Profecias budistas traçam o destino do Brasil no mundo do futuro

Antonio Rocha

Os artigos de nosso amigo Francisco Bendl me fizeram lembrar de uma antiga profecia budista. Está no “Lankavatara Sutra”, importante texto canônico do Budismo Mahayana (Grande Veículo), ainda inédito na forma impressa e online, em língua portuguesa. Existem só pequenos trechos traduzidos.

Vejamos um deles, em que Sidarta Gautama, o Buda, no citado Sutra, faz uma profecia sobre o Darma (a Doutrina):

“Alguém destinado a manter os Caminhos,
Após o Nirvana do Sugata,
Aparecerá depois de transcorrido algum tempo.
Sabei que ele será dotado de grande sabedoria.

Na região sulina, na Terra das Palmeiras,
Há de surgir um homem, de grande renome.
Ele será famoso e destruirá
Os extremos da existência e da não-existência.

Após pregar ao mundo meu veículo,
Sob a forma insuperável do Mahayana, e
Alcançar o estágio de Grande Felicidade,
Ele partirá para o Paraíso Sukhavati”.

###
NOSSO COMENTÁRIO:

Na primeira estrofe, Sugata é o próprio Sakyamuni Buda, também conhecido como o Felicíssimo. Nirvana quer dizer, após o falecimento. Por motivos de melhor entendimento, fiz pequena adaptação no segundo e terceiro versos da segunda estrofe. No mais, são palavras atribuídas ao próprio Buda.

Nesta segunda estrofe, interpretamos o primeiro verso como a região sul do Brasil, pois os índios, primeiros habitantes desta Pátria, chamavam nossa nação de “Pindorama: Terra das Palmeiras”. Com relação aos extremos, é a proposta da mensagem de Buda, de evitarmos sempre os extremos e seguirmos o equilíbrio, a moderação, em tudo.

Na terceira estrofe, Sukhavati é a Terra Pura (um Plano Espiritual, Paraíso) que fica no Oeste, no Ocidente, e o Brasil está no Ocidente.

CARTA A UM AMIGO – Confira tudo isso, página 28, no livro “Carta a um Amigo”, de Nagarjuna, compilado por Lama Rendawa, editora Palas Athena, 1994.

O grande Lama Rendawa, da tradição Sákya, do Budismo Tibetano, viveu entre os séculos XIV e XV e foi o mestre de Tzong-Kha-pa, outro iluminado que também fez bela profecia: “Quando nos céus existirem pássaros de ferro, o Darma do Senhor Buda estará no Oeste, onde o sol de põe”. Os pássaros de ferro são os aviões. Conta-se que Tzong-Kha-pa estava meditando e teve uma visão sobrenatural: pássaros de ferro indo para o Ocidente.

Alguns esotéricos afirmam que no Paralelo 30 nascerá uma nova civilização que vai redimir o Brasil e o mundo… e o Paralelo 30 fica sobre a região Sul do Brasil.

A profecia é para mais adiante, o texto não estabelece datas. Aguardemos.

24 thoughts on “Profecias budistas traçam o destino do Brasil no mundo do futuro

  1. Meu caro amigo e professor Rocha,

    Senti-me lisonjeado em ler o meu nome no seu artigo a respeito de Buda que, entre mim, o notável e respeitado líder religioso temos de comum talvez seja a circunferência abdominal!

    Gosto do Budismo, repito, principalmente porque enaltece a contemplação, a meditação, que pode nos fazer encontrar as soluções que de imediato não estão à vista.

    O pouco que discordo ou não acredito, trata-se da reencarnação, que não faz distinção entre se voltar qualquer tipo de animal ou ser humano, pois entendo que o homem reencarnar um ser irracional seria uma involução, apesar de também eu compreender que qualquer forma de vida não pode ter prevalência ou precedência sobre as demais!

    Dito isso, aceito que eu esteja sendo até mesmo contraditório, mas quem não seria dentre os humanos, aquele que teria certeza sobre o “lado de lá”?

    Agora, rendo minhas reverências aqueles que se preocuparam em trazer informações e ensinamentos para os seres humanos poderem viver não só melhor, como terem a esperança de que a vida segue, ela não expira com a morte física, o espírito ou a alma continuam por caminhos que esses mestres transmitiram e deram como certeza as suas existências!

    Desta forma, Budismo, Cristianismo, Espiritismo, Judaísmo, Islamismo, Hinduísmo … são apenas meios de se ir adiante nesta enigmática existência terrena que, pelo menos, nos avisa clara e indiscutivelmente, que este plano que vivemos não será aquele que nos ensinará os porquês de nascermos, existirmos e morrermos ou, em outras palavras, de onde vim, o que faço aqui, para onde vou?

    Em comum, essas religiões ou filosofias pregam que não devemos ser pessoas más, que prejudiquem os outros, que matam, roubam, em razão de punições severas no “além”, no entanto, também não temos uma alma sequer que tenha voltado e informado a verdade ou nos tenha dado pistas de como será o outro lado.

    Desta forma, meus respeitos ao Buda, minhas reverências aos seus ensinamentos, e meu obrigado ao meu amigo Rocha, que espero me acompanhar depois desta vida, de modo que siga me ensinando a respeito dos labirintos espirituais que nos envolveram quando decidiram que seríamos seres humanos!

    • Caro senhor Bendl,

      Em Pindorama, a Terra das Palmeiras, temos o privilégio de contar com habitantes que não têm um interruptor na parede para acender luz e tornar a noite em dia, que nunca deixaram de sonhar na Memória, ao contrário dos habitantes que sonham e vivem na História, que esquecem tudo, e guardam sua história em livros, em museus, para lembrar…

      Já os que habitam na Memória, os nossos índios, proveram-nos a informação, o conhecimento, a sabedoria para re-ligar as almas que esquecem através da experiência enteógena obtida com a mistura de duas plantas naturais, na forma de um chá: Hoasca.
      Beber Hoasca no Brasil, em contexto religioso, é um privilégio garantido por lei.

      Os historiadores e cientistas buscam compreender e interpretar os efeitos da molécula DMT contida no chá através de parâmetros, compreensão científica, microscópica, incorreta, avaliando a experiência como um reflexo psicossomático de nossas vivências pessoais…

      O “lado de lá” é cá simultaneamente; não há uma única alma que viva sem dormir, dormindo voltamos lá, acordados estamos cá. O que vivenciamos com Hoasca é o lado de lá enquanto acordados e com extrema lucidez. Em termos atuais, religamos com o HD do Universo.

      Muitos dos nossos índios vivem o tempo na Memória, neste instante a diferença da compreenção entre “o mestre sempre é o mestre” e “o Mestre Sempre é o mestre”

      Há duas coisas necessariamente essenciais para todos os habitantes do nosso tempo histórico: a espiritualidade e a máquina.
      Se quisermos criar uma grande Nação não podemos disassociar uma da outra.

      Embora seja sabido que a Hoasca é para todos mas nem todos estejam prontos para ela (eu por exemplo levei 18 anos para merecer), escreví “privilégio” porque neste tempo ela está no Brasil.

      Tomei a liberdade de escrever este texto depois de ler seu excelente comentário no excepcional post sobre as indenizações para as vítimas de Nice; fascinado por encontrar na web o espaço da Tribuna da Internet, onde eu, que vivo fora do Brasil, posso ler o que as mentes brilhantes do nosso povo vêm pensando.
      Nao deu outra, criei um pseudonimo e ao postar menciono Hoasca, sem dúvida a vivência mais inteligente que tive nesta vida, o mais próximo que estive de pessoas que adotam uma conduta reta, com firmeza, exemplo maior do potencial do nosso povo.

      Grato Sr., e grato Sr. Antonio Rocha pelo texto.

      André

      • Caro AndréBR,

        Muito obrigado pelo comentário e informações preciosas sobre os Índios, que eu desconhecia tais dados, trazidos por ti gentilmente para este blog incomparável!

        A tua colaboração foi muito importante, haja vista entendermos que o transcendental, a metafísica, estão ligadas mais ao Oriente que ao Ocidente que, no entanto, o teu texto esclarece que os nossos aborígenes detém na sua cultura uma fonte rica a respeito da alma e da continuação da vida após a morte, a nossa grande incógnita desde que surgimos neste Planeta.

        E, de certa forma, tens razão, pois acredito que os seres humanos mais simples, menos apegados às questões materiais, devem mesmo trazer consigo interpretações e conhecimentos que ignoramos, em razão da necessidade que entendemos de se ter dinheiro, bens, de se viver em busca de patrimônio, posses, enquanto que o espírito aos poucos vai definhando, falindo, morrendo, exatamente pela falta de alimento que, a meu ver, é a caridade, a solidariedade, a compreensão e o amor pelo próximo!

        Excelente postagem, André, que tens o nome do meu filho mais velho, pela qual sou muito grato, e reiterando tu tê-la escrito porque teci um comentário sobre as vítimas do massacre em Nice, protagonizado por um insano fanático, a respeito de indenizações que os sobreviventes e familiares dos que foram imolados merecem.

        Um ótimo domingo.
        Abraço forte e caloroso.
        Saúde e Paz!

  2. Sr. Antonio Rocha,
    Com o devido respeito, pelo que li de comentários budistas do Sr. não acredito que tenha autoridade para interpretar um ensino do Buda. Nem tão pouco, o Lama do Tibete. No Sutra de Lótus o Buda SAKYAMUNI declarou expressamente: “Honestamente, abandonem os Ensinos Provisórios (Sutras Hinayana e Mahayana) e jamais aceitem uma só palavra de outros Sutras”. É claro que muitos querem vender ideias e aparecer. Mas, cuidado com o que o espera após a morte.

    • Caro irmão no Darma, respeito o seu ponto de vista, dedico-me ao estudo, pesquisa e prática do Budismo há mais de 40 anos. A interpretação (Hermenêutica) vem da faculdade de Letras, tenho mestrado e doutorado na UFRJ em Ciência da Literatura, 11 pequenos livros publicados sobre o Darma e mais de 1 mil artigos por aí. Tenho iniciação nos Budismos Theravada, Zen e Primordial. Não quero aparecer, quem deve aparecer é Sakyamuni. Por favor, reze “Odaimôku” (Namu Myoho Rengue Kyou) por mim desde já, assim não terei problemas após a morte. O Sutra Lótus é maravilhoso. Reverências em Nichiren !

  3. Sr. Antonio Rocha, Aqui não é um concurso de títulos. O Assunto é de SABEDORIA BUDISTA. Mas, como o Sr. insiste, sou Advogado, Doutor em Direito Tributário e Comércio Exterior e respeitado no mundo inteiro como BUDISTA. Meu BLOG é lido em 51 países. Tem dia que a minha página no GOOGLE (VERDADEIRO BUDISMO PARA A ERA DE MAPPO), as 10 matérias de chamada da primeira página são somente sobre meu BLOG. Ultrapasso a Wikipedia, a Soka Gakkai, Nichiren Shoshu e Nichiren Shu. Sou o único brasileiro vivo que no dia do meu Aniversário sou parabenizado na página de busca do GOOGLE: “FELIZ ANIVERSÁRIO FRANCISCO R NASCIMENTO”. Mando-lhe a prova se o Sr. quiser. O Buda Nichiren Daishonin definiu as qualidades de uma pessoa para interpretar um Sutra. Contudo, dou-lhe
    meus parabéns pelos seus escritos, se isso lhe satisfaz.

  4. Senti um frio correndo pela minha espinha, como se dizia no passado, ao ler que dois budistas poderiam entrar em conflito ou às vias de fato porque um saberia mais que o outro!

    Definitivamente cairia por terra para mim qualquer ensinamento do obeso indiano, e eu levaria em conta apenas a minha experiência de vida como orientação, de um fofo brasileiro!

    Dito isso, ainda bem que a sensatez, apesar de ferina e irônica, preponderou sobre ambos estudiosos de Buda, e os cumprimentos que se desejaram trouxe de volta a crença que tenho sobre essa filosofia, de calma, tranquilidade, diálogo, exatamente o contrário de como me comporto em certas ocasiões ou permanentemente em se tratando de política e parlamentares!

    Assim, agradeço ao meu amigo Rocha e Francisco Nascimento, que deixaram de lado quem sabia mais sobre as variantes budistas, e demonstraram que, a educação, mesmo brasileira e ocidental, prevaleceu sobre supostos e incomparáveis conhecimentos sobre Sidarta Gautama, de modo que tenhamos os dois escrevendo quando quiserem na Tribuna da Internet a respeito desta crença, que eu os lerei sempre atento, mesmo discordando oportunamente.

    A ambos o meu abraço e, também,
    Saúde e Paz!

  5. Sr. Francisco Bendl,
    Obrigado pela sua sábia interferência. Como informei ao Sr. Carlos Newton por e-mail, interfiro em escritos Budistas por Decreto do Buda. Sou um BODHISATTVA DA TERRA. Para nós, o Buda SAKYAMUNI exigiu: “Se um Bodhisattva da Terra vir alguém a caminho do Inferno e deixar de pará-lo, adverti-lo ou puni-lo, esse Bodhisattva é inimigo de todos os Budas”. Noutra passagem o Sutra de Lótus adverte: “Se alguém ler este Sutra e recita o DAIMOKU( o título do Sutra) e o troca por Sutras Provisórios, abandona-o, desdenha ou o despreza, destinar-se-á ao Inferno”. Isso aconteceu na antiga China com o Patriarca BODHIDDARMA fundador da ZEN (Zenbudismo) chinesa. O Sutra de Lótus da Lei Maravilhosa é um Ensino Supremo que pode levar um Deus ou um Demônio ao Estado de Buda em fração de segundos. Temos centenas de provas reais desse acontecimento. Peço desculpas ao Sr. Carlos Newton e agradeço o espaço da interferência.

  6. Caros mestres budistas,

    Pois acredito que posso afirmar em nome do nosso incansável Mediador, Carlos Newton, que vossos textos são muito bem recebidos pelos comentaristas, que não só gostam de ler seus artigos quanto debatem o tema com seriedade.

    Dito isso, por favor, a Tribuna da Internet vos pertence, e não deixem de publicar vossos conhecimentos para que possamos aprender e entender melhor esta filosofia tão interessante quanto misteriosa.

    Um abraço forte a ambos.
    Saúde e Paz a todos nós.

  7. Sr. Francisco Bendl,
    Como o Sr. afirmou corretamente que o Verdadeiro Budismo é uma Doutrina misteriosa, permita lhe afirmar que o Buda SAKYAMUNI a definiu assim: “O Sutra de Lótus é o tesouro secreto dos Budas. Entre todas as Doutrinas ocupa a posição máxima”. Veja o mistério: DAIMOKU (Título do Sutra):
    “SADDARMA-PUNDARIKA-SUTRA” ( não tem nada de Lótus).
    “MIAO-FA-LIENG-HUA-CHING” (não tem nada de Lótus).
    “NAM-MYOHO-RENGUE-KYO” (não tem nada de Lótus).
    Há nesse DAIMOKU do Sutra de Lótus um símbolo secreto e intraduzível que supera todos os ensinos. Por favor leia meu BLOG: “VERDADEIRO BUDISMO PARA A ERA DE MAPPO”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *