Que venham logo os 6 mil médicos cubanos

Antonio Rocha

Quanto mais melhor! Escrevo como paciente. Respeito muito os médicos brasileiros. Reverencio bastante a medicina nacional. Tenho na família três renomados médicos; mas por motivos religiosos e ideológicos não tenho plano de saúde e frequento, há mais de seis décadas os hospitais públicos.

Sou budista, creio no renascimento/reencarnação, deste modo,  tudo o que nos acontece está na esfera dos carmas (positivo e negativo), assim, quando uma pessoa morre é porque chegou a hora dela, ninguém desencarna nem antes nem depois. O mesmo com as doenças, desde uma picada de mosquito,  segundo o Budismo, tudo tem a ver com o carma que pode ser desta vida ou vidas anteriores. É um assunto matemático, o carma é uma ciência exata. Também conhecido como Justiça Divina.

É muito desagradável, para falar o mínimo, uma pessoa chegar enferma em um hospital público e não ter médico para atende-la ou ter de esperar horas numa fila…

Neste sentido, ponto para o PT, que venham logo os médicos cubanos. Os já (im)pacientes não querem saber da nacionalidade do médico, a sua ideologia ou se são espiões, como já foi aventado em outro local, querem fazer o tratamento.

O Brasil é um país internacionalizado. Se temos laboratórios farmacêuticos de outros países, por que não podemos ter médicos cubanos?

Me fez lembrar uma parábola do Buda. Quando a pessoa é ferida por uma flecha ela não quer saber se a ponta da flecha é de madeira, de pedra ou de ferro, ela quer é se tratar e se curar.

PRAGMATISMO

O povão, a massa que frequentam hospitais públicos são pessoas objetivas, práticas, pragmáticas; novamente ponto para o ex-presidente Lula que implantou o pragmatismo em terras brasileiras. O paciente não vai querer saber se o médico cubano é comunista ou não, ele vai querer se tratar.

E se os médicos cubanos fossem tão ruins como falam os adversários, Cuba não mais existiria, toda a população já estaria morta.

Repito: tenho profundo respeito pelos médicos brasileiros. Se eles não podem ir para cidades pequenas ou áreas periféricas, qual é o problema de enviarmos para lá os médicos cubanos? Garanto que os brasileiros ficarão muito agradecidos. Eu idem. Simples assim.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

14 thoughts on “Que venham logo os 6 mil médicos cubanos

  1. Pois é, os brasileiros pobres e carentes merecem os médicos de segunda, ou terceira, ou quarta linha de Cuba. Com certeza, os cubanos sabem operar verdadeiros milagres da medicina, operando sem infraestrutura, sem instrumentos, sem anestesia e sem remédios!!!
    Querem fazer no Brasil o que fizeram na Venezuela, infiltrar um monte de agentes cubanos no campo e nas áreas carentes.
    Vocês acreditam, MESMO, que um país com onze milhões de habitantes tem 6.000 médicos sobrando para atender ao Brasil, fora os outros tantos que foram para a Venezuela e alhures?

  2. Se fosse na Década de 60, auge da Guerra Fria, tempos de esperança em Soluções Radicais, a vinda de 6.000 Médicos Cubanos para o Brasil, seria complicado. Mas hoje, em que Cuba vive tempos de “Lineamentos de la Política Económica, y Social del Partido y de la Revolución”, sob a Presidência de Raul Castro, e que delineia o retorno da Economia Cubana ao Regime de uma Economia de Mercados Bem Regulados, tendo como motor a Empresa Privada, temos mais é que aproveitar logo, antes que os Salários dos Médicos Cubanos atinjam a média mundial, e não tenhamos mais condições de contratá-los. Já se foi o tempo dos Barbudos. Abrs.

  3. Quanta barbaridade!Que raciocínio tosco! Que parâmetros chulos e sem civilização! Quanta expectativa depositada nas mentiras.

    Resumo: simplória aberração, “implantada” nas terras brasileiras por quem entende de aberrações nada simplórias!

  4. Nem mesmo o Brasil, com sua quantidade de escolas de medicina, teria como dispor de 6000 médicos para enviar a outro país. Cuba, com suas duas escolas, onde arranjará tanta gente? Não sabemos se existem tantos médicos atuando em Cuba. Certamente seriam providenciados “diplomas” às pressas para atender tanta demanda. Prova neles!

  5. Quanta desinformação. Quantos comentários toscos. O número é esse
    mesmo. Para atender a populaçaõ necesitada por este país afora. Nossos
    gloriosos médicos só querem ficar no sudeste/sul e nos grandes
    centros, para isto desfilam as maiores desculpas esfarrapadas.
    A “importação” de médicos é urgente, e pelo que li e ouvi, a busca se da em Cuba, Portugal, Espanha e França. Enfim esta prática e universal.
    Deveria ser lei: todo médico formado em universidades públicas terria que obrigatoriamente por determinada período prestar serviço onde o
    ministério da saúde indicar, afinal todos nós custeamos a formação deles.

  6. Me perdoem, mas que texto tosco. A questão não é se os médicos são cubanos, russos ou chineses. Uma das principais queixas do CRM é quanto ao governo querer trazer estes médicos sem ao menos realizarem o Exame de Revalidação. Isso é o mínimo que deveria ser feito para se verificar a qualidade destes médicos. E do que adianta colocar esses médicos em comunidades remotas sem nenhuma infraestrutura? O médico sozinho faz milagre? Porque faltam hospitais, faltam postos de saúde, faltam equipamentos para realização de exames, faltam medicamentos. Vão colocar esses médicos no interior e eles vão continuar colocando os pacientes dentro de uma ambulância da prefeitura e mandando para as capitais. O problema no brasil não é a falta de médicos, temos 1,8 médicos por 1000 habitantes, quando o recomendando pela OMS é 1 médico para cada 1000 habitantes. O problema é justamente a falta de infraestrutura e um plano de carreira para que estes médicos tenham interesse em trabalhar no interior.

  7. Lafer, Nélio, Darcy!!! Estou com vocês. Na região amazônica morrem mulheres grávidas aos milhares por:
    1) Total desconhecimento do que podem significar alguns sintomas (que se revelam mortais)
    2) Viajam em ônibus caindo aos pedaços, vindas de localidades distantes para Belém/Pará. Muitas morrem durante a viagem, outras já chegam em condições mais do que precárias.
    3) A Técnica em Enfermagem Marcia Simão Carneiro (paraense) tem um trabalho de centenas de páginas sobre o criminoso descaso para com as grávidas daquela região. Estive com tudo em mãos. Apresentou soluções. Foi promovida, ocupa atualmente uma diretoria lá. Para milhares de mulheres grávidas amazônicas … a morte do bebê é certa, e a delas é quase.
    4) Será que o ódio do ser humano, sua revolta (justificada) para com a ditadura cubana é tão intensa, que deveríamos negar socorro a toda aquela gente? Só porque são cubanos, ou de qualquer outra nacionalidade?
    5) Segundo tenho lido, há dois mil médicos cubanos no Haiti, ajudando, sem remuneração alguma.
    6) Aqui na Fundação Ataulpho de Paiva (em São Cristóvão), dezenas de rapazes cubanos vêm nos dar orientação sobre “vacinas”. Conheci vários deles. Aqui vêm … fazem seu trabalho … e retornam, felizes com o serviço que prestaram.
    7) Que venham médicos cubanos, chineses, coreanos, que venham!!! Os necessitados agradecerão!!!
    Ei, você, que tem ódio no seu coração: liberte-se disso!!! Continue com suas posições e compreensões políticas!!! Tudo bem!!! Mas … permita que os deserdados de tudo tenham um pouquinho de atenção. Misericórdia!!!

  8. O mesmo Molusco, digo Lula, não fez um planejamento para formar profissionais, realizar convênios com instituições privadas com concessão de bolsas de estudos e financiamento público, bem como, ainda, a adoção de dedução de imposto de renda para aqueles que dedicarem para também atuar na Saúde Pública de locais afastados. Tudo é questão de planejamento. Mas não. O Molusco, digo Lula, e quando não estava pensando em reeleição ou colocar um sucessor lá, estava ocupado o tempo falando do Corinthians.

  9. Envio de texto para POSTAGEM

    A SAÚDE EXIGE MAIS PROCEDIMENTOS ELETIVOS E MENOS GAMBIARRAS EMERGÊNCIAIS

    O governo do PTMSDB, no poder há quase 20 anos, poderia ter investido mais nos cursos de Medicina, criando vagas, fornecendo estrutura, apoiando os alunos que abandonam os cursos devido a dificuldades financeiras.

    Sou estudante de Medicina e sei bem do que falo. O curso de Direito que fiz foi muito mais simples, o exame de ordem foi uma banalidade, não é a toa que temos tantas faculdades de Direito no Brasil, eu conseguia trabalhar em dois empregos, sustentando família e estudando sozinho nas conduções, tendo me formado com louvor e com uma excelente formação autodidata.
    Infelizmente a formação médica nas faculdades sofre com a falta de estruturas mínimas tais como microscópios, ambientes adequados para realizar dissecações, elevadores e acessibilidade para alunos portadores de deficiências físicas, monitorias, bibliotecas. A cola é generalizada e até estimulada, pois a memorização é exigida em nível mais intenso do que o raciocínio.

    Muitos temem a concorrência estrangeira, mas a grande questão não deve ser a quantidade. Creio na qualidade.
    É indispensável a realização de um exame de ordem para todos os profissionais da área de saúde, assim como é feito com os advogados. Defendo até que esse exame seja exigido em etapas teóricas e práticas e de modo frequente, sob pena de se perder a habilitação para atuar, exigindo assim o estudo, o aprimoramento e a atualização constantes.

    Queremos mais vagas e mais estrutura nos cursos de Medicina. Mais exigência para que os maus profissionais não continuem atuando de maneira irresponsável, visto que o interesse público primário exige tal limitação para o bem da coletividade.

    Estudar é preciso. Queremos gente realemnte qualificada para cuidar da nossa saúde.

Deixe um comentário para Danilo Albernaz Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *