Quais serão os reflexos das revelações de Paulo Roberto Costa na campanha eleitoral?

Pedro do Coutto

Esta é a pergunta que se faz neste momento em que as revelações do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa alcançam enorme repercussão na imprensa e na mídia em modo geral. Isso a partir da reportagem que a revista Veja publicou na edição de sábado que se encontra nas bancas. Na proposta que formulou de delação premiada com a redução de sua pena, Paulo Roberto Costa relacionou nominalmente diversos políticos importantes como envolvidos no esquema de corrupção que funcionava na Petrobrás e incluía grandes empresas empreiteiras.
O episódio vem comprovar que campanhas eleitorais não se decidem somente com base em projeções estatísticas frias e baseadas em números de eleições anteriores e a transferência possível de votos de um candidato para outro. Nada disso. De repente explode um fato imprevisto capaz de alterar o rumo dos confrontos. Não quero com isso dizer que a atitude do ex-diretor da estatal vá influir na conquista ou perda deste ou daquele candidato em matéria de intenções de voto nas urnas de outubro. Daí porque coloco a pergunta, cuja resposta as próximas pesquisas do Datafolha e do Ibope irão responder.
Vamos nos próximos dias entrar na reta final da campanha cujo início verifica-se sempre a duas semanas do pleito. É quando as disputas assumem o caráter de competição esportiva e atingem a emoção dos eleitores e eleitoras. Nesse período valem pouco os resultados anteriores revelados pelas urnas de quatro anos atrás, destacando-se a importância do desempenho dos três candidatos reais ao Palácio do Planalto ao longo do horário eleitoral gratuito e dos debates que vão se desenrolar nas emissoras de televisão.
DEBATE NA TV GLOBO
Entre esses debates ressalte-se o peso do confronto a ser promovido pela Rede Globo na noite de 3 de outubro, 48 horas antes das urnas do dia 5. A audiência, pela força do canal, será elevada e a avaliação dos eleitores sobre o desempenho de Dilma Rousseff, Marina Silva e Aécio Neves poderá se tornar decisiva para a escolha dos dois finalistas no confronto marcado para 26 de outubro.
Os demais candidatos, está evidente, não possuem a menor chance de se aproximar dos três primeiros, mas terão que ser convidados a participar, em pé de igualdade, pelo que determina a lei eleitoral, lei 9504/97. Neste ponto cabe uma explicação: são 11 as candidatas e candidatos, porém a lei condiciona a obrigatoriedade de participação nos debates ao fato de serem eles de partidos que possuam representação no Congresso Nacional. Caso contrário a determinação não se estende a eles. Por este motivo os debates realizados até agora na Rede Bandeirante e no SBT reuniram somente 7 candidaturas.
Enfim, este é o quadro que se apresenta como decisivo no final da atual campanha. A escolha para o segundo turno vai depender do desempenho de Dilma, Marina e Aécio no primeiro.

9 thoughts on “Quais serão os reflexos das revelações de Paulo Roberto Costa na campanha eleitoral?

  1. Dos reflexos correntes, o mais patente, é a perda do ganha-pão de profissionais que fazem trabalhos gráficos na mídia: chargistas, cartunistas, espantalhistas, caretistas, mascaristas e outros. Tudo porque, a mais cotada a ser presidenta da república, não vai precisar de desenhos satírico para representar a sua figura teratológica. A simples fotografia já reproduz a sua vera-effigie ou a própria caricatura. Tadinho do Frankenstein!

  2. Sem qualquer dúvida, as revelações do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa – ficaria mais adequado que tirássemos o “Roberto” de seu nome, chamando-o de Paulo Costa, abreviadamente e por analogia, PC, o PC do PT – alcançaram enorme repercussão na imprensa e na mídia em modo geral.

    Porém, talvez não tenha atingido aquela massa de eleitores beneficiários do “bolsas tudo), pois estes, pelo que sabemos, não leem jornais. Usam-no para higiene pessoal.

  3. Apos a DELAÇÃO PREMIADA de Paulo Roberto Costa
    DILMA manda pra escanteio o coordenador da campanha RUI FALCÃO e coloca em seu lugar MIGUEL ROSSETTO.

    Em janeiro de 2015 Dilma volta a residir em Porto Alegre.
    Alô gauchos mandem ela de volta para BH.
    Alô mineiros mandem ela de volta para a Bulgária.

    • Veja onde chegamos ! Em plena eleição sobram marqueteiros e faltam criminalistas! Mai uma obra do Plano de Aceleração da Corrupção ! (…)…
      Acredite: as revelações de Paulo Roberto Costa sobre os esquemas na Petrobras provocaram um fenômeno neste fim de semana. Não havia advogado criminalista disponível para contratação pela turma que prevê encrencas pela frente.

      Empreiteiras e prestadoras de serviço da Petrobras eram os clientes mais aflitos, além de alguns graúdos da política.

      A menos de um mês das eleições presidenciais, ocorreu um fenômeno curioso: os criminalistas são mais procurados do que os marqueteiros, que já viveram dias de mais prosperidade.

      PRC vai virar uma espécie de o patrono dos criminalistas, ou, quem sabe, o governo petista importa uns criminalistas cubanos e institui o Mais Criminalistas para tentar atender a tanta demanda…

      Por Lauro Jardim

    • Delmiro
      mas parece, só parece, que tem uma parcela do povo brasileiro que adora ladrões.
      Olha que com tudo que vem acontecendo desde 2005 – lá se vão 9 longos e tenebrosos anos, como tem gente elegendo e reelegendo petistas.
      A Dillma tem muito voto para os resultados de seu desgoverno. É uma gangorra de mentiras, de falsidades, de enganações.
      Em países de primeiro mundo, podem até meter a mão mas com mais categoria. E quando são descobertos, bem, ou vão presos ou se matam.
      Se o suicídio de políticos e agentes públicos pegasse aqui, seríamos os campeões.
      Delmiro, infelizmente tem gente que adora ser enganado, de todas as maneiras. E ainda não temos vacina para isto!
      Abraço e saúde.

  4. Primeiro o MENSALÃO, escândalo originário da compra de votos de parlamentares no Congresso Nacional.
    Agora o PETROLÃO, nome dado ao escândalo originário na Petrobras por um jornalista blogueiro.

  5. De repente, me veio uma dúvida que gostaria de dividir com colegas da Tribuna.

    Nos governos FFHH, o PT fez uma oposição “ferrada”, agressiva, permanente. E é um direito da oposição. Queria CPI para tudo. Denunciava tudo. Todos eram ladrões, vendilhões da pátria e dilapidadores do patrimônio público. Bilhões sumiram, foram para paraísos fiscais e tudo mais.

    Amanhã na oposição – e estará lá se Deus quiser, o PT poderá retornar ao papel de justiceiro? Se assumir tal missão, cobrará alguma coisa?

    Diante de tanta sacanagem que fizeram em 12 anos, não há uma área do setor público que não esteja contaminada.

    Se cobrarem e forem atendidos, farão o que? Vão investigar seus próprios atos? Vão cobrar o que e de quem? Que coisa mais maluca!

    Consegui me fazer entender?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *