Política em tempos interessantes, sem candidatos à Vice-Presidência

Resultado de imagem para VICE CHARGES

Charge do Jorge Braga (Arquivo Google)

Merval Pereira
O Globo

É sintomático desses tempos interessantes que vivemos no país, no sentido da maldição chinesa de instabilidade e caos, que nenhum candidato tenha escolhido até agora um vice. Se é verdade que vice não ganha eleição, ajuda a governar, como foi o caso de Marco Maciel do PFL nas gestões de Fernando Henrique, ou sinaliza uma tendência, como a escolha de José de Alencar nos governos de Lula. Ou até mesmo de Temer nos governos Dilma.

O que os candidatos estão buscando, nesse nosso presidencialismo de cooptação, é tempo de televisão e a chamada governabilidade, que tantos escândalos já justificou. O mais bem-sucedido até o momento, pelo menos aparentemente, é Geraldo Alckmin do PSDB, que está para anunciar o acordo político com o chamado “centrão”.

BEM E MAL – Na sua forma embrionária e não tão tóxica, o centrão já foi de Fernando Henrique, e depois de Lula e de Dilma, gerando o mensalão e o petrolão. Todos os demais candidatos estão isolados em suas posições, para o bem e para o mal.

O PT não abre mão de dominar o espaço da esquerda e quer esticar a corda ao máximo, na tentativa de colocar a foto de Lula na urna eletrônica. Tudo indica que não conseguirá, e o projeto pessoal de Lula deve inviabilizar a união dos partidos de esquerda que, se não têm muitos votos, reforçariam o sentido ideológico de uma candidatura única.

Assim como controlou a esquerda engolindo Leonel Brizola, depois de vencê-lo em 1989 e fazê-lo seu vice em 1998, Lula não aceita apoiar Ciro Gomes, do PDT, o mais bem colocado candidato identificado com a esquerda. E tenta manter outros partidos menores, como o PCdoB e o PSOL, sob sua asa. Mesmo com candidatos próprios, esses partidos não oferecem perigo à hegemonia do PT.

PLANO B – Quanto mais demorar a indicar um substituto, menos eficácia terá na transposição de votos para ele. E talvez seja a estratégia oculta do PT perder a eleição e liderar a oposição. Mas só com a vitória de um aliado, Lula tem chances de sair da cadeia.

 Por sua vez, Ciro Gomes foi de um lado a outro na tentativa de ganhar o apoio de Lula, ora elogiando o líder petista, ora criticando-o. E buscou com afinco o apoio do mesmo centrão que está em vias de apoiar Alckmin. Foi mal sucedido nos dois casos, e agora busca o apoio da Rede de Marina Silva, que aparece nas pesquisas à sua frente.

Apesar desse seu bom desempenho, Marina também não conseguiu até agora uma aliança política que lhe oferecesse coerência, além do tempo de televisão. Rejeitou o centrão desde o primeiro momento. Provavelmente vai dar a Ciro uma negativa educada: se ele aceitar o programa da Rede, poderia ser o seu vice.

BOLSONARO – O líder das pesquisas quando Lula não está, Jair Bolsonaro, também encontra dificuldades para aumentar sua exposição na propaganda eleitoral: Dois nomes de militares de outros partidos foram aventados e inviabilizados nas negociações políticas, e a advogada Janaina Paschoal, tentada pela possibilidade, acabou inviabilizando sua própria indicação ao realizar um discurso crítico na convenção que indicou Bolsaro oficialmente a candidato à presidência da República. Tudo indica que fez o sincericídio de caso pensado.

De todos os demais candidatos, apenas o ex-tucano Álvaro Dias tem alguma, embora escassa, possibilidade de ser bem sucedido. Mas o que lhe restou de apoio são nanicos que podem lhe dar um pouco mais de tempo de televisão e vices exóticos como os eternos candidatos Emayel ou Levy Fidelix.

QUADRO CONFUSO – Como se vê, a dois meses e meio das eleições, o cenário político continua confuso, sendo impossível saber-se neste momento o que vai prevalecer, se os esquemas da velha política, baseados em estruturas partidárias enraizadas pelo país e tempo de televisão, ou a necessidade de renovação que aparece em todas as pesquisas, mas não nas eleitorais.

Lula, na cadeia, continua sendo o líder das pesquisas, e Bolsonaro, Marina e Ciro Gomes são os preferidos até agora. Desses, apenas Marina, embora política tarimbada em sucessivos mandatos, representa uma novidade na maneira de encarar a política, mas foi destruída pela máquina partidária do PT e do PSDB na eleição de 2014.

Bolsonaro e Ciro Gomes são políticos tarimbados e, cada um à sua maneira, representa a velha política. Desde a busca de alianças mesmo à custa da coerência, até a tão conhecida política familiar.      

10 thoughts on “Política em tempos interessantes, sem candidatos à Vice-Presidência

  1. “Bolsonaro e Ciro Gomes são políticos tarimbados e, cada um à sua maneira, representa a velha política.”

    -Quem faz “política nova”, para o Merval Pereira, é o Lula, a petista Marina e o candidato do partido que negociou rendição ao PCC…

  2. Hoje todo candidato a cargo majoritário tem medo do vice, ninguém quer correr o risco de ser destronado pelo vice. Cautela e caldo de galinha nunca fizeram mal a ninguém.

  3. Já era tempo de aprender. Todos sabem que, no Brasil, o cargo de vice a qualquer coisa, não passa de figura decorativa.
    Se todo mundo quer ascender ao poder, movido pela gana de roubar e roubar. Por isso, não é sensato jogar com o infortúnio: vices com direito a todos os vícios dos titulares, só Sarney e Temer, na longa história da República Cleptocrática.

  4. Quanto ganham estes institutos de pesquisas para colocarem luiz inácio em primeiro lugar?

    Claro que ele jamais alcançou este dito primeiro lugar porque o povo brasileiro já declarou denasiadamente, principalmente na última eleição, que o pt é um partido corrupto, e se o luiz inácio é o seu líder maior, certamente o é também.

    Portanto, mesmo sabendo que o apedeuta não concorrerá, os institutos recebem muita grana de quem a ganhou fácil, e hoje não sabe onde gastá-la a não ser para massagear o seu ego.

  5. Joaquizão vai tergiversar pela terceira vez.
    Já que as soluções dos problemas nacionais estão nos Joaquins, o que tal nomear Joaquim Barbosa pro Ministério da Fazenda? Assim, ele poderia repetir o mesmo ato do seu homônimo, Joaquim Murtinho, o ministro da fazenda do presidente Campos Sales. Murtinho, tentando controlar a deflação galopante à época, incinerou um monte de cédulas do tesouro nacional. Essa tentativa, nada convencional, de minimizar um desajuste monetário, ficou registrada, em nossa história republicana, não como uma fórmula de fazer a economia ressurgir das cinzas, mas de se reduzir à própria cinza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *