Proteção de Aras a Bolsonaro é generosa demais até para os padrões de aliado político

Aras avisa que vai aliviar para Bolsonaro, mas é o que insinua que preocupa  - 20/01/2021 - Poder - Folha

Augusto Aras atua como um “leão de chácara” do presidente

Bruno Boghossian
Folha

Em fevereiro de 2018, o diretor da Polícia Federal disse que o inquérito sobre pagamento de propina a Michel Temer por empresas do porto de Santos seria arquivado. A investigação ainda corria, mas Fernando Segovia tentou livrar o presidente. A tentativa de blindagem pegou tão mal que, antes do fim do mês, o Planalto precisou demiti-lo.

O engavetamento precoce vendido por Segovia naquele caso não chega aos pés do habeas corpus preventivo que Augusto Aras ofereceu a Jair Bolsonaro na terça-feira (19). Sem que ninguém perguntasse, o procurador-geral afirmou em nota que a responsabilização por “eventuais ilícitos” cometidos pela “cúpula dos Poderes” é de competência do Legislativo.

FOI UM AVISO – Na prática, Aras avisou que não pretende investigar Bolsonaro pela negligência do governo na pandemia. Para não se indispor com o presidente que o indicou para o cargo e que acenou publicamente com a possibilidade de nomeá-lo para o Supremo, o procurador pediu que os interessados nessa história batam à porta do Congresso.

A salvaguarda concedida a Bolsonaro é generosa até para os padrões de um aliado como Aras. O procurador-geral tentou dar uma cor unicamente política às acusações contra o presidente. Ignorou que há indícios de crimes comuns praticados pelo governo federal na omissão de socorro a Manaus e na sabotagem à vacinação contra a Covid-19.

Na nota, Aras afirmou também que o estado de calamidade pública dos tempos de pandemia “é a antessala do estado de defesa” –uma medida de exceção que pode ser tomada pelo presidente, mas que não deveria estar no horizonte de ninguém.

AMEAÇAS AUTORITÁRIAS – A ideia do procurador-geral era desenhar a tensão que seria provocada por um processo contra Bolsonaro. Mas o texto revelou mais do que isso.

Aras basicamente disse que o presidente está protegido por seus próprios impulsos radicais: quando se sentir ameaçado por investigações, basta estimular os extremistas que o cercam e ameaçar o país com medidas autoritárias para ficar a salvo.

4 thoughts on “Proteção de Aras a Bolsonaro é generosa demais até para os padrões de aliado político

  1. Aqui na TI tem muitos textos que destorssem completamente os fatos. Já pensaram se pelas barbaridades que JB já falou e fez o PGR deveria atuar? Não ia ter tempo nem para ir ao banheiro!
    É óbvio que qualquer pedido de impeachment tem que iniciar na Camara. Quem não sabe disso?

  2. Estamos em um país democrático sob as formas das leis, ou estamos em um recinto de bandoleiros?
    Esses dois deveriam se casar para morarem juntos e fazerem mais senvergonhices às escondidas porque às claras já fizeram todas.
    O povo brasileiro paga com sua extrema miséria a canalhice desses homens publicos que não tem altura para representar os anseios da sociedade.
    Imfelizes que são não servem para nada, a não ser dar prejuízos enormes ao Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *