Prefeito agradece a Jorge Béja a sugestão de manter os restaurantes populares

Resultado de imagem para restaurantes populares

Os bandejões se tornaram uma tradição no Rio de Janeiro

Carlos Newton

O jurista Jorge Béja fez questão de parabenizar o prefeito Eduardo Paes pela decisão de manter os restaurantes populares existentes no Rio de Janeiro, que seriam fechados em função da grave crise financeira que o governo estadual atravessa. E enviou a Paes a seguinte mensagem por e-mail:

“Leio no Extra que a prefeitura vai bancar, até dezembro próximo, oito restaurantes populares. A dívida pretérita continua com o Estado. Gesto nobre, humanitário e legal. O artigo 73, VI, letra “a” da Lei 9.504/97 (Lei Eleitoral), permite aos municípios, nos três meses anteriores às eleições, usar dinheiro público para atender situação de emergência e de calamidade pública. Portanto, prover um prato de comida para a população pobre e faminta que, de uma hora para outra, ficou sem tê-lo, é mais do que situação de emergência. É gesto humanitário. Parabéns. Deus o recompensará, mais do que recompensado está. C’Est Tout.”

E o prefeito do Rio mandou a seguinte resposta a Béja: “V. Exa inspirou”

NÃO SE CONHECEM – É curioso destacar que o jurista carioca não conhece o prefeito pessoalmente nem foi seu eleitor, porque desde os 60 anos não mais exerce o direito de votar e depois paga a multa por não ter comparecido à sessão eleitoral. Agora, aos 70 anos, está livre da obrigação de votar.

Seu gesto visou unicamente a garantia da refeição para a população menos afortunada, sempre defendida gratuitamente pelo escritório de advocacia que ele há 40 anos mantém na Rua Acre, bastante conhecido pelos jornalistas devido à grande repercussão das causas humanitárias ali defendidas.

Além disso, Béja nunca se interessou pela política partidária. O prefeito Eduardo Paes atendeu a seus apelos não somente pelo respeito que o advogado angariou no exercício da profissão, mas porque a reivindicação era justa. Apenas por isso.

2 thoughts on “Prefeito agradece a Jorge Béja a sugestão de manter os restaurantes populares

  1. Não acredito que qualquer iniciativa desse prefeito que humilhou profundamente uma senhora que recebia um apartamento do “Minha Casa, Minha Vida”, entre outra dezenas de idiotices praticadas ao longo de 8 anos de mandato, mereça consideração. Pelo que consta, essa sandice está sendo objeto de uma ação cível contra o alcaide.

    Pelo que consta, nem desculpas houve!

    E a ofensa a Maricá? E a ciclovia assassina? E a CPI da Ciclovia que, apesar dos incansáveis esforços do vereador Jefferson Moura, e de inúmeras decisões judiciais que mandar dar curso à CPI, não sai? E tudo é abafado!!!

    E as OS’s, da Saúde e da Educação, funções básicas do Poder Público, absurdas terceirizações onde o superfaturamento e o desvio de recursos é a regra?

    Alguma dúvida de que essa “bondade” do prefeito é para render frutos eleitorais no próximo sufrágio?

    Que imprensa é essa? Me sinto chocado de viver num país assim. E Carlos Newton, me desculpe, mas até tu?

    Hora triste será, como cidadãos cariocas, termos que optar entre Crivella e Pedro Paulo, ou Crivella e Jandirão.

    Um fio de esperança surge com a improvável impugnação da candidatura do “bispo” universal, quem sabe? Que Deus nos ajude a afastar da eleição o Demônio .

  2. Seria um gesto nobre se os candidatos a prefeito fizessem este apelo, mas se apegam mais as suas candidaturas do que resolver o problema dos mais pobres, este ato independe de apoio político, é um gesto humanitário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *