Por que o procurador Janot pede a prisão de alguns políticos e de outros não?

Por que Janot pede a prisão de alguns políticos e de outros não?

O fato é que Janot dedica tratamento preferencial ao PMDB

Sérgio Pardellas
IstoÉ

Ao pedir a prisão por obstrução de Justiça de Renan Calheiros, Romero Jucá, José Sarney e Eduardo Cunha, todos do PMDB, e poupar pelo mesmo crime Dilma Rousseff, Lula, José Eduardo Cardozo e Aloizio Mercadante, do PT, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, chefe do Ministério Público, um órgão auxiliar da Justiça, mandou às favas o princípio da isonomia o qual deveria perseguir cegamente. Na régua elástica do procurador-geral, os rigores da lei válidos para os peemedebistas contrastam com a condescendência dispensada no tratamento a políticos do PT.

Estrelados integrantes do petismo, entre os quais a própria mandatária afastada do País, Lula e dois ex-ministros de Estado, Aloizio Mercadante e José Eduardo Cardozo, foram flagrados em áudios incontestáveis em inequívocas maquinações contra a Justiça e as investigações da Lava Jato. A despeito da ululante constatação, não são do PT e sim do PMDB os políticos mais encrencados até agora por Janot.

GRAVAÇÕES – O despacho do procurador-geral pela prisão do trio do PMDB e de Cunha, pronto havia 15 dias, veio à baila na última semana trazendo em seu bojo o mesmo objeto capaz de implicar os petistas: a tentativa de criar embaraços à Lava Jato. Renan, Jucá e o senador aposentado, José Sarney, em gravações feitas por Sérgio Machado, discutem maneiras de enfileirar pedras no meio do caminho das investigações.

Constituem-se ali meras intenções. Graves, decerto. Os três são habituês em escândalos e, comprovado o cometimento de crimes, são merecedores da punição adequada. Até de prisão, se assim prever a lei. Mas em nenhum momento das gravações há a menção a qualquer iniciativa que tenha obstruído de fato as investigações. O que se conhece, até o momento, ao menos no quesito obstrução de Justiça, não justifica mandá-los para trás das grades.

TRATAMENTOS DESIGUAIS – É inquestionável: os tratamentos, até agora, foram desiguais. Enquanto que de um lado há elucubrações sobre como criar empecilhos ao trabalho da força-tarefa de procuradores e policiais federais, do outro há ações concretas para liquidar a Lava Jato.

“A grande maioria da população não entende porque o caso das gravações de Sérgio Machado teve andamento tão rápido, enquanto áudios de Lula e Dilma, que comprovadamente mostram ação de obstrução de Justiça, permanecem na gaveta. Janot tem de explicar”, cobrou o ex-deputado Roberto Jefferson.

Obstruir a atuação da Justiça é crime tipificado no inciso 5 do Artigo 6º da Lei 1.079, que define os crimes de responsabilidade passíveis de perda de mandato.

DILMA E LULA – Dilma foi apanhada em interceptação telefônica, autorizada pelo juiz Sérgio Moro, numa conversa com o ex-presidente Lula para combinar os detalhes de sua nomeação para a Casa Civil. No diálogo, Dilma disse a Lula que enviaria a ele por intermédio de um emissário um “termo de posse” para ser utilizado “em caso de necessidade”.

A presidente começava a atuar ali para impedir que o destino de Lula ficasse nas mãos do juiz Sérgio Moro. A intenção de impedir a livre atuação do Judiciário já estava caracterizada. Na sequência, o que se encontrava no plano das ideias foi consumado.

O documento não apenas foi entregue por ela a Jorge Messias, como numa iniciativa nunca antes adotada na história republicana, a Presidência fez circular uma edição extra do Diário Oficial para dar publicidade legal ao ato de nomeação no mesmo dia em que foi assinado pela presidente.

ATO DE IMORALIDADE – Para Miguel Reale Jr., um dos juristas signatários do pedido de impeachment de Dilma, o episódio representou uma afronta aos princípios republicanos: “É um ato de imoralidade administrativa e política”, afirmou. Antes, a presidente afastada já havia tramado, com a contribuição do então ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, nomear Marcelo Navarro como ministro do STJ em troca da soltura do empreiteiro Marcelo Odebrecht.

A nomeação também se concretizou e, conforme o combinado, Navarro, ao relatar o habeas corpus do empresário, votou por sua liberdade. Como se sabe, Odebrecht só não foi solto naquela ocasião porque Navarro foi voto vencido no tribunal.

Lula, por sua vez, no mesmo lote de gravações, foi apanhado numa série de investidas para barrar as investigações da Lava Jato.

COMPRAR CERVERÓ – Antes, Lula já havia acertado com Delcídio do Amaral, ex-líder do governo Dilma, o pagamento a Nestor Cerveró, por intermédio do filho do pecuarista José Carlos Bumlai, num esforço descomunal para evitar a qualquer custo a delação do ex-diretor da Petrobras. Hoje se sabe o porquê.

Já Aloizio Mercadante, ex-ministro da Educação, foi gravado numa ação semelhante: a tentativa de compra do silêncio de Delcídio, cuja delação, se saberia a posteriori, enredaria Lula e Dilma.

Até agora, contra Dilma há um pedido de investigação, subscrito por Janot e ainda não julgado pelo STF. Lula, por sua vez, experimenta uma espécie de limbo jurídico. Na sexta-feira 10, será completado um mês que os procuradores da Lava Jato pediram ao STF a devolução dos inquéritos envolvendo o ex-presidente petista e nada foi feito. Na lista, aparecem os episódios do sítio em Atibaia, do tríplex no Guarujá e dos valores recebidos de empreiteiras por palestras.

REAÇÃO IMEDIATA – O desequilíbrio da balança do procurador-geral provocou a reação imediata das classes política e jurídica. Causou espécie a maneira como o véu que há pelo menos três semanas encobria os pedidos de prisões do quarteto do PMDB foi retirado. Embora o relator da Lava Jato, Teori Zavascki, já estivesse de posse da solicitação havia mais de 15 dias, os demais ministros da Supremo Corte só tomaram conhecimento do caso pela imprensa.

O vazamento, atribuído a Janot, despertou a ira dos ministros. Na sexta-feira 10, o procurador negou estar por trás da difusão dos áudios. “Não tenho transgressores preferidos”, acrescentou. O leite já estava derramado. Para os ministros tratou-se de uma estratégia destinada a pressioná-los. “É grave. Não se pode cometer esse tipo de coisa. É uma brincadeira com o Supremo”, sapecou o ministro Gilmar Mendes. Outro magistrado acusou Janot de fazer “política em favor do PT”. Fundamenta essa tese o timing escolhido pelo procurador para o pedido de prisões. Argumentou o mesmo ministro que Renan e Jucá sobreviviam incólumes, enquanto eram úteis ao PT.

Só viraram alvos depois de bandearem-se para a órbita do presidente Michel Temer. O raciocínio faz todo sentido. Renan responde a 11 inquéritos no Supremo, dos quais nove associados à Lava Jato. Nenhum destes recebeu denúncia de Janot, embora os casos em questão sejam ainda mais graves.

17 thoughts on “Por que o procurador Janot pede a prisão de alguns políticos e de outros não?

    • Argumentou o mesmo ministro que RENAN e Jucá sobreviviam incólumes, enquanto eram úteis ao PT.

      Só viraram alvos depois de bandearem-se para a órbita do presidente Michel Temer. O raciocínio faz todo sentido. RENAN responde a 11 inquéritos no Supremo, dos quais nove associados à Lava Jato. Nenhum destes recebeu denúncia de Janot, embora os casos em questão sejam ainda mais graves.

  1. Sergio Pardellas, quando estamos condicionados a condenar, condenamos até um recém-nascido. A gravação que fala em “termo de posse”,dá ensejo para pensarmos qualquer coisa. Mas, o termo de posse não configura crime. Dou um exemplo: Se você Pardellas fosse um delegado encarregado de prender Lula, deixaria de prender se ele estivesse com um termo de posse só assinado por ele. Lógico que não deixaria. Esse é o tipo de crime impossível. É a mesma coisa que você portar uma arma supostamente para matar alguém que não tem balas. Já escrevi sobre isso, e não sou jurista. Recebi confirmação pelo que foi dito por juristas sobre o caso na mídia: Entendem a mesma coisa que escrevi aqui no Blog. O pau que deu em Chico está dando em Francisco. Eles vão se unir na Papuda. O Lula quer ser goleiro do time.

    • Se Lula estava tinha em mãos um termo de posse , naquela tarde, só assinado por ele , então Dona Dilma cometeu CRIME DE FRAUDE , contra o Diário Oficial da União, que publicou , em edição extra, na mesma tarde, a nomeação de Luiz Inácio Lula da Silva como Ministro da Casa Civil. Por um básico fato da vida: para nomear , a presidenta tinha antes que ASSINAR o papelzinho.
      Vejam que burocracia!

      • Quem disse que o termo de posse só estava assinado por lula? A dilma é quem disse. Não há provas de que isso é verdade. Ela mostrou “um” termo de posse assinado por lula e afirmou perante as câmeras que era este o papel que ele recebeu? Se só seria assinado por ele por que enviar o “Bessias” para entregá-lo pessoalmente? Era mais lógico enviar on line e o lula imprimir. Eles mentem, mentem e mentem. descaradamente.

  2. Peço licença a Carlos Newton e Paulo Peres para retratar a verdadeira situação de nosso Amado Brasil em uma Música Nordestina, composta por Nordestinos, cujo Poema é um chamado à Ordem a todos os Poderes e seus Presidentes ! Essa Música tem os seguintes Autores: ORLANDO TEJO, Paraibano,Advogado, Poeta, Folclorista,Ensaísta, Compositor, Professor e Jornalista. Autor da Letra.
    GILVAN CHAVES, Pernambucano, Cantor, Violonista, Compositor. Autor da Letra.
    LIVARDO ALVES, Paraibano, Jornalista e Compositor. Autor da Música.

    O MEU PAÍS !

    Refrão:
    Tô vendo tudo, tô vendo tudo
    Mas, bico calado, faz de conta que sou mudo

    Um país que crianças elimina
    Que não ouve o clamor dos esquecidos
    Onde nunca os humildes são ouvidos
    E uma elite sem Deus é quem domina
    Que permite um estupro em cada esquina
    E a certeza da dúvida infeliz
    Onde quem tem razão baixa a cerviz
    E massacram-se o negro e a mulher
    Pode ser o país de quem quiser
    Mas não é, com certeza, o meu país.

    Refrão

    Um país onde as leis são descartáveis
    Por ausência de códigos corretos
    Com quarenta milhões de analfabetos
    E maior multidão de miseráveis
    Um país onde os homens confiáveis
    Não têm voz, não têm vez, nem diretriz
    Mas corruptos têm voz e vez e bis
    E o respaldo de estímulo incomum
    Pode ser o país de qualquer um
    Mas não é, com certeza, o meu país.

    Refrão

    Um país que perdeu a identidade
    Sepultou o idioma português
    E aprendeu a falar pornofonês
    Aderindo à total vulgaridade
    Um país que não tem capacidade
    De saber o que pensa e o que diz
    Que não pode esconder a cicatriz
    De um povo de bem que vive mal
    Pode ser o país do Carnaval
    Mas não é, com certeza, o meu país.

    Refrão

    Um país que seus índios discrimina
    E a ciência e as artes não respeita
    Um país que ainda morre de maleita
    Por atraso geral da medicina
    Um país onde escola não ensina
    E hospital não dispõe de raio-x
    Onde a gente dos morros é feliz
    Se tem água de chuva e luz do sol
    Pode ser o país do futebol
    Mas não é, com certeza, o meu país.

    Refrão

    Um país que dizima a sua flora
    Festejando o avanço do deserto
    Pois não salva o riacho descoberto
    Que no leito precário se estertora
    Um país que cantou e hoje chora
    Pelo bico do último concriz
    Que florestas destrói pela raiz
    E a grileiros de fora entrega o chão
    Pode ser que ainda seja uma nação
    Mas não é com certeza o meu país.

  3. Lava-Jato 7:28
    Para procuradores, caso do quarteto do PMDB é pior que o de Delcídio
    Na berlinda pelas críticas de que exageraram ao pedir a prisão do quarteto peemedebista, procuradores dizem que o caso era idêntico ao de Delcídio do Amaral, com a agravante de que os senadores planejavam usar sua prerrogativa de legislar para obstruir a Lava-Jato, o que configuraria crime.
    ( Radar Veja ).
    —————–

    Lava-Jato 6:39
    Sarney é descrito como ‘chefe de todos os chefes’ em pedido de prisão
    Ao justificar o pedido de prisão domiciliar de Sarney, o Ministério Público Federal descreve a atuação do ex-presidente como a do “capo di tutti capi”, ou “chefe de todos os chefes” do PMDB. Procuradores dizem que nada acontecia no esquema de propina para o partido sem a bênção de Sarney.
    ( Radar Veja ).
    ——————
    Congresso, Lava-Jato 6:05
    Machado detalha contratos que abasteceram propina para cúpula do PMDB
    A delação de Sérgio Machado e seus três filhos destrói a tentativa da cúpula do PMDB de se desvincular dele. O ex-presidente da Transpetro detalhou, com documentos, de quais contratos saíram os repasses a Renan Calheiros, Romero Jucá, José Sarney e Edison Lobão, quem recebeu,…
    ( Radar Veja ).
    —————-
    Lava-Jato 10/06/2016 às 17:38
    Provas contra Renan equivalem às do caso Cunha, dizem procuradores
    Procuradores da República que atuam no grupo de trabalho da Lava-Jato em Brasília reagem à indignação demonstrada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), com uma comparação: para a PGR, há tantas provas contra Renan na delação de Sérgio Machado quanto as…
    ( Radar Veja ).

  4. Excelente reportagem. Põe por terra de vez a balela de que nossas instituições funcionam a contento, a assertiva, que já passou a ser um lugar- comum, e segundo a qual ” a justiça é para todos e que ninguém está acima da lei” e, ao mesmo tempo, expõe de forma inconteste a parcialidade da PGR e do STF, instituições que há muito vêm deixando a desejar.

  5. Podres poderes. A verdadeira faxina só acontecerá quando vier de cima pra baixo, da mesma forma que se limpa uma casa de dois andares. Depois que o capo for parar em Curitiba, todos os demais seguirão pela mesma senda.

  6. Janot já demonstrou que tem, sim, transgressores preferidos. Para mostrar trabalho, sem incriminar os integrantes da ORCRIM, ele resolveu fazer teatrinho pedindo a prisão de Renen, Jucá e Sarney, por motivos muito menos comprometedores que os seus protegidos (Lula, Dilma, Wagner, Mercadante, Ruy Falcão e outros). Como deu errado, quer encontrar um boi de piranha. Agora quer investigar Romário por causa de 100 mil reais. Janot é o Protetor da ORCRIM, e tem trabalhado duro para melar a Lava Jato

  7. Em qualquer País sério do mundo, o Janot já estaria afastado por “cegueira proposital, jurídica e afetiva”, quem ele ama não vai preso, só os que contrariam o “CAPO DO AGRESTE DE VOZ GUTURAL” !!! SENHOR PROCURADOR, O DINHEIRO DA PETROBRÁS SOB A RESPONSABILIDADE CONSTITUCIONAL, LEGAL E DENTRO DO ORDENAMENTO ADMINISTRATIVO E JURÍDICO POR PARTE DE LULA E DILMA NESTES 14 ANOS FOI ROUBADO COM ORDENS DE QUEM , SE LULA E DILMA FORAM ORDENADORES DESPESAS PÚBLICAS PRINCIPAIS DA REPÚBLICA ???? UMA COISA É A LEI E A OUTRA É CINISMO PURO, QUANDO É QUE LULA E DILMA VÃO RESPONDER PELOS CRIMES DE LESA-PÁTRIA ???? IRÁS ORDENAR A PRISÃO DO POVO BRASILEIRO ROUBADO PELOS PETRALHAS ????? QUE DEUS NOS PROTEJA !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *