Por que a imprensa não desmente o documentário “Democracia em Vertigem”???

Resultado de imagem para petra costa

Petra Costa deveria ter filmado “Corrupção em Vertigem”

Percival Puggina

Para entender o caminho percorrido por um documentário mistificador até postular sua inscrição na disputa da estatueta dourada de Hollywood basta erguer a ponta de alguns tapetes elegantes e dar uma espiada. À exceção dos brasileiros que mantenham com a mentira e a falsidade uma relação de interesse político ou econômico, todos sabem o quanto o Brasil foi roubado por aqueles que monopolizaram o poder nas últimas décadas. Graças à Operação Lava Jato, veio à tona a maior bandalheira institucionalizada da história universal.

Essa corrupção, nunca é demais lembrar, fraudou eleições em todo o país, corrompeu a representação popular e pôs a democracia efetivamente em vertigem. Roubando da nação, proporcionou sucessivos mandatos a criminosos em eleições federais, estaduais e municipais.

APODRECIMENTO – A democracia brasileira apodreceu no pé. Muitas dessas frutas danificadas, bichadas, foram ao solo no pleito de 2018 sob ação da vassoura eleitoral. Claramente, porém, entre os que voltaram e os que chegaram ainda sobrou muito bandido com diploma. Mas nada disso põe a democracia em vertigem no documentário de dona Petra Costa. Quem o faz é o constitucionalíssimo impeachment de Dilma, supervisionado pelo presidente do STF, amigo da presidente cassada.

Fato: para a banda podre, não há urgência nacional ou premência superior à envolvida na aprovação de leis que criem obstáculos à persecução penal nos crimes de corrupção ativa, passiva, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. E haja tapete! E haja vertigem.

VEJAM A COERÊNCIA – Na dúvida, basta lembrar a coerência instrumental que une:

– os maus tratos do Congresso às Dez Medidas de Combate à Corrupção;
– as emendas ao Pacote Anticrime de Sérgio Moro;
– a inoportuna deliberação do Supremo, que praticamente inviabilizou a prisão após condenação em segunda instância e jogou no lixo seco a justiça de 2º grau;
– a lei de “abuso de autoridade”;
– a criação do juízo de garantias;
– a decisão de retomar os processos cujas alegações finais não concederam à parte denunciada o direito de falar em último lugar (uma irrelevância cuja única serventia foi a de soltar os amigos);
– o empenho em impedir o acesso dos órgãos de persecução penal aos relatórios do COAF.

ORDEM DO CAPETA – Bem menos do que isso credenciaria importantes autoridades da República a comendas da Ordem do Capeta por malefícios prestados à nação. A corrupção luta com todos os meios possíveis. Dona Petra Costa, por exemplo, pisa na ponta do tapete da Andrade Gutierrez para fazer seu documentário ao gosto de Hollywood.

É preciso entender, contudo, que a peça chega à disputa do Oscar na etapa final de descomunal mistificação, em conformidade com os usos e costumes da esquerda mundial, cuja solidariedade estratégica chega a ser comovente. Nesse ambiente, dito cultural, os prêmios e as medalhas são reais, carinhosos e generosos como costumam ser as ações entre amigos.

FOCO NEGATIVO – Em agosto de 2019, o jornal italiano La Repubblica abriu manchete com algo do tipo “O mundo contra Bolsonaro”. Uau! Matérias semelhantes se somavam no exterior, sempre em jornais de esquerda, como New York Times, Le Monde, El País, The Guardian, Neues Deutschland, entre outros.

Seus conteúdos põem foco negativo na política do governo brasileiro, que aplica o programa conservador e liberal democraticamente consagrado nas urnas. Esse programa rejeita aquilo que a esquerda mundial corteja e rotula como progressista: governos corruptos, ditadores, terroristas, antiocidentais e radicais islâmicos. Toda notícia contra o Brasil e seu governo publicada nesses veículos repercute na nossa imprensa como leitura “europeia e civilizada” da realidade nacional. Dê uma olhada no Google: uma nota em qualquer jornal esquerdista lá fora produz duas dúzias de notícias em grandes jornais brasileiros. Legítima jogada ensaiada.

BOA PERGUNTA – A imprensa nacional não poderia, então, contestar as mistificações do documentário? É uma boa pergunta, com respostas assustadoras. A divisão política da sociedade brasileira tornou-se evidente ao senso comum. A longa e bem sucedida criação de animosidades entre segmentos sociais por obra do grupo político esquerdista hegemônico no Brasil até 2016 só é lembrada, no entanto, por quem tem neurônios, memória e juízo.

Por isso, é oportuno sublinhar que as fingidas reclamações contra a divisão, atribuída ao surgimento de movimentos políticos conservadores e liberais, provêm de quem não se peja de fomentar esse sentimento em prejuízo do país, valendo-se de suas parcerias internacionais. As tribos de Los Angeles servem muito bem para isso, como se sabe.

26 thoughts on “Por que a imprensa não desmente o documentário “Democracia em Vertigem”???

  1. Se está em vertigem, te garanto que não é Democracia, pode ser qualquer outra coisa mas não Democracia. Pode ser até “merdocracia”, como já disse um Juiz até numa sentença, mas juro que não é Democracia. A meu ver, trata-se de plutocracia putrefata com jeitão de cleptocracia e ares fétidos de bandidocracia, como já disse o HoMeM.

  2. Por falar em democracia apodrecida no pé, o Rio corre risco de ter outro governador respondendo a processo. Repercute nas redes que a, evidente, claríssima, indubitável, má qualidade da água servida pela empresa a quem deveria ser o seu patrão, o povo do Rio, seria uma forma de pressionar pela privatização da CEDAE, isso depois de muitíssimo explorarem a empresa e nada investirem, pois o foco no Rio não é o bem comum, mas a mallandragem explícita. Essa afronta a cidade, gerou um prejuízos históricos, não só na população, mas em toda rede de empreendimentos ligados a alimentação, o que repercute em todos os setores de geração de renda do estado, reflete bem a qualidade intelectual dos “mallandros agulha”, que fugiram da escola e se refugiaram na política do estado, destruindo a qualidade de vida de toda população e mantendo este estado na bancarrota do país. Com o Judiciário extremamente minado e igualmente mal acostumado, essa situação não terá fim. O povo do Rio permanece apático. Encurralado por traficantes, milicianos, maus policiais, bandidos e mau caráter de toda espécie. A quem de outro estado, considerar seu estado está bem melhor que isso, rendo-lhe as merecidas homenagens. Acho que a carapuça se aplica a maioria. Estatal não é empresa privada, não trabalha para si, não é cabide de apaniguados, muito menos fonte de lucro para políticos de péssimo caráter. Estatal existe para prestar um serviço ao povo que paga os salários de seus servidores, incluindo seu presidente. Não pode explorar o povo, mas servi-lo, deve cobrar o que gasta, JAMAIS auferir lucro.

  3. Para esta porcaria de filme, desta comuna que acha bonito ser comuna, sendo de família milionária, basta o comentário do General Heleno:
    Terror,comédia,corrupção e , acrescento eu sacanagem do ladrão e da imbecil.
    E ficção!

  4. No esquerdismo, com sua falácia de estar do lado dos oprimidos entre outras mentiras , se encontra um ambiente favorável e até bem seguro, que garante aos que possuem desvios de caráter, fazer o que sabem de melhor: enganar, roubar e até matar.
    Essa herdeira da empreiteira metida na corrupção do governo passado sabe disso. É uma boa esquerdista.

    Não que o outro lado não faça o mesmo, mas nele, por ser mais próximo de nossa natureza, mantém nossos instintos que nos levam ao óbvio como aceitar a democracia e a alternância de poder, o pensamento diferente, ao contrário do esquerdismo que é uma religião, o que afasta seus crentes da realidade dos fatos a ponto de negá-los mesmo diante deles.

    Se na direita tem loucos e os tem aos montes, na esquerda a loucura atinge totalmente a todos seus seguidores, tanto é que suas ditaduras são mil vezes pior que as da direita , e os números falam por si, além de serem difíceis de acabar como Cuba que há mais de 60 anos está aí prendendo, matando e escravizando seu povo, superando em muitos todas as ditaduras militares que houveram no resto da América Latina e que já se foram há tempos.

  5. Inexplicável e injustificável a generalização contra quem se apresenta de esquerda.
    Erro crasso porque a conclusão é até mesmo inconsequente e irreal.

    Ser de esquerda não é uma condição ou escolha política, porém uma circunstância conforme o governo do momento.

    Quando Sarney foi presidente, pender para a esquerda era até mesmo obrigação do povo;
    O mesmo quando Collor assumiu o Planalto;
    Colocar-se à esquerda de Lula não significaria ser pertencente à extrema-esquerda, mas contra um governo corrupto, ladrão, traidor, nocivo e nefasto ao povo e país.

    Portanto, mediante o conceito errado que se faz da esquerda, ela se enquadraria naquele célebre ditado popular de origem mexicana, e advinda dos anarquistas:
    “Se hay gobierno soy contra. Se no hay, tambiém soy”!

    Curiosamente, os ensandecidos com a esquerda esquecem que até mesmo no comunismo houve o COMUNISMO DE ESQUERDA, que
    se referia a várias correntes políticas marxistas que fizeram oposição de esquerda às posições defendidas pelo Bolchevismo.

    Certamente quem é contra a ditadura de Castro não pode ser geralmente denominado como de direita, mas também uma espécie de esquerda contra a ditadura tão longeva, que não concorda com o regime totalitário.

    Há um consenso geral de que a esquerda inclui progressistas, o social liberal, ambientalistas, social democracia, libertários socialistas, secularistas, comunistas e anarquistas, enquanto a direita inclui neoliberais, liberalismo econômico conservadores, reacionários, capitalistas, banqueiros, neoconservadores, conservadores, monarquistas, autoritarismo …
    Igualmente, a EDUCAÇÃO na Suécia, Noruega, Dinamarca e Finlândia, poder-se-ia afirmar categoricamente como o diferencial indiscutível que a social democracia supera largamente os demais meios políticos econômicos e sociais, e sendo no momento o regime melhor praticado e exercido no mundo para o povo e país.

    Considerando que a Escandinávia apresenta os melhores IDHs do mundo, e o regime político é a social democracia, logo, de esquerda, discutir sobre este aspecto seria risível, pois comparando com países nitidamente de direita, os nórdicos levam vantagens indiscutíveis.

    A questão se resume apenas e tão somente sobre o ser humano.
    A sua ânsia de poder, de riqueza, de comandar, a sua vaidade, egoísmo, deturpam quaisquer movimentos sociais, políticos, econômicos e religiosos, significando que as críticas contra a variedade de “ismos” existentes é inócua, inútil, haja vista que reside no homem os defeitos apontados na esquerda e direita, extrema-direita e extrema-esquerda, e centro.

    Certamente não haverá comentaristas e articulistas deste blog que não concordarão comigo sobre a existência de pessoas admiráveis tanto de um lado quando do outro, confirmando o que eu disse anteriormente:
    O homem é o culpado pelas nossas diferenças, injustiças, descalabros, desmandos e desfaçatez, e não as tendências citadas e que seguem sendo alvos de debates desnecessários e desconexos da realidade, além do desconhecimento histórico a respeito do conceito sobre esquerda e direita.

    Finalizo, afirmando que sou de esquerda e de direita, simultaneamente, às vezes até de centro.
    Quem não entender, sugiro que estude a respeito.

    Quanto ao filme, assunto em tela, trata-se daquela esquerda que não constrói, que não colabora para o desenvolvimento do país e do povo, pois a ideologia supera o cidadão e o Estado, cuja política e economia aplicadas servem somente à causa, ao movimento, ao enaltecimento de uma esquerda apenas e tão somente assim denominada, porém sem qualquer essência, objetivo e intenção para a melhoria do Brasil e de sua população.

    Eu diria que se trata de uma obra de ficção ou comédia sem graça.

  6. “A democracia brasileira apodreceu no pé. Muitas dessas frutas danificadas, bichadas, foram ao solo no pleito de 2018 sob ação da vassoura eleitoral. Claramente, porém, entre os que voltaram e os que chegaram ainda sobrou muito bandido com diploma.
    -Estaria falando dos imexíveis e inservíveis ministros do Supremo?

  7. Entender a guerra pelo poder não é fácil.
    Quantos apoiaram Hugo Chavez sem ser de direita ou esquerda, acreditando em seus discursos de salvação social?

    Essa gente , ingênua, simplória, é mais conhecida como inocente útil.

    Não tem a mínima noção de economia para início de conversa, por isso acreditam que os os países nórdicos são socialistas, esquerdistas, e muito pior, não conhecem o principal , a nossa natureza.
    A natureza humana.

  8. Todo documentário tem como gênese, o ponto de vista do autor.
    Apenas isso.
    “Alienígenas do passado”, como exemplo, alguém desmente?
    Qualquer um que acompanha a sétima arte tem conhecimento disso.
    Desmentir documentário é ridículo, por isso ninguém o faz.

  9. A grande imprensa sempre foi chapa branca, quando o boçal cortou-lhes a fonte principal de renda caíram de pau nele. Mas o cara também merece. Coisas importantes fazemos silenciosamente, sem alarde, dentro da lei, aí não tem choro nem vela que dê jeito. Mas isto é coisa para gente inteligente, não para idiotas. Como bem diz o ditado, mingau quente começa a se comer pelas beiradas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *