Primavera do Egito acaba num banho de sangue da nova ditadura militar

Deu nos jornais

O secretário geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, criticou o uso da força pelas autoridades egípcias contra as manifestações populares, com saldo de centenas de mortos, de acordo com informes preliminares.

Ban condenou em termos enérgicos a repressão desta quarta-feira no Cairo, quando os funcionários de segurança utilizaram a força para acabar com os protestos, segundo um comunicado do porta-voz oficial do organismo mundial.

Além disso, renovou seu apelo a todas as partes do conflito para que reconsiderem suas ações frente às novas realidades políticas e a necessidade de evitar a perda de mais vidas humanas.

Sustentou que a maioria do povo desse país árabe quer avançar pela via pacífica para um processo que conduza à democracia e à prosperidade e chamou os egípcios a concentrar seus esforços na promoção de uma reconciliação genuína e inclusiva.

A violência e a incitação de qualquer origem não responderão aos desafios que o Egito enfrenta, assegurou Ban Ki-moon ao insistir na importância de que os diferentes pontos de vista sejam expressados de maneira respeitosa e pacífica.

Soldados do governo realizaram operações  no Cairo e na província de Giza contra manifestantes islamistas partidários do presidente Mohamed Morsi, deposto no início do mês passado pelas Forças Armadas.

Informações jornalísticas situaram em cerca de 400 vítimas fatais e cinco mil feridos registrados nesta quarta-feira no Egito.

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGDe que adianta a ONU criticar, condenar. Ninguém liga, mesmo. Quem sempre mandou e continua manda no Egito, nos tempos contemporâneos, são os Estados Unidos, que desde sempre sustentam as forças armadas do país, cuidando para que não haja guerra contra Israel. O resultado aí está. O Egito, dissemos aqui, ainda ia ter saudades de Mubarak. Não deu outra. (C.N.)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “Primavera do Egito acaba num banho de sangue da nova ditadura militar

  1. Caro Jornalista,

    O Egito fez valer o ditado popular:

    “QUANDO DOIS IDIOTAS BRIGAM, LUCRA UM TERCEIRO MAIS ESPERTO!”.

    Nesse caso, o papel de idiota foi representado pelo povo egípcio que, manipulado pelos interesses dos mais espertos, foi às ruas fazer protesto contra Mubarak. Ingenuamente não perceberam que os INIMIGOS DO PAÍS, posicionados além das fronteiras, a tudo assistiam, TORCENDO PARA QUE, nesse “abraço de afogado”, AMBOS SE DESTRUÍSSEM…

    Ontem o papel de idiota coube à população da “oposição” do Iraque e da Líbia que, ao invés de se juntarem contra o inimigo externo, PREFERIRAM SE DIVIDIR.
    Hoje é representado pela Aliança do Norte, no Afeganistão, e pelos “rebeldes” da Síria, comprados a dólar, e pela oposição iraniana.
    Ou alguém acha que os líderes guerrilheiros sírios, uma vez no poder, serão mais democráticos do que Assad?

    “Dividir é enfraquecer.” Se as populações desses países estivessem unidas, jamais teriam sido vencidas. Mas preferiram ouvir o canto das sereias…
    Em todos os casos, OS PAÍSES FORAM DESTRUÍDOS COM A AJUDA DOS INGÊNUOS INTERNOS DOS PRÓPRIOS PAÍSES…

    Abraços.

  2. Coitada da populacao Africana e Ssiatica refens dos grandes imperios.

    Seu pecado ? Possuir petroleo , ouro e diamantes, tesouros em suas terras , portanto dificilmente conseguirao se levanter, por causa da ganancia !

  3. A Irmandade Muçulmana está apostando alto em ir para o matadouro. Tudo indica que tem muito cacife ainda para desmoralizar o exército. As cobranças ferozes se darão quando começarem as dissidências no seio da oficialidade militar.Esses generais egípcios não tardarão a pagar caro pela brutal repressão, porque matanças contínuas de compatriotas desarmados nas ruas não é sensato em parte alguma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *