Preconceito contra a URSS e a China atrasou o desenvolvimento brasileiro

Roberto Nascimento

O país deve muito ao saudoso presidente João Goulart. Homem de rara visão estratégica, vislumbrou a importância das relações diplomáticas com os dois países comunistas (URSS e CHINA), sem as quais hoje, não estaríamos em situação um pouco mais confortável no contexto comercial e em consequência, menos dependentes da economia americana.

Entretanto, a visão míope das elites brasileiras no Congresso e no setor privado atrasaram o país por mais de 30 anos. Olhando o mundo pelo viés puramente ideológico, começaram o processo de derrubada do presidente, desaguando no golpe de março de 1964, não contra ele, João Goulart simplesmente, mas contra o desenvolvimento da sociedade brasileira, com o apoio declarado dos americanos representados pelo embaixador Lincon Gordon e pelo adido militar Wernon Walters, dois golpistas de primeira hora, verdadeiros espiões infiltrados na diplomacia americana para desestabilizar e derrubar o governo.

O golpe veio para impedir as reformas de base, principalmente as reformas agrária e urbana. O presidente resolver enfrentar tudo de uma única vez. Não podia dar certo. Quando decidiu restringir a remessa de lucros das multinacionais, selou seu destino.

GREVES E ESCASSEZ

As greves começaram a pipocar uma em cima da outra, ora era os trens que paravam, depois o transporte urbano e assim por diante. Faltava arroz nos mercearias e nas vendinhas dos bairros, em seguida o feijão, que só podia ser comprado no mercado negro. A classe média foi para às ruas bater panelas em Copacabana, um exemplo da fragilidade do governo, a demonstrar o sucesso da ação destinada a tirá-lo da Presidência.

O estadista João Goulart, ao desistir de enfrentar a ação dos golpistas que contavam com o aparato militar da frota americana nas costas do Espírito Santo, pronta para intervir em favor dos seus aliados que preparavam o golpe contra as instituições, impediu com o ato a deflagração de uma guerra civil no Brasil, de consequências imprevisíveis. No mínimo, o pais sairia dividido do confronto entre as forças leais ao presidente e as forças militares e civis apoiadas pelos Estados Unidos.

CORAGEM E AMOR

Por esse gesto de coragem e amor à nação, que muitos ainda dizem que foi covardia, o presidente João Goulart deveria ser reverenciado e seu busto exposto nas praças de todos os Estados da Federação. Entretanto, acredito que isso não irá acontecer, ao menos, que o sargento Garcia consiga prender o Zorro. Uma das pragas do poder reside no fato de que poucos homens públicos têm a galhardia de reconhecer seus erros. Morrem declarando que estavam certos, mesmo que suas consciências digam que não.

Quanto tempo nós perdemos, quantos jovens pereceram na luta armada, quantas famílias enlutadas, quantas carreiras e sonhos interrompidos, para quê? Para nada. Nas portas de completar 50 anos do golpe de março de 1964, nossas elites militares e civis deveriam refletir seriamente sobre os rumos da nação daqui para frente, talvez mergulhando no passado, não para repeti-lo enfadonhamente, mas, para não acreditar nunca mais nos vizinhos do Norte, que nos querem ver eternamente subdesenvolvidos e sugando nossas energias e levando as riquezas do país para suas economias desgastadas pelo tempo.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

19 thoughts on “Preconceito contra a URSS e a China atrasou o desenvolvimento brasileiro

  1. Tivessem um pouquinho de dignidade, os golpistas brasileiros, civis e militares, que assumiram tristemente a condição de sabujos dos norte-americanos e praticaram reiteradas ações lesivas à pátria, procurariam um monte de areia e esconderiam suas cabeças traidoras, de tanta vergonha…mas vergonha e patriotismo é justamente o que esses canalhas não têm!

  2. Caro Roberto Nascimento, permita-me assinar em baixo desse artigo verdadeiro e esclarecedor, tinha que ser publicado em todos os jornais. A falta do feijão, arroz etc, aconteceu em virtude dos atacadistas da Rua do Acre, terem segurado as mercadorias para forçar a alta dos preços, o que obrigou o João Goulart mandar prender os atacadistas da Rua do Acre, se não em engano na ilha das Flores. Após o golpe, o primeiro ato do governador Lacerda, foi mandar soltar os atacadistas com festa e fogos. Não foram as Forças Armadas em sua totalidade que deram o golpe, foram uns poucos militares com poder de comando, junto a UDN, uma parte da Igreja Católica e a elite, que tinham ódio de Jango. Sabedor dessa situação João Goulart procurou o apoio dos sindicatos e do povão para mostrar força, mas não foi suficiente, e com
    ajuda dos EUA e a elite perversa conseguiram o que queriam: Travar o Brasil (Os EUA não iriam
    aceitar um novo Japão no hemisfério Sul)

  3. fELIZ DO POVO BRASILEIRO QUE TIVERAM A GRANDE SORTE DE TER EM 1964 MILITARES CORAJOSOS E CONSCIENTES QUE EVITARAM O PIOR.
    CASO ESTES NÃO TIVESSEM BARRADO A CORJA COMUNISTA O BRASIL DE HOJE ESTAVA A NÍVEIS DE DESENVOLVIMENTO IGUAIS OU PIORES DO QUE AS REPUBLIQUETAS AFRICANAS, CUBA,K.do Norte ENTRE OUTRAS MERDAS SOCIALISTAS! QUEM ACHA QUE FOI RUIM A REDENTORA DE 64 DEVE ESTAR ACHANDO MUITO BOM O QUE É O “SOCIALISMO” LULISTA DE HOJE ONDE A CORRUPÇÃO ENCHE OS BOLSOS DOS ADULADORES DO ‘REGIME”, AS BOLSAS ESMOLAS ALEGRAM OS MISERAVEIS MANTENDO E AUMENTANDO SUA MISERABILIDADE SEM FALAR NA TOTAL FALENCIA DO ESTADO ONDE NADA FUNCIONA E A JUSTIÇA VIROU UM A CARTORIANTE HOMOLOGADORA DE IMPUNIDADE DAS SAFADEZAS DO PT.
    QUE FALTA FAZ UM REGIME MILITAR ESTILO 64 DE FERRO E FOGO!

  4. Obrigado a todos os comentaristas pelos importantes relatos sobre aqueles acontecimentos históricos, (a ante sala do golpe civil/militar) muito bem descrito por Nélio Jacob em preciosa contribuição para o debate do tema.

    A quebra da ordem legal, a deposição do presidente, o aparato militar, a preparação muito bem orquestrada para criar uma situação insustentável, os traidores incrustados no centro do poder, a arapongagem, o jogo duplo dos espiões a soldo de empresas antinacionais, tudo isso combinado gerou o caldeirão que desaguou no 31 de março de 1964.

    Caro Dalton, obrigado pela sugestão do envio do arrazoado ao citado jornal. O Editor Carlos Newton já liberou as transcrições, desde que informado como sendo liberado pelo BLOG da Tribuna da Imprensa.

    Realmente, o medo das grandes potências com o crescimento do Brasil a partir do governo Juscelino gerou o planejamento que visava parar a roda do desenvolvimento da nação. Jânio não conseguia governar por falta de apoio no Congresso e tresloucado renunciou espetacularmente. Jango quase não tomou posse. A saída foi o regime parlamentarista com Tancredo Neves como Primeiro Ministro. Um ano depois o presidente mudou o jogo e restabeleceu o regime presidencialista.

    Entretanto, sua base política foi sendo minada dia após dia até o desenlace fatal com sua deposição do cargo de presidente. No entanto, o plano concebido pelos espiões Lincon Gordon e Wernon Walters era impedir também a volta ao poder do presidente bossa nova Juscelino. Lacerda que sonhava com a presidência foi cassado impiedosamente por castelo Branco. Não houve a tão esperada eleição presidencial de 1965, um retrato na parede, que dói até hoje.

    Os jovens precisam saber cada vez mais sobre o período para entenderem os meandros do poder e o maquiavelismo do sistema quando são contrariados em seus interesses comerciais e políticos. Ninguém sabe se o processo poderá se repetir, então, já saberemos onde não errar e cometer os mesmos erros daquele triste passado.

  5. Hummm… ninguém ainda apareceu aqui para xingar o autor e defender os militares, muito estranho!Devem estar lavando a farda, mas eles virão tenho certeza, você sempre acha um golpista apoiador de ditaduras enrustido por aqui.

  6. Pois é Roberto Nascimento, até a Tribuna da Imprensa , assim como todos os outros jornais da época, menos a Última Hora, que era chapa-branca, pediam a saída de Jango.

  7. Não, Mônica, as coisas naquela época foram claríssimas, inclusive, o ex-ministro do governo de Jango, João Pinheiro Neto, em entrevistas nos anos 80 ou 90 na TV, falou que os projetos do governo, o qual já não tinha mais apoio nenhum do congresso, eram inviáveis e que não passavam de um sonho de uma noite de verão. Isto porque, eles, muito jovens, estavam sem experiência para entender a realidade da época.

  8. Sim, mas será que hoje, o Brizola teria esta opinião do cunhado? Podem ter sido claras para a época, mas e hoje? Como o senhor mesmo disse: “Isto porque, eles, muito jovens, estavam sem experiência para entender a realidade da época.”

  9. Parabéns pelo artigo. Lúcido.

    Mas se tivéssemos feito isso, talvez hoje estaríamos reclamando de não termos nos aliado aos EUA quando podíamos. Pois certamente estaríamos enfrentando os mesmos problemas.

    Somos eternos vira-latas, dependentes, preguiçosos e acomodados.

    Quem sabe um dia possamos nos levantar como Nação Autônoma, não esperando mais as migalhas que caem das mesas de outras Nações.

  10. Sub-escrevo,o que foi dito pelo ponderado Sr.Roberto.Bem,como as do Sr.Nélio.
    “se” permitires, o Sr. Jango,só assumiu a presidência,GRAÇAS ao seu CUNHADO DrºLEONEL DE MOURA
    BRIZOLA,(Legalidade)que botou a tropa da Brigada Militar(PM),nas ruas,com adesão do 3º exercito.

    Quem deu a rasteira no Brizola/Gen. Lott(ingratidão),foi o JANGO após assumir o poder,foi fazer
    concessões com direita golpista,e os esquerdistas”Todos SAFADOS ENTREGUISTAS”.
    REPITO!!!!!!BRIZOLA muito coerente,não queria fazer concessões. Não foi OUVIDO.
    Obrigado,forte Abraço…

    obs: Dnª Mônica,com toda vênia,quem não estava Preparado,era o JANGO.

  11. O artigo retrata bem a grande figura humana que foi Jango.

    Várias vezes estive com ele e guardo boas recordações de sua dignidade e caráter.

    Porém, tenho até hoje minhas dúvidas sobre que traiu Jango.

    Lembro bem que naqueles dias de 1964 as rádios colocavam no ar notícias contraditórias. Umas, de que Jango estava vencendo o embate (a maioria); outras, que estava sendo derrotado.

    Lembro que em uma das rádios que apoiava Jango “líderes sindicais” (entre aspas) se revezavam nos discursos agressivos.

    Uns até, com expressões inflamadas, anunciavam que iriam colocar os opositores a Jango no PAREDÃO. Era a moda em Cuba e aqui diziam que iriam adotar.

    Em frente ao Palácio Guanabara jovens como eu (em 1964, hoje tenho mais de setenta anos) aguardavam os fuzileiros navais sob o comando do almirante Aragão que iriam desembarcar na Praia de Botafogo, subir a rua Farani e destruir Carlos Lacerda, governador do então estado da Guanabara.

    Repentinamente, chegaram dois tanques do Exército. Corre-corre na frente do Palácio Guanabara. Todos os presentes acharam que Lacerda estava lascado. Os oficiais que comandavam os tanques se dirigiram ao Lacerda. Todos os presentes pensaram que iam prendê-lo. Para surpresa geral, colocaram seus serviços à sua disposição.

    Os fuzileiros do Aragão não desembarcaram até hoje na Praia de Botafogo e os “lideres sindicais” que diziam que iriam fazer uma festa macabra com os fuzilamentos no PAREDÃO e colocaram o bom e humano Jango em situação difícil, disputavam a inusitada prova olímpica de quem escalava e pulava primeiro o muro da Embaixada do Uruguai para pedir asilo político.

    Por favor, respeitem a memória de Jango como o grande ser humano que ele realmente foi.

  12. Olha,meu caro,os fatos demonstraram que os conselheiros de Jango,era Roberto Marinho,o embaixador
    americano o mister Gordon,e seu compadre Gen.KRUEL.Para desespero,Celso Furtado,Darcy Ribeiro,etc
    Agora,realmente Sr.Jango não era da Vertente CASTILHISTA,era inclinado aos Gasparita, por,sinal ,
    qualquer entrevo na província do RS,Sr.Gaspar Silveira Martins,e seu escudeiro Gumercindo Saraiva
    eram os primeiros a se bandear para Argentina,Uruguai.

    obs: Sem Dúvida a pessoa do Sr.João Belchior Marques Goulart,era uma BELA figura Humana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *