PT ainda apóia Dilma, mas os candidatos querem distância dela na campanha

Haddad teme que Dilma atrapalhe a campanha em São Paulo

Catia Seabra
Folha

Embora dirigentes do PT duvidem das chances de o partido voltar ao Palácio do Planalto neste ano, o presidente do partido, Rui Falcão, divulgou nesta segunda-feira (1º) uma nota em que diz “repudiar” a ideia de que o partido teria abandonado a presidente afastada, Dilma Rousseff.

Na nota, publicada no site do partido, Falcão diz que o partido “reafirma seu compromisso integral na luta pelo retorno à Presidência da companheira Dilma”.

Apesar da manifestação pública, integrantes da cúpula do PT reconhecem “uma fadiga” para a defesa do mandato de Dilma.

Nas palavras de um deles, ninguém acredita numa mobilização capaz de levar Dilma de volta à Presidência, nem nas chances de vitória no Senado Federal. Nesta terça (2), o Senado retomará a análise do julgamento do impeachment, que deve começar a ser votado em plenário no dia 29 de agosto.

DILMA ATRAPALHA – Dirigentes do partido ouvidos pela Folha afirmam que, se aprovado o afastamento definitivo de Dilma da Presidência, ela não deverá participar de campanhas eleitorais, dedicando-se à sua própria defesa.

Petistas admitem também que a imagem de Dilma poderá prejudicar candidatos do PT nas eleições municipais. O partido deverá se reunir nesta semana para discutir se ela terá alguma aparição na propaganda eleitoral dos candidatos. O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, é um dos que resistem à ideia de contar com Dilma em sua campanha à reeleição.

Mesmo após um movimento de aproximação de Dilma com o partido, petistas ficaram contrariados com o fato de, em entrevistas recentes, ela responsabilizar o PT pelo suposto pagamento ao marqueteiro João Santana com recursos de caixa dois. Para dirigentes do partido, Dilma poderia se eximir de responsabilidade, mas deveria evitar transferi-la diretamente ao partido.

INVENCIONICES – Na nota publicada no site do PT nesta segunda, Falcão chama de “invencionices” informações sobre o suposto abandono de Dilma. Falcão diz que essa é uma “versão forjada” pelo que chama de apoiadores do golpe interessados na “continuidade do governo usurpador” e por “setores da mídia monopolizada”.

“O PT repele e desmente mais esta invencionice, sustentada por fontes anônimas, e reafirma seu compromisso integral na luta pelo retorno à Presidência da companheira Dilma”.

O secretário nacional de Formação do PT, Carlos Henrique Árabe, afirma, porém, que o partido “deve escolher que caminho tomar dentro de uma derrota: a conciliação, preparando-se para 2018, ou o combate ao golpe, reivindicando novas eleições”.

8 thoughts on “PT ainda apóia Dilma, mas os candidatos querem distância dela na campanha

  1. O problema do Haddad em Sampa é ele mesmo e Marta, assim como Temer é o problema de Dilma em Brasília. O terceiro maior orçamento do país nas mãos e não diz a que veio, e pode acabar perdendo para gente pior do que ele, se não acordar em tempo.

  2. Prevendo a derrocada eleitoral do PT, há 14 meses o Nero de São Bernardo mandou os petistas trocarem de siglas, se diluírem em outros partidos e passarem a propagandear o Maluf do PT, o Cincharrão Ciro Gomes.
    No Rio de Janeiro eles já se diluíram em 3 partidos diferentes, agora, se o Haddad perder milhares de boquinhas sumirão, basta ver que a sua prefeitura virou uma espécie de cemitério político de não eleitos.

  3. Nada a ver, gente. Segundo os petistas o povo adora dilma. Tanto assim que em todos os protestos pelo Brasil a fora, sempre tem mais manifestantes contra o impiche do que a favor. Assim, é mais do que natural, é até estratégico que o partido queira que ela faça propaganda dos seus candidatos nos palanques e na televisão. Aguardem pra ver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *