Poucos brasileiros se preocupam com os destinos da nação e do povo

Roberto Nascimento

A primeira ação de um cidadão comprometido com a sociedade é criticar o governante até as últimas consequências. Diuturnamente os poderosos têm que ser combatidos à exaustão, caso contrário, se tornam ditadores e donos da vontade do povo.

O PT fracassou rotundamente no poder. O projeto do partido acabou melancolicamente. Dá pena ver seus dirigentes de cabeça baixa, assim como envergonhados pelos atos que praticaram. O partido da “Ética” ficou igualzinho aos outros que eram chamados pelo seu líder de picaretas.

É duro compreender que a “esquerda” do meu país, ao chegar ao poder, se transformaria em cópia trágica da direita. E agora o sistema se prepara com suas garras para empalmar o poder em 2018 visando retomar a política neoliberal e restritiva de direitos trabalhistas.

TUDO É A MESMA COISA

Não acredito, sinceramente, em agremiações políticas, tanto as tradicionais quanto as heterodoxas, que se autoproclamam de esquerdas. No final, tudo é a mesma coisa. E esse sentimento é o pior possível para um ser político, que sonha com a utopia de um mundo mais justo e equilibrado, em que as oportunidades iguais para todos seriam a regra que nos levaria ao nirvana.

Hoje, o inconsciente coletivo está descrente da política e do sistema representativo, que não representa o povo e sim a elite produtiva.

Não há bons ventos no horizonte do Brasil, pois a crise acirra os ânimos das classes, que tendem a se digladiar em busca da sobrevivência. Os exemplos da Venezuela indicam que a tempestade tem que ser interrompida, para evitar um sofrimento ainda maior para o povo, além do desemprego, que tira a dignidade das famílias, desagregando pais e filhos.

PRÁTICAS NEFASTAS

Não se assume nenhum cargo se não estiver atrelado a algum partido da base aliada. Esse esquema está acabando com a nação brasileira. Sem dúvida, é a raiz da crise econômica, facilitando o conluio entre o público e o privado, via empreiteiras, que drenou bilhões do tesouro para contas secretas na Suíça e em vários paraísos fiscais. Enquanto isso, milhões de trabalhadores perderam seus empregos.

Não adianta fazer cara de bom samaritano, porque no fundo é o individualismo que conta. Primeiro eu, segundo eu também, depois a família, o Brasil fica para um futuro que acabará não chegando. Poucos brasileiros estão preocupados com os destinos da nação e de seu povo.

14 thoughts on “Poucos brasileiros se preocupam com os destinos da nação e do povo

  1. AÇÕES LEGÍTIMAS EMERGIDAS OU LEGITIMADAS NAS BASES

    Não é possível analisar a crise política vivida no país, a meu ver, sem antes questionar a polarização induzida como subproduto da abertura ‘lenta, gradual e segura’, que foi traçada pela ditadura em declínio nos anos 80. E isto vem tão ‘segura’ como cavalo de troia, com as rédeas curtas e ajustadas nas pontas.

    As cúpulas dirigentes atuam historicamente em frentes inorgânicas, submissas ao sistema, que sob falsos dilemas podem ser definidas melhor como ‘esquerda lenta’ e ‘direita gradual’. Ambas as frentes infladas por grupos econômicos para as disputas, dividindo ou até contemporizando seus espaços.

    A Constituição estabelece o pluralismo, difundir ações compatíveis é o caminho. Neste sentido é crucial à democracia que questões públicas sejam melhor focalizadas, não só por quem atua na política, com necessária legitimidade dos partidos ou cobrando que seus dirigentes e líderes as endossem, pelo menos.

    Correm praticamente soltas duas questão das mais relevantes para o país, politicamente falando, a cassação via TSE (Tribunal Superior Eleitoral) ou impeachment via Congresso Nacional da presidente Dilma Rousseff. E o que dizem os partidos? Muito pouco ou quase nada, felizmente não é o caso http://www.pdt.org.br

    Os chamados analistas políticos, antes de cobrar esta ou outras pautas dos eleitores defesos, deviam considerar a modificação de seus conceitos à luz da Constituição e das leis vigentes.

  2. Partidos de direita para se elegerem fazem discurso de esquerda. PT e PC do B
    eram esquerda teórica, mas na prática são da direita e elitista.
    Os políticos, a maioria que aí estão, alguns até se tornaram Presidentes, foi a herança deixada pela ditadura e, os alguns que eram contra a ditadura e galgaram o
    poder estão mostrando realmente ser pessoas volúveis e sem ideologia.

  3. “É duro compreender que a “esquerda” do meu país, ao chegar ao poder, se transformaria em cópia trágica da direita. E agora o sistema se prepara com suas garras para empalmar o poder em 2018 visando retomar a política neoliberal e restritiva de direitos trabalhistas”

    A esquerda, no mundo todo, acabou faz tempo, podre como aqueles que criticaram durante décadas.

    A direita neoliberal, sempre combatida e mencionada como exploradores da miséria, também vem perdendo terreno.

    Algumas novas forças tem aparecido, pequenas mas com conswquencias.

    Se em 2018 voltarem as forças que o PT combateu e tirou, certamente estaremos melhores.

    Nunca roubaram tanto neste país, nem mesmo nos períodos entre o descobrimento e o início do século passado.

    Os políticos atuais são os mais safados. E o povo, o mais omisso e irresponsável.

    • Comentarista Fallavena:

      Certeza mesmo, nenhum de nós pode afirmar que “estaremos melhores” no longo prazo, quer dizer, em 2018.

      Meu caro, a crise atual é um pouco a crise do capitalismo. A decadência começou em 2008 e atingiu o conjunto das nações. Europa e EUA ainda capengam por conta da bolha imobiliária americana, o estopim da crise no mundo ocidental, que vem atingindo todos os os continentes. No caso brasileiro, principalmente a queda do crescimento da China nos atingiu em cheio. Veja bem, a Vale do Rio Doce, privatizada por FHC experimentou um prejuízo contabilizado agora em outubro, da ordem de 3 bilhões de dólares. E olhe que estamos falando de uma empresa privada, vendida na bacia das almas pelo governo de FHC, por 3 bilhões de reais.

      Vamos aguardar, se essa antes próspera Vale do Rio Doce, empresa estatal, possa superar o momento crítico, sem demitir trabalhadores, os primeiros que perdem ao menor sinal de crise.

      O Brasil sempre foi roubado pelas elites dirigentes, desde o Império até a República atual. Quantificar o total de cada fase histórica e de governos em particular, me parece uma tarefa inglória fadada ao insucesso. A tendência humana é crer que a crise do momento seja a pior possível. Mas, esquecem que já tivemos inflação de 100% ao mês, quando Maílson da Nobrega era Ministro da Fazenda.

      Os políticos do século passado eram melhores do que os atuais. Reconheço que houve um retrocesso na qualidade da atividade parlamentar e na capacidade intelectual de suas excelências. Ouso afirmar, que o Congresso atual é o mais conservador dos últimos tempos e, o fato se reflete no animo do povo, que tem demonstrado o desprezo pelos seus representantes.

      E para falar a verdade, o povo não tem nada a ver com a crise econômica e política. O povo tem feito a sua parte, conforme se constata na primavera junina e nas passeatas pedindo o fim da corrupção e melhores condições para todos. Então, o que esse povo pode fazer mais?

      ” A esquerda acabou”. Muito bem, então só sobrou a direita para governar os povos! A natureza é sábia, basta olhar as flores do campo e ver que nenhuma é igual a outra. Entendo que deva haver várias tendências políticas, para que ocorra um paradigma, caso contrário, descambaremos para a ditadura de uma nota só.

      Obrigado por você, Fallavena e todos os leitores, por terem comentado com a elegância habitual, na concordância e na discordância.

  4. Sr. Roberto todos fracassaram, não somente os pelegos.
    E por falar em fracassos, veja que interessante sobre a Rainha da França, alojada na Avenue Foch, na bela e linda Paris, a Cidade Luz….

    “Dezoito anos antes do início das investigações da Operação Lava Jato, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB)(Partido da Ética)., chegou a ser alertado de que a Petrobras era palco de um escândalo de corrupção.”

    A informação é revelada pelo próprio ex-presidente da República no livro “Diários da Presidência – volume 1″, que será lançado no próximo dia 29.

    “Segundo o relato, narrado pelo jornal O Globo, a informação foi repassada a FHCorrupto, por Benjamin Steinbruch, dono da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), no dia 16 de outubro de 1996 – portanto, 18 anos antes da deflagração da primeira fase da Lava Jato, que descobriu o esquema de corrupção na estatal. Steinbruch foi nomeado pelo tucano para participar do conselho de administração da estatal. “””

  5. Meu caro Roberto Nascimento,
    Certamente a Tribuna da Internet é um blog onde seus comentaristas e articulistas se preocupam com o Brasil, e muito!
    Portanto, ao teu lado, existe uma quantidade de patriotas que diariamente aponta quais são os defeitos do governo, seus erros, suas ilicitudes, de modo que nas próximas eleições possa se votar melhor.
    Dito isso, faz-se mister lembrar que foi a primeira vez que a esquerda comandou o País, e de forma funesta, aterradora, prejudicial e danosa.
    Ora, se chegamos até aqui, e a esquerda se deixou vencer pela inflação, derrotada que fora pela direita, na tua concepção, não há uma “cópia trágica da direita”, mas um governo inédito que foi vencido pela corrupção e desonestidade, pelo partidarismo e endeusamento de seus falsos líderes!
    Esta esquerda não copiou nada da direita, ela foi única, legítima, daí a sua queda vertiginosa porque entendia que dar comida para os pobres bastaria à eternização no poder, somado aos discursos repetitivos e mentirosos de as “elites” é que impedem o nosso crescimento quando, na verdade, a esquerda tratou imediatamente de associar-se justamente à elite que tanto combatia na oposição, pois conforme disse Lula certa feita, na oposição, o PT cometia as suas bravatas.
    Lula e o PT jamais tiveram plano de governo, e já se escreveu isso à exaustão, mas apenas estratégias e táticas de poder.
    E usaram o povo despudoradamente, criminosamente, para satisfazer seus intentos.
    Inclusive, Roberto, meu caro, tem sido no período de administração petista, curiosa e contraditoriamente, a era de ouro dos bancos, com lucros obscenos, e cobrando juros estratosféricos de uma população exaurida em termos econômicos e financeiros, e evidentemente me reporto ao comerciário, bancário, ao trabalhador comum, e não aqueles que estão muito bem albergados em um dos Poderes, ganhando vencimentos excelentes, e a turma que compõe os comissionados, que entraram pela porta dos fundos do serviço público e percebem salários astronômicos, a reserva de mercado eleitoral do PT, afora os condenados pelo Bolsa Família à miséria, permanentemente à espera do auxílio a cada final de mês e o curral eleitoral por excelência dos petistas!
    De onde que o PT copiou a trágica direita, se os antecessores de Lula e Dilma não fizeram a metade dos desmandos e e descalabros da dupla maligna, com exceção de Collor, claro, que confiscou a poupança e o dinheiro do cidadão brasileiro?!
    Não, meu caro, a esquerda representada pelo PT errou por si, sem copiar ou imitar quem quer que seja, pois orgulhosa, soberba, vaidosa, interesseira e com apenas uma intenção:
    Roubar o Brasil até onde fosse possível e imaginável, e permanecer no poder à base de alianças espúrias.
    Não sou da direita, tampouco da esquerda, aliás, abomino esses rótulos antigos, haja vista que, na condição de povo, tenho sido é explorado e aviltado em meus direitos.
    Um abraço, Roberto.

  6. Quer dizer que meu comentário foi censurado, Carlos Newton? Posso saber por quê? Terá sido porque eu incluí o Roberto no rol das “piadas” da esquerda?

  7. Em termos econômicos só temos um partido de direita neste país, que é o Novo. PSDB nunca foi direita, é esquerda sim e PT cobtinua sendo esquerda. O interessante é dizer que quando a esquerda fracassa, e SEMPRE fracassa (!), ela está copiando a direita. Ora bolas, fracassa porque como o próprio articulista afirma acredita em uma utopia, ou seja, se fundamenta na fantasia de mentes alteradas, em algo que não existe na mundo real, mas para implantarem essa fantasia fazem o diabo. Enquanto vicejar a ignorância econômica de que o dinheiro do governo não é de nós indivíduos que se retira, de que em principio somos todos desonestos e de que é através de leis e regulamentações em excesso que se resolvem os problemas, seguiremos sendo esse atraso. Ademais, parece óbvio, ou real, que primeiro vamos pensar em nós e nossa família, nossos entes queridos, aqueles que são valores para nós e depois vamos considerar o outro, que muitas vezes nem conhecemos. Isso é inerente ao ser humano e não é ruim, nem impede o desenvolvimento do país, muito pelo contrário, o fortalece porque cria uma consciência de cidadania, de indivíduo, perante a sociedade em que se insere.

  8. Acrescento abaixo a análise do amigo Luiz Carlos Souza Moreira, reforçando meu comentário anterior e a importância da causa brizolista em defesa da Legalidade. Ele comenta palestra do ministro Ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, cuja reportagem pode ser acessada no link. http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/barroso-diz-que-pais-tem-que-definir-se-e-uma-grande-nacao-ou-uma-republiqueta/

    Na abordagem da crise as criticas e formulações feitas acabam transformando com suas panaceias o quadro atual para torna-lo mais complicado. Os militantes de esquerda, onde me incluo, não conseguem se despir de suas convicções, quando se põem em ação com sua “práxis”, ao se recusarem a fazer um exame pragmático da atual realidade. O projeto de poder não é uma invenção da Dilma, a quem se atribui igual responsabilidade por ter adotado as mesmas práticas dos governos anteriores. O País padece desse mal há muitos anos cujas repercussões têm origem numa classe política, que se recusa a assumir o seu verdadeiro papel de legítimos representante do povo. O Poder, enquanto instancia de poder e prestígio, exerce sobre eles um fascínio sem medida, levando-os aos deslumbramentos que temos registrado. Seus patrimônios pessoais, por exemplo, crescem de tal forma que se verificados não resistem a qualquer auditoria, Enquanto isso, alguns poucos, merecedores da credulidade popular vão enfrentando os moinhos de vento que encontram pelo caminho, esforçando-se para tornar os seus mandatos dignos de serem exercidos. Ao que se registra nenhum poder nas suas funções escapa , ainda que minimamente, de uma eventual ação de degradação moral pela conduta irregular de alguns dos seus membros, contaminados que se acham por uma pandemia, que se instalou nos poderes da República. A bem da verdade e pela primeira vez, neste Governo da Dilma, estamos assistindo ações concretas visando varrer de vez esses seculares malfeitos, que se apurados e com a responsabilização dos seus autores, vamos estar diante de um tempo novo, tornando o Brasil um exemplo a ser seguido, E quem se opõe a essas ações com suas peripécias golpistas, que travam a governabilidade, são exatamente aqueles que estão tendo as suas vidas vasculhadas, e que se esforçam para mudar o foco dessas acusações para quem está no comando maior do País. Apesar das tentativas, que se repetem diariamente com o apoio de uma mídia comprometida, será difícil imputar-lhe pessoalmente o cometimento de qualquer crime. Essa onda punitiva contra a Presidenta, assim entendo, desejada pelos que querem o seu impedimento, trará como consequência a desestabilização do regime e a instalação de um imprevisível caos. Melhor será prestar atenção às advertências que começam a surgir, mormente quando feitas por um íntegro membro da Corte Suprema, Ministro Luis Roberto Barroso, em palestra promovida pela Associação de Advogados de São Paulo, quando disse: O PAÍS ATRAVESSA O MOMENTO DE DEFINIR SE É “UMA GRANDE NAÇÃO” OU “UMA REPUBLIQUETA QUE ACEITA QUALQUER SOLUÇÃO PARA SE LIVRAR DE UM PROBLEMA”. NÓS TEMOS QUE NOS LIVRAR DOS PROBLEMAS DENTRO DA LEGALIDADE, RESPEITANDO AS INSTITUIÇÕES, TENDO EM CONTA QUE O TIMING POLÍTICO É DIFERENTE DO TIMING INSTITUCIONAL “

  9. CALOTE NO TRABALHADOR , O QUE FAZER DIANTE DESSES ABSURDO . Juntado(a) o(a) notificação devolvida com informação ‘mudou-se’ . quando o empregado entra na justiça com uma reclamação trabalhista . á justiça tinha que reter uma quantia em dinheiro da fatura dessa empresa . se não fizer isto , a empresa vai ficar recorrendo até dilapidar seus bens á terceiros ou alguns laranjas . á justiça tem que mudar essa logica . quando o trabalhador entra com uma reclamação trabalhista . á justiça tem que segurar algumas faturas dessa empresa . para que no final do processo seja pago os direitos dos trabalhadores . OBS: TEMOS QUE ACABAR COM TODOS OS TIPOS RECURSOS NA ÁREA TRABALHISTA .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *