Por causa de Toffoli, procurador Janot suspende a delação premiada da OAS

Janot decide, pela primeira vez, suspender uma delação

Jailton de Carvalho
O Globo

A Procuradoria Geral da República determinou a suspensão das negociações do acordo de delação premiada do ex-presidente da OAS Léo Pinheiro e de outros executivos da empreiteira, segundo disse ao GLOBO uma fonte que acompanha o caso de perto. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e outros investigadores se irritaram com o vazamento de um dos assuntos tratados na fase pré-acordo de colaboração.

Para o Ministério Público Federal, houve quebra de confidencialidade, uma das cláusulas do pré-acordo firmado há duas semanas entre o grupo de trabalho do MPF e os advogados da empreiteira. Janot teria entendido que a divulgação de uma informação sobre citação ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli teria como objetivo forçar a Procuradoria-Geral da República a aceitar o acordo de delação conforme os interesses dos investigados.

Nas tratativas iniciais não há qualquer anexo em que Léo Pinheiro ou algum outro executivo da empreiteira tenha se comprometido a fazer acusação de envolvimento de Toffoli ou de outro ministro do STF em desvios investigados na Operação Lava-Jato. Numa das mensagens extraídas do celular de Pinheiro, há referência a uma obra na casa de um ministro do STF, mas não há nomes nem indicação da prática de crime.

DENÚNCIA – A revista “Veja” publicou na edição desta semana que Toffoli foi citado por Léo Pinheiro. Segundo a reportagem, o ex-executivo da OAS teria se comprometido a falar sobre conversa que manteve com o ministro do Supremo. Ainda conforme a revista, no encontro, Toffoli teria reclamado que tinha problemas de infiltração em sua casa. Após a conversa, a OAS teria enviado engenheiros à residência do ministro e indicado uma empresa para fazer o serviço.

A revista informa que Toffoli contratou a empresa e arcou com a conta. Não há qualquer referência sobre pagamentos indevidos ao ministro. O próprio Toffoli disse que não tem relação de proximidade com o ex-presidente da OAS. O ministro ainda confirmou que ele mesmo pagou a conta do serviço de impermeabilização.

Esta é a primeira vez que o procurador-geral da República determina a suspensão de um acordo de delação desde o início da Lava-Jato, em março de 2014. A decisão de Janot pode complicar a situação de Pinheiro, que já foi condenado pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, a mais de 16 anos de prisão por fraudes em contratos na Petrobras. O acordo seria uma das únicas esperanças de ele reduzir o tempo na prisão.

AVANÇOS E RECUOS – As negociações entre Ministério Público Federal e representantes de Pinheiro tiveram início em março, mesmo período também das tratativas entre procuradores e advogados da Odebrecht, maior rival da OAS. Depois de avanços e recuos, há duas semanas, os advogados de Pinheiro selaram um pré-acordo com procuradores de Brasília e Curitiba para fazer uma das mais importantes delações da Lava-Jato. Mas todo o esforço das duas partes pode ter sido em vão.

Quando as negociações foram iniciadas, havia expectativa sobre os relatos que Pinheiro pudesse fazer das relações com o PT e também sobre obras realizadas em imóveis usados pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Num celular de Léo Pinheiro também foram encontradas inúmeras trocas de mensagens com políticos de vários partidos. Um acordo de delação poderia ajudar a traduzir algumas das conversas e identificar quais eram de fato combinações para favorecer a empreiteira em contratos com o governo e quais tratavam de doações para campanhas eleitorais em esquema de caixa dois.

ODEBRECHT – Enquanto as negociações com a OAS retornam à estaca zero, a Odebrecht tenta fechar a delação de seus ex-executivos. O ex-dirigente da empreiteira Marcelo Odebrecht e outros executivos já começaram a prestar depoimento, mas ainda não há previsão de quando o processo será concluído para ser submetido à homologação pela Justiça Federal do Paraná e pelo ministro Teori Zavaski, relator dos inquéritos vinculados à Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal.

Neste domingo, O Globo noticiou que executivos da Odebrecht relataram no processo de delação premiada que a empreiteira pagou pelo menos R$ 100 milhões em propina para o PT. As negociações teriam sido intermediadas pelo ex-ministro da Fazenda Guido Mantega. Os valores teriam sido pagos pela empresa a partir do setor que cuidava das operações de caixa dois, chamado de Setor de Operações Estruturadas da holding.

COMPRA  DE MPs – Esse setor chegou a ter as informações apagadas nos provedores da Odebrecht, mas, no processo de acordo para delação, executivos se comprometeram a recuperar as informações. De acordo com o relato dos executivos, a maior parte dos pagamentos teria sido feita em troca de benefícios obtidos junto ao governo. Segundo noticiou O Globo, entre esses benefícios estariam a desoneração da folha de pagamentos e a redução de imposto de renda sobre o lucro de empresas brasileiras no exterior.

Na negociação de delação, os funcionários detalharam as cifras operadas pelo Setor de Operações Estruturadas, comandado pelo diretor Hilberto Silva no 16º andar da sede da Odebrecht em São Paulo, o mesmo onde funciona a presidência da empresa. As contas usadas para bancar pagamentos eram abastecidas pelas diversas firmas do grupo. Só a Braskem teria repassado cerca de R$ 500 milhões para o setor responsável pelo pagamento de propinas ao governo federal e a governos estaduais.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGA decisão de Janot é estranha e claramente visa a proteger Toffoli e o Supremo. O vazamento da Odebrecht foi muito mais grave, porque comprova as negociações de compra e venda de MPs e mostra o envolvimento de Lula, Dilma, Mantega e do atual ministro Dyogo de Oliveira, que operava a corrupção. A balança da Justiça de Janot parece ter dois pesos e duas medidas. (C.N.)

31 thoughts on “Por causa de Toffoli, procurador Janot suspende a delação premiada da OAS

  1. Conflitos do “velho” e do “novo”

    “Pobre de mim! Como é terrível a sapiência/ quando quem sabe não consegue aproveitá-la” (Sófocles)

    Sem esclarecer possível vazamento fica difícil entender a postura da Procuradoria Geral.

    A menos que haja sigilo que não possa ser rompido sem comprometer a continuidade das investigações.

    Os procuradores da república encontrarão respostas para os seus questionamentos revisitando o rei tebano que também confrontou o conflito do “velho” e do “novo”.

    Sófocles pretendia, em sua obra, mostrar que a submissão à crença no destino e às “leis divinas” perdera sua função na pólis e foram substituídas definitivamente pela racionalidade e pelas “leis escritas”.

    http://mundovelhomundonovo.blogspot.com.br/2014/12/o-conflito-na-obra-de-sofocles.html

  2. BASTA DE NHENHENHEM, SIMBORA PARA BRASÍLIA. COMEÇA HOJE A SEMANA DA DEMOCRACIA DIRETA JÁ, QUE VAI ATÉ O DIA 29 DE AGOSTO, E PODERÁ IR ATÉ A PRIMAVERA BRASILEIRA. Vamos ocupar a Ilha da Fantasia do partidarimo-eleitoral e do golpismo-ditatorial, velhaco$, camaleônico$, golpista$, que representam apenas a corrupção e o establishment bandido, e vamos fazer o que tem que ser feito. Ao povo o que é do povo. Rendição Já, do partidarismo-eleitoral e do golpismo-ditatorial, velhaco$. Chega dos me$mo$. Fora todo$. Basta de roubalheira e de NheNheNhem. Nunca ninguém nos perguntou se de fato queremos e aceitamos essa gente como nossos representantes. Apenas nos obrigam a votar nos ditos cujos, que nos são impostos por elle$, sob as penas da lei, delle$. E o que é isso, senão ditadura da roubalheira e do NheNheNhem para justificá-la. BASTA de roubalheira e de NheNheNhem. DEMOCRACIA DIRETA JÁ. https://www.youtube.com/watch?v=rq-WlPYFnm8

  3. Esse Enganot, tá mexendo em um vespeiro, não acredito que ele faça esta besteira, mas se fizer, coitado!! Tá chamando a briga para si, vai perder e sairá desmoralizado e escrachado !!!

  4. VEJAM A MATÉRIA DESSE COMUNISTA DE ALTA PERICULOSIDADE !!! kkkkkaaasss..

    Vazamento sobre Toffoli faz Janot suspender delação de Léo Pinheiro; por enquanto, nada há contra ministro
    Procurador-geral teria ficado irritado com o vazamento e entendido que era uma forma de forçar acordo segundo os interesses do investigado
    Por: Reinaldo Azevedo 22/08/2016 às 6:26
    —–
    O jornal O Globo informa que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, suspendeu as negociações para o acordo de delação premiada de Léo Pinheiro e de outros executivos da OAS. Ele teria ficado irritado com o vazamento de uma informação, publicada pela VEJA, segundo a qual, na fase de pré-acordo, o nome do ministro Dias Toffoli, do Supremo, teria sido citado.
    A revista informa que Toffoli teria reclamado de infiltração em sua casa e que a OAS teria enviado engenheiros ao local para fazer uma avaliação. Uma empresa teria sido indicada para fazer a obra, e a conta, segundo a revista, foi paga pelo ministro.
    Segundo o Globo, a Procuradoria entendeu que o vazamento do nome de Toffoli seria uma forma de os delatores pressionarem o órgão a aceitar a delação segundo os interesses do investigado.
    Que fique claro: segundo a própria VEJA, com o que se tem agora, Toffoli não pode ser acusado de coisa nenhuma. A questão é saber se os delatores, no pré-acordo, deixaram claro que têm algo mais a dizer. Dada a reação do Ministério Público Federal, não parece ser o caso. Creio que que seria um jogo arriscado demais suspender uma delação para, sei lá, proteger o nome de um ministro do Supremo.
    Eu mesmo afirmei aqui que, se houvesse algum elemento grave contra Toffoli, ele teria, quando menos, de se declarar impedido de votar nos casos referentes ao petrolão. Comprovada a prática de crime, existe a possibilidade de impeachment para ministro do Supremo.
    Com o que se tem até agora, não cabem nem uma coisa nem outra. Não há evidência nenhuma contra ele.
    A decisão de Janot também tem lá a sua estranheza. Não fica exatamente claro por que o vazamento seria uma forma de forçar a aceitação do acordo “segundo os interesses do investigado”.
    É a primeira vez que Janot toma uma medida como essa desde o início da Lava Jato. Pinheiro já foi condenado em primeira instância, pelo juiz Sergio Moro, a 16 anos de prisão. Dado o que se reuniu contra ele e contra a empresa, sem um acordo, dificilmente a sentença não seria endossada em instâncias superiores, e ele começaria a cumprir pena em regime fechado.

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/vazamento-sobre-toffoli-faz-janot-suspender-delacao-de-leo-pinheiro-por-enquanto-nada-ha-contra-ministro/

  5. O JOSIAS VIROU UM JORNALISTA PETISTA ???

    Planalto receia que Temer seja alvo de panelaço .
    Josias de Souza
    22/08/2016 03:47 .

    Ao decidir levar ao ar seu primeiro pronunciamento no feriado em 7 de Setembro, Michel Temer deu de ombros para ponderações que ouviu de auxiliares. Integrantes de sua equipe receiam que ele seja alvo do seu primeiro panelaço. Embora concorde com a avaliação, Temer decidiu correr o risco.
    Temer se esforça para conviver com a impopularidade. Há duas semanas, foi à abertura dos Jogos Olímpicos sabendo que seria hostilizado. Evocou Nelson Rodrigues: “No Maracanã, vaia-se até minuto de silêncio.” Ao anunciar a abertura da Olimpíada, foi vaiado mesmo sem que seu nome tivesse sido mencionado no sistema de som.
    Temer faltou à cerimônia de encerramento, na noite deste domingo (21). Enviou como representante o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O deputado sentou-se ao lado do presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach. Mas sua presença também não foi anunciada pelo ceremonial do evento.
    Numa tentativa de vacinar Temer contra o panelaço, o Planalto volta a se escorar em Nelson Rodrigues: “Toda unanimidade é burra”, disse um auxiliar do presidente que, em poucos dias, deve ser efetivado no cargo pelo Senado. “As manifestações da sociedade são parte da democracia”, acrescentou.
    Em junho, o medo de panelaço fizera Temer desistir de uma aparição em rede nacional de rádio e tevê. O governo enviara ao Congresso a proposta de emenda constitucional que cria um teto para limitar o crescimento das despesas públicas. E Temer programara-se para bater bumbo na vitrine eletrônica. Celebraria a normalização das relações com o Legislativo e a retomada da confiança dos agentes econômicos.
    Recuou depois de ouvir o estrondo da delação premiada de Sérgio Machado, o ex-tucano que se converteu ao PMDB e presidiu a Transpetro por quase 12 anos. Período em que fez da subsidiária da Petrobras uma usina de trambiques e propinas.
    Machado ocupou manchetes nas quais o Planalto imaginara que acomodaria seu otimismo econômico. Índio da tribo do pajé Renan Calheiros, o delator disse ter recolhido R$ 115 milhões no balcão da Transpetro. Distribuiu-os a 23 políticos de oito partidos. A parte do leão, R$ 100 milhões, foi destinada aos cardeais do PMDB. Nessa versão, a pedido de Temer, R$ 1,5 milhão fora borrifado na campanha de Gabriel Chalita, então candidato a prefeito de São Paulo pelo PMDB.
    A aparição de Temer representará uma espécie de ressurreição dos pronunciamentos oficiais de presidente. Sob Dilma, a ferramenta havia sido abandonada desde maio de 2015. Madame fugiu dos panelaços refugiando-se na internet. Rompendo a tradição, cancelou a exibição da mensagem do Dia do Trabalho em rede nacional. Veiculou-a nas redes sociais.
    O então ministro Edinho Silva (Comunicação Social da Presidência) disse na época que Dilma não fugiu do horário nobre da tevê por medo das panelas. Ela “só está valorizando outro modal de comunicação. Já valorizou a rádio, valoriza todos os dias a comunicação impressa. E resolveu valorizar as redes sociais.” Dilma jamais seria vista novamente numa rede nacional.

  6. A familia Newton Cardoso ….
    ——-

    Peemedebista comprou helicóptero por meio de offshore, mostra Lava Jato
    Fernando Rodrigues
    22/08/2016 09:59 .
    Documento apreendido é de Renata Pereira Britto, da Mossack
    Caso envolve deputado Newton Cardoso Jr, do PMDB de Minas
    Operação financeira nos EUA foi revelada pelos Panama Papers.

    http://fernandorodrigues.blogosfera.uol.com.br/2016/08/22/peemedebista-comprou-helicoptero-por-meio-de-offshore-mostra-lava-jato/

  7. complementando e facilitando:
    https://www12.senado.leg.br/ecidadania
    PEC 106/2015
    PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO nº 106 de 2015
    Autoria Senador Jorge Viana e outros
    Ementa
    Dá nova redação aos arts. 45 e 46 da Constituição Federal para reduzir o número de membros da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.
    Explicação da Ementa
    Reduz o número de membros da Câmara dos Deputados (para 386) e do Senado Federal (de 3 para 2 por unidade da Federação).
    Ler texto completo Ver tramitação

    É possível opinar enquanto a matéria tramita no Senado

    206.176 Favor 738Contra
    Votos apurados até 22/08/2016 12:14:28

    Temos ferramentas para agir e não discutir balelas.

    • Apesar de ser do Jorge Viana, essa PEC é de fato do PC do B, pois ele tem um curral eleitoral mínimo, dessa forma, diminuindo o número de parlamentares o seu ‘peso específico’ aumenta.
      Isso já fazia parte das Resoluções da 3.ª Conferência do PT de 2007.

      • com razão ” peso especifico” aumenta, bem como o numero de pessoas honestas que hoje é infimotambem terá um peso maior nas votações.
        Se bem que: a verdade hoje não é a mesma de outrora.

        • Sr. Virgilio, suas colocações, nesta TI, tem grande valor como as de DR. Béja, C.N., Loriaga, o Dr. Psiquiatra, e outros valorosos,
          detesto ser idoso porque esqueço com uma facilidade, perdoe-me os ilustres aos quais não deixo de ler.
          Adoro os que tambem só fazem criticas, porque não tem a preocupação de errar e as vezes acertam, nem sempre os elogios gratificam.

          • É que houve um problema, o que eu falava pré Temer, continuo falando pós Temer…
            De nada adianta tirar 20 ou 30 % de uma quadrilha, pois ela logo ser recompõe, principalmente se sobrar recursos financeiros.
            O sinal mais claro disso é a total dependência do Temer do Renan, Jucá, Cunha ( que não vai perder o mandato ) e outros grandes expoentes da ‘ moral’ .
            Quanto as críticas, já estou calejado delas.
            Grato.

          • Sr. Virgilio.
            concordo plenamente neste seu aparte.
            Digo sempre, não existem pessoas, só ruins, nós precisamos interprete-las.
            Prefiro comentarios tem maior chance de certeza.

  8. O ” ideológico ” PPS….

    Contra Sarney, esquerda e direita se unem em Macapá
    O atual prefeito, Clécio Luís (Rede), tenta se reeleger em uma chapa cuja candidata a vice, Telma Nery, é do DEM e em coligação de siglas com espectros ideológicos diferentes
    —–
    A eleição deste ano em Macapá (AP) terá uma aliança inusitada entre partidos da esquerda e da direta. O atual prefeito, Clécio Luís (Rede), tenta se reeleger em uma chapa cuja candidata a vice, Telma Nery, é do DEM e em coligação de siglas com espectros ideológicos diferentes, como PCdoB, PSDB e PSC. O PSOL o apoia informalmente.
    É a primeira vez que esses partidos se aliam formalmente na cidade. O objetivo é derrotar o grupo do ex-senador José Sarney (PMDB), que lançou Gilvam Borges (PMDB) como candidato. Borges terá como cabo eleitoral o atual vice-prefeito, Allan Sales (PPS), que rompeu com o prefeito em julho.

    ( OESP ).

  9. Pode cancelar a delação à vontade, tio Jan. Não adianta: o urubu já cagou na cabeça do Ministro petista: já está rigorosamente marcada. E pode ficar certo: é bem possível que tenha espirrado merda na sua. Aparentemente, alguém que se julga acima de qualquer suspeita poderia também ter alguns pelos do rabo preso nesta lambança.

  10. Ter em quem confiar no Brasil é uma tarefa quase impossível. A Veja foi leviana propositadamente? E Janot, a quem defende? Quanto ao STF, que virou piada, está completamente desmoralizado. Temer aliado a Renan e tentando salvar Cunha não nos dá esperanças. Nós, simples mortais, somos uns trouxas. Com licença que eu vou vomitar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *