada pela marionete conhecida como ministro da Justiça, ao levar de bandeja para o ladrão e traidor do Brasil, o pústula Zé Dirceu, que os mentecaptos apelidaram de “guerreiro” quando não passa de um reles covarde e sabotador das instituições brasileiras, uma aposentadoria integral, um escárnio ao cidadão honrado, decente, honesto, uma ofensa à dignidade, depois do tanto que este criminoso roubou do povo e País!

    Pois este é o PT, o descalabro e desmando de mãos dadas, o destruidor do País, o aniquilador de brasileiros!

    Saúde e Paz, Jacob.

  7. O aumento dos aposentados para quem ganha acima do salário mínimo, assunto trazido à baila por Nélio Jacob com muita propriedade é um confisco praticado todo ano. Os outros governos usaram a mesma tática, entretanto, como bem explicitada por Francisco Bendl, o PT, o Partido da “ética”, assim minúsculo mesmo, o partido que veio para “mudar” para que tudo continuasse na mesma. Pois bem, O PT não só não mudou nada, como fez uma Reforma da Previdência, em continuidade a outra Reforma realizada por FHC.

    Ora, o PT que sempre criticou os coloridos, os sarneysistas e principalmente os tucanos, fez no PODER tudo que os outros fizeram, entretanto, para variar, foram longe demais no aparelhamento do Estado destruindo a credibilidade das empresas estatais em conluio com as empreiteiras, conforme consta do processo da lava Jato. Hoje a Petrobrás está com um endividamento nunca antes visto na sua história desde o seu nascimento em 1954. Essa o PT pode contabilizar entre seus feitos.

    Voltando ao tema dos Aposentados, entra governo e sai governo, quando as contas não fecham, a primeira medida que os gênios e áulicos em torno dos governos preparam é uma Reforma na Previdência destinada a procrastinar os pedidos de aposentadoria. Do jeito que a coisa vai, daqui a pouco chegará aos 100 anos o teto para aposentadoria dos brasileiros, no somatório da idade com tempo de serviço.

    É o chamado fator 65 + 35 = 100. Agora eu pergunto aos senhores: Quem consegue trabalhar em empresas privadas a partir de 60 anos? No serviço público e nas estatais você ainda consegue, mas, no setor privado só por milagre. Então, poucos brasileiros se aposentarão pelo teto máximo do INSS.

    Pouquíssimas empresas privadas puderam completar 50 anos de vida no Brasil, logo, o objetivo macabro de impedir o trabalhador de ter proventos de aposentadoria dignos na velhice está indo por água abaixo. É comum especialistas em previdência lamentarem que o brasileiro esteja vivendo muito e por isso o fator previdenciário deveria ser flexível, inclusive podendo ultrapassar o teto de 100. Outros mais “modernos” ainda querem que as mulheres tenham as mesmas regras dos homens. É um festival de maldades sem fim.

    O que poucos se dão conta, até porque as elites pensam muito pouco, preocupadas em ganhar dinheiro à custa do povo trabalhador é que os aposentados cumprem função social das mais relevantes. Muitas famílias das grandes cidades e principalmente do interior sobrevivem do dinheiro dos aposentados, notadamente em períodos de dificuldades econômicas como a que estamos vivendo agora. São a escola dos netos, os livros escolares, uma cesta básica para a família do filho desempregado, o Plano Médico de netos, filhos e filhas, enfim, um dinheiro que não escorre pelos ralos da corrupção, como temos notícia dos desvios do Bolsa Família.

    Agora, dinheiro para financiamento das empresas privadas, para as empreiteiras e até para pagar a conta de energia, como fez Pezão para a Odebrecht no mês de dezembro há bastante dinheiro. Está em curso um salvamento monstro para as Siderúrgicas, que alegam prejuízo por conta da queda dos preços dos minérios no mercado internacional, fruto da desaceleração econômica da China, que afinal vem se constituindo num imenso concorrente do Brasil.

    Podem esperar, que virá uma Reforma da Previdência desastrosa para os trabalhadores visando mostrar aos investidores externos que o país está fazendo seu dever de casa. Não adiantará nada, pois o buraco das contas públicas caminha para o precipício. Já pensam até em lançar o imposto sobre grandes fortunas, mas, os campeões nacionais não estão lá bem das pernas.

    Que fazer?

    • Um abraço muito forte para você também Bendl.

      Como dizia o filósofo e escritor Alceu do Amoroso Lima, que escrevia no Jornal do Brasil sob o pseudônimo de Tristão de Atayde:
      ” É melhor viver na poluição da democracia do que na assepsia de uma ditadura”.

      É isso aí meu amigo. Não podemos perder a esperança, mesmo com a poluição dos últimos tempos nas garras do Mensalão e da Lava Jato. Se vivêssemos sob o tacão da ditadura, nada seria divulgado em termos de corrupção, a censura seria brutal e quem insistisse ainda seria preso nos porões dos cárceres sem direito a visitas para que os parentes não pudessem ouvir os gritos dos presos torturados.

      O Brasil está no caminho certo, podemos escrever, contraditar o outro, aprender, ler o livro e os comentários que quisermos, e até ficarmos quietinho no canto, só observando, enfim, vida que segue.

      Seria muito melhor para nós, se pudéssemos ainda ler os artigos de Tristão de Atayde, de Gustavo Corção, de Barbosa Lima Sobrinho, de Drumond, de Miguel Reali, de Flavio Rangel e de Roland Corbisier, que escreviam no Jornal do Brasil, na Tribuna da Imprensa, no Estadão e no O Globo. Só nos resta a saudade.

      OBS: Saiu em E-book as cartas que Alçeu do Amoroso Lima escreveu para a filha, enquanto ela vivia no Convento.

      • Apesar dos graves problemas econômicos, políticos e sociais que abalam o País e transformam a população em vítima de descalabros e desmandos desse governo no poder há 14 anos, a verdade é que jamais um ex-presidente e o atual foram tão criticados quanto Lula e Dilma, em consequência também os poderes Legislativo e Judiciário (STF).

        Faz-se mister registrar as liberdades de expressão e de imprensa hoje no Brasil em níveis nunca antes possibilitados, comprovando que a democracia neste aspecto está consolidada, apesar de em termos eleitorais seria necessário aperfeiçoar o sistema eletrônico e o TSE autorizar devidos testes quanto à segurança do voto dessa maneira.

        Não me lembro, Roberto Nascimento, de outros períodos que pudéssemos escrever sobre as gestões anteriores com esta contundência, que pudéssemos questionar incisivamente os governantes, que pudéssemos reclamar e criticar com tanta veemência os parlamentares e, até mesmo, os ministros do STF!

        Por outro lado, o preço para esta concessão é muito alto, convenhamos: Educação, Saúde, Segurança, Aposentados … absolutamente abandonados, com extremas carências de recursos, de atenção, de reformas, e que fizessem parte das intenções do governo para pelo menos minimizarem os seus aspectos mais deploráveis, mais necessitados, mais urgentes.

        Neste particular, observa a curiosidade e contradição com relação à liberdade que desfrutamos, na razão inversamente proporcional do quanto estamos presos e limitados nas áreas mais importantes e decisivas ao desenvolvimento do Brasil e progresso do povo coletiva e particularmente.

        Se podemos apontar o dedo na cara dos responsáveis e acusá-los de incompetentes, corruptos, imorais, perdulários e antiéticos, em contrapartida e justamente por assim se apresentarem e serem reconhecidos, os poderes estariam se vingando de nós ou estariam nos desprezando porque os identificamos como nocivos, perniciosos e nefastos à população e País?!

        Seria este o incalculável preço que a democracia brasileira nos estaria cobrando?

        De as liberdades de expressão, imprensa, ir e vir, estariam condicionadas à liberdade de os governos petistas (é a quarta gestão do PT) tomarem de assalto o Brasil e suas instituições para enriquecer o partido e locupletarem a sua cúpula partidária?!

        De poderem roubar estatais, o erário e fundos de pensão como compensação pelas críticas que inevitavelmente receberiam por que jamais apresentaram qualquer plano de governo nas quatro administrações que foram e ainda são responsáveis por mais uma que, se espera, seja a derradeira?

        E os danos causados ao País e povo ocasionados por esta democracia não estariam sendo demasiadamente onerosos, praticamente impagáveis?

        Pontos a ponderar, conforme tópico de uma revista muito antiga.

        Um forte abraço, Roberto.
        Saúde e Paz!

  8. A sua réplica Bendl está sensacional dando margens a novos temas dela decorrentes.

    A República brasileira desde o nascedouro está sendo palco de crises homéricas. O presidente Campos Sales quando chegou ao Brasil após viagem à Inglaterra para negociar a dívida brasileira com os ingleses recebeu vaias e quase foi apedrejado pelo povo.

    De crises em crises chegamos à revolta dos Tenentes em 1922 e a Revolução de 1930. Regime autoritário liderado por Vargas que durou 15 anos e que só acabou porque não era lógico e crível lutarmos na guerra contra o eixo do mal liderado por Hitler e aqui sermos liderados por um Ditador. Vargas voltou após um governo desastroso do general Eurico Gaspar Dutra. A volta de Vargas pelas urnas ao poder se tornou dramático o levando ao gesto extremo do suicídio. O mar de lama cobria o governo de Vargas, que perdeu o apoio do Congresso e do estamento militar. Mas, foi nesse período que a Petrobrás nasceu e contribui até hoje para o desenvolvimento nacional.

    A eleição de Juscelino também teve as suas mazelas. Duas unidades militares da Aeronáutica se rebelaram contra o presidente mineiro. Aragarças e Jacareacanga. Controlada a rebelião contra a posse de Juscelino, este anistiou os revoltosos, uma atitude de grandeza do presidente bossa nova.

    Terminado o mandato após a mudança da capital para Brasília em 1960 ganhou a eleição a chapa Jan-Jan – Jânio de presidente e Jango de vice. Novo momento de grave crise política. Jânio renunciou. Jango estava em viagem oficial na China e constitucionalmente passou a ser o presidente dos brasileiros, entretanto, os militares ameaçaram derrubar o avião presidencial assim que entrasse no espaço aéreo brasileiro. Entraram em campo os bombeiros políticos, com Tancredo Neves a frente das negociações e fecharam um acordo para a instituição do governo Parlamentarista. Tancredo de Primeiro Ministro. Jango aceitou e pode normalmente assumir o governo com poderes limitados. Sete meses depois lançou um Plebiscito e o regime presidencialista foi restabelecido.

    O gesto ousado do presidente João Goulart teve como consequência o GOLPE de 31 de março 1964. Empresariados nacionais e internacionais, Igreja, militares e até os Estados Unidos tramaram para apear do Poder o presidente Jango. As greves de trabalhadores pipocavam toda semana, ora eram os ônibus parados, depois os trens e assim por diante, além das revoltas dos marinheiros e dos sargentos. Tornou-se impossível manter o Poder com essas condições adversas. Para piorar, o presidente executou medidas contundentes contra o capital: Lei da Remessa de Lucros, Reforma Agrária e Reforma Urbana. Três petardos contra o capitalismo, assim ficou impossível resistir. Caso tentasse reagir com as forças leais ao seu governo, seria assassinado tendo o mesmo destino de Salvador Alend no Chile em 1973, morto no palácio La Moneda pelas forças de seu Ministro do Exército, o famigerado general Pinochet.

    Bem, foram momentos históricos abundantes, apesar das muitas outras crises ocorridas nos longos 21 anos do regime militar com apoio da sociedade civil: crise do governo Castelo, crise do governo Costa e Silva, crise do governo Geisel, que escapou de um golpe da linha dura capitaneada pelo seu Ministro do Exército e a crise final do governo Figueiredo, que conviveu com um período da inflação galopante combinada com recessão, chamada na época de estagflação.

    Com a retomada da democracia, adveio o governo Sarney na esteira da morte do presidente Tancredo Neves. Foi também um período conturbado com inflação galopante e crises políticas, pedidos de impeachment e a figura de Ulisses Guimarães do PMDB dominando o presidente. Insta salientar, que o presidente Sarney era um quadro da ditadura, oriundo da Arena e que serviu obedientemente os preceitos do regime militar.

    Collor foi aquele desastre do impeachment de um presidente despreparado para governar. Autoritário, megalômano e arrogante. Queria mostrar virilidade e modernidade, mas, matou o sonho de mudança dos brasileiros. Errou tanto, que o caminho natural foi à renúncia, antes de ser defenestrado pelo impeachment.

    Veio Itamar seu vice e que dizem teria conspirado contra o presidente e depois o indicado de Itamar, o sociólogo Fernando Henrique Cardoso, que não se contentou com quatro anos de governo e tramou para a emenda da reeleição, ficando oito longos anos no comando dos palácios do Planalto e da Alvorada. Os quatro últimos anos de FHC foram catastróficos, a popularidade de FHC despencou a ponto de não conseguir eleger seu sucessor, seu Ministro da Saúde José Serra. Venceu a eleição de 2002, o ex-metalúrgico Luiz Inácio Lula da Silva. Com a ferida da reeleição aberta, Lula conseguiu a proeza de ficar oito anos no Planalto. Ninguém consegue permanecer tanto tempo no Poder, se não fizer pesadas concessões ao sistema nacional e internacional. Quando falo em sistema me refiro ao sistema capitalista. As empresas, ao empresariado em geral, as políticas globais, as relações internacionais de poder mundial. Ao povo cabem as migalhas de sempre.

    Neste particular, errou o PT, que jogou ao vento suas promessas de campanha. Para permanecer no Poder traiu o povo que o elegeu na esperança de mudanças no modo de governar. A já histórica e famosa Carta aos Brasileiros cimentou o que restava de esperança. Os termos da carta indicaram que nada mudaria em relação ao estado de coisas sacramentado desde 1889. Os oito anos de Lula foram uma lua de mel com o Poder, mas adveio a crise econômica de 2008, que o Macunaíma proletário chamou levianamente de “marolinha”. Essa marolinha dura até hoje e se transformou na tsunami econômica e política que afeta todas as instituições da República.

    A consequência da crise econômica, que é a mãe de todas as crises está aí latente. Os poderes se digladiam entre si para saber quem manda mais e o atropelamento das Leis e Normas vira uma constante. Executivo, Legislativo e Judiciário ampliam a crise política e econômica. Entretanto, o país avança na esteira da democracia, muito melhor do que a vida nos regimes autoritários. Nas ditaduras, a opinião não é tolerada e a divergência é punida com a morte. Vejam o caso recente do reino da Arábia Saudita, que executou 47 opositores do Estado. Na China também a oposição sofre com a ditadura do politiburo do Partido Comunista. E ainda tencionam pedir financiamento para empresas brasileiras em dificuldades exatamente aonde? Na China, que em nada é diferente de todos os países que colonizaram a nação brasileira desde o Império.

    Espero ter respondido em parte as suas ponderações prezado Bendl.

  9. Meu caro Roberto Nascimento,
    Obrigado pela resenha histórica muito bem feita sobre este País conturbado, que ainda não se encontrou politicamente!
    Diga-se de passagem que a corrupção faz parte da vida nacional, pois era o único meio de se negociar com os nossos colonizadores e depois com a Corte portuguesa quando se instalou no País a partir do inesquecível ano de 1808.
    De lá para cá, o Brasil vive sob as determinações de negociatas, desonestidade, corrupção, pois enraizadas na vida nacional e, em consequência, no modo de viver também do brasileiro, lamentavelmente.
    Resultado:
    AINDA NÃO tivemos governos voltados exclusivamente às questões do Brasil e necessidades do povo.
    Lula, que chegou a ser esta esperança, mesmo que tênue, mas um resquício de possibilidade para mudar a situação reinante durante quase duzentos anos, afundou solenemente no mar de podridão que ele mesmo e seu partido criaram para se beneficiar do poder, enriquecer familiares, amigos e aliados políticos, enquanto jogava migalhas ao povo descaradamente!
    Dilma não fugiu à regra, muito pelo contrário, tenta voltar para um caminho que desconhece qual seja, então o caos político, social e econômico, e com graves repercussões e consequências à vida do povo, mais uma vez.
    Se analisarmos os presidentes eleitos democraticamente após a ditadura, TODOS, indistintamente, foram íntimos da corrupção, desonestidade, usaram e exploraram o povo como quiseram, e roubaram este país de formas e maneiras as mais diversas, as mais deletérias, as mais explícitas já vistas na História do Brasil!
    Não poderíamos estar em situação diferente que esta com Dilma Rousseff, um engodo de seu criador para nos governar, um presente de grego para nossas esperanças, uma sabotagem para nosso desenvolvimento.
    Um grande abraço, meu caro Roberto Nascimento.
    Saúde e Paz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *