Quando o coração do homem bate no meio da mata 

Jatobá faz exaltação da natureza

O arquiteto, publicitário, artista plástico, designer, diagramador, arte-finalista, cantor e compositor baiano José Carlos Augusto Jatobá,  na letra de “Homem Arvoredo”, transforma-se num vegetal para chamar à atenção dos problemas ecológicos que atingem as florestas e,consequentemente, o próprio ser humano. A música “O Homem Arvoredo” foi gravada por Augusto Jatobá no LP Matança, em 1992, pela Gravadora Estúdio de Invenções.

O HOMEM ARVOREDO
Augusto Jatobá                                                                                     

Desceu a serra, na solidão.
E em plena terra, parou num trecho.
Curvou as pernas, beijou o seixo.
Depois ergueu-se, olhou pro céu.
Agradeceu a seu irmão…

Tanta emoção, ao sol os conviveu.
No fim da tarde do seu sertão.
Pra seu consolo calou o sereno.
E tão pequeno plantou-se ao solo.
Sentindo dó seu próprio peito.
De tão desfeito de tanto amor.
Aos seus leais, grãos e sementes caroços germes.
Dos cereais.
E assim então, abriu-se o chão.
Tal como aos grãos, cobriu seus pés.

Como fosse um vegetal.
Nasceram raízes.
Todos lá no matagal.
Ficaram felizes.
Suas pernas tronco, como o tronco do carvalho
Fortes braços galhos, e as suas mãos folhagens.
Cada vez mais cego se entregava ao vento.
e com tanto afago como quem se adentrou
Vendo seu trabalho, já não tinha medo
E em plena harmonia.
Com a mata fria.
Foi se transformando num grande arvoredo

E no coração da mata não
Carece invoca então seu nome
Pra nosso maior sossego irmão
Bate o coração do homem…  

          (Colaboração enviada por Paulo Peres – site Poemas & Canções)

One thought on “Quando o coração do homem bate no meio da mata 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *