Por que a Itália conseguiu se transformar em exceção nessa segunda onda de Covid-19 na Europa?

Itália utiliza robôs para medir temperatura e verificar uso de máscaras em comércios

Os italianos usam as máscaras, sem haver obrigatoriedade

Deu no G1
France Presse

A Itália, duramente atingida na primeira onda do coronavírus, é hoje a exceção da Europa – onde o ressurgimento da Covid-19 é quase geral – com um número limitado de novos casos graças às rígidas medidas contra a doença, que foram elogiadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) na sexta-feira (25).

A França, por exemplo, registrou na quinta (24) um número recorde de 16.096 novos casos de Covid-19 em 24 horas, enquanto o número de contágios diários na Itália, que realiza mais de 120 mil testes diários (180 mil na França), se mantém há semanas abaixo dos 2 mil.

SÃO VÁRIAS RAZÕES – Como explicar essa especificidade italiana? Em entrevista à AFP, o professor Massimo Andreoni, especialista renomado em infecções no hospital romano de Tor Vergata, adianta “várias razões”.

“A epidemia atingiu a Itália mais cedo, o que sensibilizou este problema e fez com que um plano de confinamento muito severo fosse implementado imediatamente. A Itália foi o primeiro país a realizar um confinamento total que durou várias semanas, e ainda estamos nos beneficiando disso”, destaca. Ele também menciona “a reabertura muito progressiva e muito lenta do país, que nem terminou ainda!”

A FORÇA DO ISOLAMENTO – “Os estádios estão fechados, as casas de festa voltaram a fechar, as escolas não estão todas abertas…” lista Andreoni, apesar de a volta às aulas ter começado em 14 de setembro.

“Além disso, os italianos respeitam muito bem as regras. Quando vejo as imagens de outras cidades europeias, vejo muito mais gente sem máscara do que na Itália”, comenta.

Outro exemplo da mobilização na Itália – um país criticado por sua organização caótica e pelo peso da burocracia – é o aeroporto de Roma-Fiumicino, o primeiro do mundo a receber a nota máxima de cinco estrelas, concedida pelo órgão de qualificação Skytrax, devido à gestão sanitária da Covid-19.

EXEMPLO DE ORGANIZAÇÃO – O aeroporto romano é elogiado por seus controles de temperatura, pelo uso obrigatório de máscara, pela disponibilização de álcool em gel, distanciamento físico e pelo controle do número de visitantes nas lojas.

“Acredito que os italianos tentam seguir as normas da melhor forma possível” confirma Giacomo Rech, proprietário do Green Tea, um restaurante de cozinha chinesa, a dois passos do Panteão, no centro de Roma.

No entanto, apesar desta situação tranquilizadora, o professor Andreoni prefere a prudência. “Em duas ou quatro semanas, quando todas as escolas estiverem abertas, veremos qual será o impacto e se a Itália conseguirá manter esses níveis baixos [de contágio] ou se irá se aproximar dos níveis da França ou Espanha. Para saber se realmente fomos bons alunos, é preciso esperar ainda um mês”, avalia.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Enquanto isso, no Brasil, as pessoas estão abandonando o uso das máscaras, seguindo o exemplo do presidente da República, que demonstra uma insensibilidade social estarrecedora. (C.N.)

12 thoughts on “Por que a Itália conseguiu se transformar em exceção nessa segunda onda de Covid-19 na Europa?

  1. Joe Biden cita destruição de floresta brasileira durante debate com Trump nos EUA
    Candidato democrata acusou presidente de não usar seu poder para intervir. Ele falou ainda em ameaçar Brasil com ‘consequências econômicas significativas’ durante primeiro debate presidencial nos EUA.
    Por G1

    30/09/2020 00h53 Atualizado há 45 minutos

    As florestas tropicais no Brasil estão sendo destruídas, diz Biden

    O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, citou a destruição da floresta tropical brasileira ao criticar seu adversário, o presidente Donald Trump, que tenta a reeleição, durante o primeiro debate entre eles, na noite de terça-feira (29).

    Biden acusou Trump de não usar sua influência para ajudar a defender a natureza e prometeu que, caso seja eleito, tentará reunir outros países para agir nesse sentido, inclusive ameaçando o Brasil economicamente (assista no vídeo acima).

    “Está tudo desmoronando, estamos falando de alguém que não tem relação com política externa. O Brasil, a floresta tropical do Brasil, está sendo demolida, está sendo destruída, mais carbono é absorvido naquela floresta tropical do que cada pedacinho de carbono que é emitido nos Estados Unidos. Em vez de fazer algo a respeito… eu estaria me reunindo e garantindo que os países do mundo venham com US$ 20 bilhões e digam ‘aqui estão US$ 20 bilhões pare, pare de derrubar a floresta e se não fizer isso, você terá consequências econômicas significativas’”, disse.

    Conheça os candidatos à Casa Branca
    Ainda falando sobre meio ambiente, Trump tentou ligar Biden à esquerda radical e disse que o plano ambiental do democrata era o “Green New Deal”, apoiado por políticos como Bernie Sanders. Biden, entretanto, respondeu que “Não apoio o Green New Deal. Apoio o plano Biden que apresentei”.

  2. Que porcaria de texto hein? Quer dizer que o corona vírus não atacou com força a Itália de novo por que ele fez uma forte quarentena lá atrás? Em que uma quarentena, por melhor que tenha sido, inibe um vírus depois de suspensa? É que parâmetro “científico” é esse de “vejo nas fotos”? É muita ciência…. hahahaha…..

    • Para responder a Jad Bal Ja,

      No Brasil temos favelas com milhões de pessoas em aglomeração, morando muitas vezes num cômodo só, sem água potável, sem emprego, sem esgoto, confinados com suas famílias numerosas, e os governos Federal, Estaduais e Municipais não estão preparados para resolver este problema nem a curto, nem a médio nem a longo prazo, parte que explica as milhares de mortes por Covid-19. Nossos governos estaduais e Federal estão em bancarrota.

      Nas faixas de renda média e alta, a exemplo do Rio de Janeiro, nas aglomerações de banhistas seminus, sem máscara e deitados na areia ou jogando bola e se divertindo como se não houvesse a pandemia, são milhares, e o Poder Público não tem contingente de policiais e fiscais para coibir este público de expor-se sem proteção, o que os faz contrair o Covid-19 e ainda levar a coronavirose para seus parentes e amigos com comorbidades ou idosos. Seria impossível às autoridades brasileiras corrigirem ou coibirem estes abusos potencialmente suicidas para os frequentadores de bares lotados, aglomerações sem máscara nas praias, nos supermercados, nas filas do transporte público, dentre outros lugares onde os brasileiros se aglomeram sem normas de segurança como preconiza Bolsonaro, e o crescimento do número de infectados e de mortos por Covid-19 para milhares, talvez ainda para milhões de brasileiros é inevitável.

      Mas na Itália, a educação de seu povo é diferente, e o governo italiano tem poder Executivo funcionante, tem Chefe de Estado sério, tem Presidente e tem moral para impor o uso de máscaras e até de fazer o lockdown, porque a população obedece, e assim a Itália está pronta para combater a segunda onda de Covid-19, assim como em outros países da Europa.

      Já no Brasil, confrontando o comportamento de milhões de brasileiros com os milhões de italianos, podemos notar porque no Brasil (que já está entrando na segunda onda de Covid-19) infelizmente, iremos continuar num luto sem fim, em parte porque o governo não tem, de uma hora para outra, recursos para resolver o problema da pobreza e das moradias precárias nas comunidades, e temos um presidente que incentiva aglomerações, desdenha do uso de máscara, não tem sequer Ministro da Saúde, como nos países europeus, e não está nem aí para os mortos por Covid-19. Não tem programa de governo, e só se preocupa em se reeleger em 2022, tem péssimos ministros, incompetentes, está envolvido com os cheques de Queiróz, tem patrimônio incompatível com sua renda e seus filhos (senão também ele) estão envolvidos com diversos crimes, a exemplo das “rachadinhas” e com milicianos, como demonstrou a sua homenagem na câmara, como deputado, com a Medalha Tiradentes, para o miliciano Adriano da Nóbrega, chefe do Escritório do Crime.

      A quarentena na Itália é feita por parâmetro científico e é respeitada pelos italianos, o que não acontece no Brasil. No momento, sem vacina contra o Covid-19 em segunda onda, não só a OMS como os infectologistas recomendam que os italianos e outros povos de países europeus, dada uma segunda onda de coronavírus, que se faça uma rigorosa quarentena. No Brasil, isto é impossível, pelos motivos que expliquei, para nossa desgraça como brasileiros ou estrangeiros que residem no Brasil.

      Sugiro que você leia com atenção este meu texto e que reflita mais demoradamente.

  3. JUSTIÇA FEDERAL SUSPENDE REVOGAÇÃO DE NORMAS DO CONAMA QUE DERRUBARAM RESTINGAS E MANGUEZAIS

    Despacho afirma que medidas aprovadas pelo ministro Ricardo Salles ferem ‘direito constitucional a meio ambiente ecologicamente equilibrado’

    O Globo, com o G1
    29/09/2020 – 20:31 / Atualizado em 29/09/2020 – 21:40

    Newsletters

    RIO – A Justiça Federal do Rio de Janeiro suspendeu as novas regras do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), aprovadas ontem, que permitiriam a exploração de áreas de restingas e manguezais, ecossistemas ricos em biodiversidade.

    A revogação das normas que protegiam estes recursos naturais foi comandada pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que no ano passado reestruturou o Conama, reduzindo o número de conselheiros e aumentando a influência do governo federal, em detrimento da participação da sociedade civil.

    De acordo com despacho da juíza Maria Amélia Almeida Senos de Carvalho, da 23ª Vara Federal do Rio de Janeiro, as resoluções revogadas do Conama permitiram a “ocupação e desmatamento” de “ecossistemas sensíveis”.

    No ministério.  ‘Boiada’ de Salles incluiu demissão de fiscais, anistia a desmatadores e submissão do Ibama a militares na Amazônia

    Carvalho concorda com os autores da ação popular, que afirmam que “a revogação de tais normas viola o direito constitucional a um meio ambiente ecologicamente equilibrado”.

    A revogação das normas era uma demanda antiga de setores como o hoteleiro e da construção civil. Entre suas determinações estava a de que as áreas de restinga de 300 metros a partir da linha do mar em direção ao continente fossem consideradas áreas de preservação ambiental.

  4. Como nos ensinava a minha mãe, o exemplo vem de cima, ou seja, o povo se espelha nos seus dirigentes. Como o nosso dirigente master vota verdadeiro ódio a usar máscara o povo mais simples faz o mesmo. Mas de que adianta falar do “dirigente máximo”, ele só escuta se for elogio, caso contrário nos ofende por melhor intencionado que estivermos. Os descendentes de italianos daqui não estão imitando os seus parentes de lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *