Preocupação nos mata aos poucos e nos impede de viver

Resultado de imagem para preocupação charges

Charge do Adnoel, reprodução do Arquivo Google

Eduardo Aquino
O Tempo

Aos que creem, falta compreender o famoso “não vos preocupeis com o dia de amanhã”. Somos viciados em sofrer por antecipação, viver de forma atribulada e aflita. A cada ano ou década, aceleramos nossa mente ao extremo e, masoquistas que somos, obsessivamente acumulamos e retransmitimos notícias ruins, tragédias, dramas que sangram nossos corações e secam nosso afeto. Afinal, qual o sentido da vida? Por que tanto apego? Por que tanto medo de morrer ou perder alguém amado se cada vez mais reclamamos de tudo e de todos?

Já afirmei que a preocupação é o mais devastador câncer mental que existe. Afinal, há mais de 30 anos ouço no consultório, em palestra ou na vida social “doutor, eu morro de preocupação de perder meus filhos” ou “morro de preocupação com o futuro, de adoecer, de perder emprego, quando meus filhos saem, de ter câncer” e toda uma mortandade mental constante e torturante.

PENSAR E AGIR – Segundo a física quântica, pensar equivale a agir, assertiva que nos leva à conclusão de que preocupados morrem a cada pensamento que emitem nesse sentido. Um verdadeiro velório eletroquímico-cerebral. “Meu filho não chegou até agora, e se ele sofreu acidente – ou usou droga, foi preso, sequestrado e outros dramas piores?”

Ora, o coitado do cérebro é um mero escravo da mente, que busca adaptar o corpo às mudanças ambientais ou psíquicas. A mente é geradora dos softwares, o cérebro apenas os roda, é um hardware.

 

Triste o mundo mental dos preocupados, diria, que infernal. Afinal, vivem morrendo e renascem sempre com as preocupações torturando-os com chicotes de culpa, de ciúmes, de raiva, de perfeccionismo, de obrigações e deveres, do medo de errar, de ser mal falado, de envelhecer, de engordar ou sei lá mais o quê.

NOSSOS FANTASMAS – Ser traído? Pecar? O que não falta é fantasma para assombrar sua pesada existência. E se for para o inferno? Bobo, já vive nele. Tem dinheiro? É melhor se preocupar, afinal, e se perco? E se os herdeiros brigarem, gastarem tudo e morarem debaixo da ponte? Não tem dinheiro? Como fechar o mês e sair do Serasa? Tem trabalho? E se perder? Não tem? E se não achar?

Fico pensando em uma versão de olimpíadas de preocupação. Afinal, todos acham que seus problemas são os piores do mundo. Que nada! Não vale nem bronze. Ou uma feira persa de preocupações: “Olha aí, minha gente, troco as preocupações com dois filhos adolescentes por preocupação de ficar solteira”. Ou ainda: “Troco preocupação de envelhecer por preocupação com corpo gordinho”.

Enfim, somos a civilização que vive morrendo de medo e preocupação e ressuscitando a cada dia para viver de novos medos e preocupações. E sabe o que é pior? A maioria de nós ainda se diz pessoas de fé. Ora, quem tem fé não se preocupa. Tudo passa, o tempo cura. Não é à toa que no cemitério do Bonfim, em BH, está escrito em latim “Aos mortos, dos que vão morrer”. Por falar nisso, bem-vindos à vida, os que não temem a morte.

2 thoughts on “Preocupação nos mata aos poucos e nos impede de viver

  1. Sempre me fascinou a famosa Instrução de N. S. JESUS CRISTO no Sermão da Montanha: Não vos preocupeis com o que havereis de Comer, com o que havereis de Vestir, no dia de amanhã…. a cada dia basta a sua Preocupação.

    O Dr. EDUARDO AQUINO faz uma bela análise sobre o Tema: “as nossas Preocupações”.

    A meu ver, no Sistema de Vida Individual não faz sentido a Instrução de N.S.JESUS CRISTO. Temos que nos preocupar. Mas num Sistema de Vida COMUNITÁRIO, como o vivido pelos antigos ESSÊNIOS, dos Primeiros Cristãos, e das atuais Ordens Religiosas, então sim suas Palavras fazem sentido.
    Tenho vários Parentes(as) Membros de Ordens Religiosas, e vivem bem mais tranquilos.
    Os primeiros Cristãos procuraram viver assim, formando Comunidades onde os Postulantes após +- 2 anos de Noviciado ( Catecumenato), após passar nos Exames, eram Batizados e plenamente admitidos na Comunidade. Então, se tinham bens, repassavam tudo para a Comunidade que tinha uma Administração Profissional para geri-los, e todas as Despesas eram tiradas do Caixa Comum. A prioridade era para os Órfãos, as Viúvas e os Pobres. Numa Organização assim, dá para se “preocupar menos”. Mas mesmo entre os primeiros Cristãos, tão cheios de Virtudes, houve abusos e o Sistema teve que ser abandonado.

  2. A Biblia não é fácil de ser interpretada. “Por que vos preocupais, homens de pouca fé? disse Jesus. Mas ninguém está livre de preocupações. Faz parte da vida. Preocupação está relacionada com a ansiedade e a causa da ansiedade é a insegurança; inseguros não somos capazes de resolver as dificuldades da vida e ficamos a pensar o que será no futuro. Nos dias atuais, as preocupações aumentam; até uma pessoa que sai para ir até a Padaria e demora um pouco, gera preocupação, por causa da violência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *