Pressão popular cresce impulsionando o quadro político do país

Pedro do Coutto

A pressão popular sobre o quadro político continua crescendo e uma prova concreta está na rejeição do Projeto de Emenda Constitucional (PEC37) que praticamente afastava o poder de iniciativa do Ministério Público de realizar investigações criminais e propor as respectivas denúncias. Caiu por 430 votos contra apenas 9 na Câmara Federal. Mas não é o único exemplo.

Outro, estampado na manchete principal do O Globo de quarta-feira foi o encontro no Palácio do Planalto entre a presidente Dilma Rousseff e o ministro Joaquim Barbosa. Ela não solicitou a  presença do presidente do Supremo Tribunal Federal sem mais nem menos. Teve um objetivo claro, como observou minha mulher, situação reforçada pela foto publicada ocupando várias colunas. O efeito foi a busca de um entendimento e também de reflexo junto à opinião pública num momento difícil para o governo. Tanto assim que a presidente da República recuou da tese da Constituinte, embora permaneça com a proposição de um plebiscito para promover uma reforma política substancial.

O ministro Joaquim Barbosa fez suas colocações, entre elas, como acontece nos Estados Unidos, de um recall contra os que desempenham negativamente seus mandatos. Há alguns anos aconteceu na Califórnia, recall que levou o ator Swartznegger ao governo estadual. Mas nem só de debates institucionais está se impulsionando os atores políticos. O presidente do Senado, Renan Calheiros, suspendeu o recesso de julho e já anunciou que apresentará projeto concedendo passe livre aos estudantes. Não se conhece ainda o conteúdo integral da matéria, porém a iniciativa vai ao encontro da mobilização principalmente da juventude.

ROYALTIES

Os recursos seriam originários dos royalties do petróleo, os atuais claro, porque os do pré-sal vão demandar alguns anos. As respostas têm que ser urgentes, imediatas de preferência. Mas nem todas as intenções são viáveis. Por exemplo: o mesmo presidente do Senado destaca projeto, este destinando 10% do PIB à Educação. Para se ter uma ideia do que tal parcela representa basta acentuar que o PIB da sétima economia do mundo, a brasileira, é de 2 trilhões de dólares, mais ou menos 4,5 trilhões de reais. Seriam portanto 450 bilhões. Seria um salto gigantesco.

Pois o orçamento para 2013, Diário Oficial de 30 de janeiro, destina 78 bilhões de reais, em números redondos para a educação. E 98 bilhões para a Saúde. O montante da lei de meios é de 2,1 trilhões de reais. Assim, a Educação teria recursos cinco vezes maiores que os atuais. Não será fácil conseguir atingir tal escala. Mesmo acoplando-se os setores de Saúde e Educação, chegamos hoje a um total de 168 bilhões. Renan Calheiros propõe 400 bilhões de reais.

Este é um lado dos encadeamentos dos fatos. Existem outros. É que de degrau em degrau, teoria exposta ou prática executada, a voz das ruas cresce e se impõe com mais intensidade e vigor. A passeata dos moradores da Rocinha na noite de terça-feira foi um avanço no que se refere a reivindicações sociais pacíficas. Foram dizer ao governador Sérgio Cabral que existem prioridades – os moradores do Vidigal participaram – mais importantes do que a instalação de um teleférico. O saneamento, a coleta de lixo, as creches, a saúde e a educação. Foi uma manifestação de civilidade e consciência. Isso somente aconteceu em função da presença da sociedade nas decisões e nos rumos da administração pública. A pressão se amplia. As reivindicações também.                                                     
This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

4 thoughts on “Pressão popular cresce impulsionando o quadro político do país

  1. Já está mais do que na hora de se separar o jôio do trigo , quem vai pra rua para quebrar ,saquear e fazer depredações tem que ser preso doa á quem doer ,onde fica o direito de ir e vir de quem tá voltando do trabalho,da escola, do médico etc…,cobriu o rosto tem que ser considerado marginal, tá virando um circo e eu ,e muita gente já estamos de saco cheio,será que a gente de bem ,bem intencionada não percebe que tá sendo usada como massa de manobra ?

  2. Para fazer uma Copa do Mundo … gasta-se:
    Japão = 16 bi
    Alemanha = 6 bi
    África do Sul = 8 bi
    Brasil (até agora) = 28 bi … e vai chegar a 33 bi
    Quem são os vândalos?
    Quem são os arruaceiros?
    Ora ora ora ora … !!!

  3. VIOLÊNCIA É UMA MÃE SOLTEIRA, COM UM FILHO ESPECIAL NÃO CONSEGUIR VAGA EM CRECHE CAPACITADA PARA RECEBER TAL CRIANÇA. BANDIDAGEM É TIRAR DO BOLSO DOS POBRES DINHEIRO PRA FAZER COPA PROS RICOS. ISSO É VIOLÊNCIA, ISSO É BANDIDAGEM. CLARO QUE NÃO CONCORDAMOS COM ATOS DE VIOLÊNCIA NAS MANIFESTAÇÕES. MAS O QUE O GOVERNO FAZ TODO SANTO DIA COM OS BRASILEIROS É MUITO PIOR. CHEGA DESSA PALHAÇADA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *