Professores em greve fazem enterro simbólico do governador Sérgio Cabral

Professores em greve fazem caminhada em Copacabana; ao fim da caminhada, fazem enterro simbólico do governador Sérgio Cabral, nas areias da praia Foto: Mônica Imbuzeiro / O Globo
Douglas Corrêa
Agência Brasil

Os profissionais de educação das redes estadual e municipal do Rio fizeram uma manifestação neste domingo (18), percorrendo da praia do Leme ao Posto Seis, em Copacabana. Ao término da passeata, os cerca de 300 manifestantes foram até a areia, onde fizeram o enterro simbólico do governador Sérgio Cabral. Entoaram ladainhas e enterraram o caixão carregado durante o protesto, junto com um boneco representando a figura do governador e jogaram terra por cima.

Os profissionais da rede estadual de ensino têm um encontro amanhã (19), às 10h, com o secretário de Educação, Wilson Risolia, para discutir uma proposta de reposição salarial de 28% para a categoria. Em abril, o governo concedeu reajuste de 8% para os professores, servidores administrativos e merendeiras da rede estadual de ensino. O secretário Risolia anunciou na sexta-feira passada (16) que encaminhou para a Secretaria de Planejamento a relação dos faltosos para que tenham os dias cortados.

Após a audiência com o secretário, os professores da rede estadual vão se unir aos professores da Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado e às 14h fazem um protesto contra o governador Sérgio Cabral, na esquina de Avenida Delfim Moreira com Rua Aristides Espínola, no Leblon, perto do apartamento de Cabral.

A coordenadora do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação, Marta Moraes, disse que o sindicato vai entrar na Justiça para garantir o direito de greve, sem o corte do ponto. O juiz Eduardo Antonio Kalusner negou a tutela antecipada ao sindicato, porque a prefeitura não tinha anunciado o corte do ponto dos professores em greve. Como o prefeito Eduardo Paes disse nesse sábado (17) que vai cortar o ponto da categoria, o sindicato vai entrar com nova medida judicial para garantir o movimento, sem a perda dos dias parados.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

2 thoughts on “Professores em greve fazem enterro simbólico do governador Sérgio Cabral

  1. Anotem: Sérgio Cabral, Eduardo Paes, Lulla (todos vascaínos como Eurico Miranda), Collor, Sarney, Renan, Roriz e Eduardo Cunha são políticos (sic) que estão em fim de linha. Por razões que a própria razão conhece. Idem o PT e os mensaleiros que já deveriam estar presos em Bangu 1.

  2. Esse prefeito Paes do Rio é outro calhorda e comensal no Laranjeiras do calhorda estadual Cabral. Já foi visto várias vezes lá nas proximidades da cozinha fazendo trejeitos ridículos. Logo que foi empossado, ativou sua base de vereadores na gaiola de ouro e introduziu um taxa de iluminação para os munícipes pagarem e vinculada à conta da Light, mas a iluminação pública permanece deficiente como de forma recorrente defronte ao banerjão no centro e em frente á Galeria Condor, no Largo do Machado, entre muitos outros pontos. Os munícipes ficaram com a obrigação de pagar e telefonar para se queixar em vão ao 1746. Também retirou uma grande quantidade de papeleiras e sua Conlurb nos últimos anos não as repõe. Agora, então, com as manifestações, as papeleiras sumiram definitivamente nas áreas próximas ao Palácio Guanabara e o lixo de invólucros de doces e balas se amontoam nas ruas a atrair baratas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *