Processo de Helio Fernandes durou 41 anos, porque o advogado Sérgio Bermudes desprezou a causa

Helio Fernandes - Página inicial | Facebook

Helio Fernandes esperou 41 anos por sua indenização

Carlos Newton

No domingo passado, dia 5, publicamos artigo sobre a saga do jornalista Helio Fernandes, que aguardou 41 anos pelo pagamento da indenização devido pela União à “Tribuna da Imprensa”, mas morreu antes do final do processo e seus herdeiros nada receberão, porque o dinheiro (cerca de R$ 39 milhões) foi inteiramente destinado a pagamento de impostos federais, credores da empresas e dívidas trabalhistas.

No artigo, julgamos ter deixado claro que o escritório de advocacia que conduziu a causa (Sérgio Bermudes & Associados) atuou de forma leniente e jamais se interessou realmente em levar ao final essa causa.  No entanto, muitos leitores entenderam o contrário e alguns até julgaram que eu estaria elogiando a atuação de Bermudes, o que jamais me passou pela cabeça. Pensei ter exercitado bem a arte da ironia, deixando as coisas subentendidas, mas parece que errei na dose.

BERMUDES FALHOU – Aproveito para me desculpar junto aos filhos do grande jornalista, Luciana, Bruno e Ana Carolina, porque, ao contrário do que ficou parecendo no artigo que escrevi domingo, o respeitadíssimo advogado Sérgio Bermudes e seu principal associado, Alexandre Sigmaringa Seixas, falharam absurdamente ao defender Helio Fernandes.

É o mais importante escritório de advocacia do país, porém jamais usou sua força e seu prestígio para pressionar a Justiça Federal a tocar o processo com a mesma velocidade conseguida por outros veículos da grande imprensa, como Jornal do Brasil e Diários Associados, que receberam milionárias indenizações sem que tivessem sofrido perseguição equivalente à da Tribuna da Imprensa, único jornal que ficou sob censura por 10 anos seguidos, de 1968 até 1978, e teve suas oficinas destruídas em atentado a bomba em março de 1981,após ter sido aprovada a Lei da Anistia no governo João Figueiredo.

CULPA DA JUSTIÇA? – Em carta a Helio Fernandes, o advogado Sérgio Bermudes tentou se esquivar da responsabilidade pela demora do processo e culpou “a caótica Justiça Federal”.

Bem, se houve falhas, jamais se poderia atribui-las apenas à Justiça Federal. Nenhum escritório de advocacia pode sair enaltecido num processo que demorou mais de 40 anos, o autor não recebeu um só centavo, mas o caixa do escritório foi engordado em R$ 3,9 milhões.

Na minha concepção, a explicação é simples. Quem defende Petrobrás, Ike Batista, grandes bancos e corporações, dificilmente não vai pôr a mão no fogo por um cliente que a todos criticava em nome da liberdade de imprensa. Essa é a grande verdade. O escritório Bermudes se omitiu claramente e não teve remorsos ao embolsar E$ 3,9 milhões e deixar a família de Helio Fernandes a ver navios, como se dizia antigamente.

###
P.S.  –
Vou voltar ao assunto, quantas vezes quiser, em nome de minha grande amizade a Helio e aos dois filhos que partiram antes dele, Helinho e Rodolfo Fernandes. Estou aguardando autorização da família para divulgar as cartas que Helio Fernandes me mostrou, endereçadas ao advogado Sérgio Bermudes, e que jamais tiveram resposta. O texto vai emocionar ou revoltar a todos. (C.N.)  

5 thoughts on “Processo de Helio Fernandes durou 41 anos, porque o advogado Sérgio Bermudes desprezou a causa

    • Infelizmente como dito antes, alguns muitos advogados só têm interesse quando veem que receberão uma bolada. E ganham de muitos clientes, a título de honorários, valores imorais, e ainda somados aos sucumbenciais…

      • A Advocacia brasileira não ficou bem nesse processo, Carlos Newton. A Justiça desse país, além de lenta é absurdamente injusta.
        Da primeira a última instância uma lentidão que assusta.
        Até o STF, falhou nesse processo. Um ministro ficou com o processo parado por mais de um ano, a espera de uma decisão.
        Todas as instâncias do Judiciário mostraram que temem o Poder.
        O jornalista e o cidadão, que lutam pelo país, pela informação ao leitor, principalmente quando não é adesista, sofre severas punições de todos os lados, que não suportam serem contrariados.
        Hélio foi confinado em Fernando de Noronha, preso diversas vezes no quartel da Barão de Mesquita por divulgar informações em primeira mão.
        Em 1981, seu jornal foi empastelado na Rua do Lavradio, centro do Rio. Várias bombas destruíram a Rotativa do jornal Tribuna da Imprensa de madrugada para calar a voz do guerreiro. Não conseguiram, no dia seguinte o jornal estava nas bancas rodado numa gráfica emprestada de Niterói.
        O sistema parou o jornalista pela via econômica. Ele ainda tinha esperança do jornal voltar as bancas, mas, a lentidão e a incompetência não permitiram.
        Por isso entendo o Editor, que escreve nas entrelinhas, porque se foi um pouco mais contundente pode também sofrer retaliações. O sistema é cruel e a toda hora, estamos sendo ameaçados de forma direta ou irônica, tentando calar a voz rouca da indignação, contra os que querem um país menor e destrutivo em relação aos mais pobres.
        A OAB deveria se manifestar, mas, se não o fez até agora, jamais o fará.
        Hélio Fernandes dedicou sua vida ao país, escrevendo todos os dias, duas colunas no seu próprio jornal e teve como recompensa a perseguição cruel e impiedosa dos poderosos.
        Me perdoe, caro e estimado Editor, mas, é desanimador esperar 41 anos e saber desse resultado.

  1. Todas as instâncias do judiciário mostram que temem o poder”.
    Realmente é só observarmos o desenrolar do ‘orçamento secreto/RP9’ que agora até estão usando a miséria popular como subterfúgio para não exigirem o que é correto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.