PT luta desesperadamente contra a cassação de André Vargas

Vargas, o amigo do doleiro, quer ser prefeito

Isabel Braga
O Globo

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara rejeitou a anulação do processo de cassação do deputado André Vargas (sem partido-PR) no Conselho de Ética da Câmara. O parecer do deputado Sérgio Zveiter (PSD-RJ), negando o pedido de Vargas, foi apresentado no início de setembro, mas só ontem, depois de seis adiamentos na votação, a CCJ conseguiu votá-lo. O parecer de Zveiter foi aprovado em votação simbólica, com o voto contrário de apenas 9 deputados, oito deles do PT. O processo segue agora para a Presidência da Câmara, que tem a atribuição de pautar a recomendação do conselho pela cassação do mandato no plenário da Casa.

Votaram contra o relatório e a favor de que o processo fosse refeito pelo Conselho de Ética os seguintes deputados: José Mentor (PT-SP), José Guimarães (PT-CE), Décio Lima (PT-SC), João Paulo Lima (PT-PE), Emiliano José (PT-BA), Nelson Pellegrino (PT-BA), Geraldo Simões (PT-BA), Francisco Chagas (PT-SP) e Marcos Medrado (PSD-BA). O PT liberou a bancada e outros deputados do partido na sessão, entre eles o deputado Luiz Couto (PB) e Alessandro Molon (RJ) concordaram com o parecer de Zveiter.

RECURSO AO SUPREMO

O advogado de Vargas, Michel Saliba, disse que a tendência é judicializar o processo, com Vargas recorrendo ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a condução do processo no Conselho de Ética. Segundo ele, Vargas e a defesa tinham expectativa de vitória na CCJ.

Para o relator do recurso, Zveiter, Vargas pode recorrer, mas a CCJ reconheceu que a condução na Conselho de Ética atendeu aos preceitos legais e constitucionais:

O deputado José Mentor (PT-SP) leu voto em separado em que defende a volta do processo de Vargas ao Conselho de Ética, o que inviabilizaria a votação do processo de cassação ainda este ano no plenário da Casa. Vargas era filiado ao PT e foi eleito vice-presidente da Câmara.

Depois que foram divulgadas notícias sobre seu envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava-Jato, ele renunciou ao cargo de vice-presidente e, pressionado pelo PT, desfiliou-se do partido para evitar maiores estragos durante a campanha eleitoral da presidente Dilma Rousseff. Vargas, no entanto, conta com o apoio de alguns colegas do PT na luta para manter o mandato.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGA intenção do PT é claro. Está atrasando ao máximo a decisão, para evitar que Vargas seja cassado e perca os direitos políticos. Os petistas querem que ele seja candidato a prefeito no Paraná, em 2016. Pouco se importam se é corrupto ou não. Mas há exceções: os deputados petistas Alessandro Molon e Luiz Couto honraram seus mandatos e votaram pela cassação do amigo do doleiro. (C.N.)

6 thoughts on “PT luta desesperadamente contra a cassação de André Vargas

  1. Eu ,se fosse parlamentar lutaria pelo Pelotão de Fuzilamento em Praça Pública.
    Com um adendo, devolução total do dinheiro roubado dos cofres públicos.
    A família do corrupto, seria doado algumas “carroças” para poderem sobreviver com o lixo reciclado das ruas.

  2. Na realidade, PT e seus aliados lutam desesperadamente contra a cassação de André Vargas para que desta maneira ele permaneça de boca fechada. Principalmente depois da delação premiada do doleiro e outros.

  3. O site do advogado americano Jason Coomer possui uma seção específica para processos de delação de corrupção do governo brasileiro. Coomer encoraja internautas que “tenham conhecimento de contratos fechados por meio de suborno ou contrapartidas ilegais” a entrar em contato, pois as recompensas previstas na legislação dos Estados Unidos variam de 10% a 30% do valor do suborno e de possível superfaturamento.

    Apesar de ser uma publicação que precede as revelações da operação Lava Jato, a Petrobras já era um dos principais alvos de Coomer, pois ao combinar as enormes reservas de petróleo e gás com investimentos estrangeiros diretos, a estatal faria do Brasil o quinto maior produtor de petróleo do mundo, atrás apenas da Rússia, Arábia Saudita, EUA e Irã.

    O site afirma que o Brasil é um dos países que atrai muitos investidores internacionais e “essa ferrenha competição combinada com o histórico brasileiro de corrupção no governo será um teste para inúmeras leis anti-suborno”.

    Como forma de incentivar delatores, Coomer lista várias companhias ligadas à indústria do petróleo condenadas pela lei anti-corrupção nos EUA, bem como os valores dos respectivos acordos selados junto à Securities and Exchange Comission (CMV americana). Confira abaixo a lista e os valores pagos nos acordos.

    Panalpina – Subornou autoridades na Nigéria, Angola, Brasil, Rússia e Cazaquistão. US$ 81,9 milhões
    Pride International – US$ 56,1 milhões
    Royal Dutch Shell – US$ 48,1 milhões
    Transocean – US$ 20,6 milhões
    Noble Corporation – US$ 8,1 milhões
    Tidewater – US$ 7,5 milhões
    GlobalSantaFe – US$ 5,8 milhões

  4. Os membros do PT (Partido dos Trambiqueiros) votou em massa em apoio ao colega de ofício André Vargas.

    Até o José Guimarães (PT-CE), o popular “Zé da Cueca”, ferrenho defensor da censura dos meios de comunicação.

    E agora, como vai ficar a coisa ?

  5. Este sujeito é mesmo cara de pau, todos sabem que está envolvido até a alma com o doleiro e fica se esquivando para não ser cassado e perder a boquinha, é vergonhoso termos um congresso como este, salvo exceções que continuam tentando moralizar esta casa.

Deixe uma resposta para só copiando Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *