Queda da popularidade de Dilma tem várias causas

Pedro do Coutto
Reportagem de Valdo Cruz e Natuza Nery, Folha de São Paulo de domingo, revelou que pesquisas assinadas pelo Palácio do Planalto apontaram, em abril, uma queda de 10 pontos percentuais na popularidade da presidente Dilma Rousseff. O aumento da inflação seria a causa, especialmente a partir da alta dos preços da alimentação. Nos supermercados e principalmente nos restaurantes de todos os níveis. O fenômeno preocupou o governo – acentua a matéria – sobretudo em face da reeleição nas eleições de 2014.

Uma queda de dez degraus é muito grande, mesmo numa faixa de 53 pontos que, segundo o Datafolha e o IBOPE, que era a marca de sua aprovação. Dir-se-á que 43% é uma margem muito favorável para que, no poder, sem necessidade de se licenciar, vai às urnas buscar um segundo mandato. É verdade. Entretanto não é só esta a questão. O aspecto dominante em pesquisas não são somente os números, mas sim as tendências. A tendência numa direção ou outra é verificação essencial.

Quando um candidato sobe, é difícil conter a ascensão. Às vezes não dá tempo de levá-lo à vitória. Mas a tendência fica assinalada. Vejam os leitores, por exemplo, o caso da Venezuela: Maduro a dez dias do pleito tinha 12 pontos de vantagem. A vantagem caiu para 7, desceu a 5, terminou parando em 2 pontos. Sem discutir as controvérsias surgidas, mais um dia apenas ele perderia para seu opositor, Ardiles. Pois a tendência mantinha-se uniforme numa direção. Mesmo com a máquina pública na mão, Nicolás Maduro não conseguiu contê-la.

INFLAÇÃO
Identificando a alta de preços como a única causa do desgaste a presidente da República concentrou-se no combate  à inflação. Não creio que seja o único motivo para o recuo de sua popularidade. Influi, mas não é o único fator. O episódio da votação da Medida Provisória dos Portos mostrou à opinião pública a existência de uma falta de coordenação tanto política quanto administrativa. Não atingiu, claro, o povão. Porém setores da classe média e a redução da popularidade nesses segmentos refletem no índice global. Isso acontece em qualquer pesquisa de opinião. Outro fator que deve ser considerado foi a tentativa de impedir, sem necessidade efetiva, a criação de novos partidos. Porque a presidente Dilma Rousseff deve temer a perspectiva de uma nova candidatura da ex-senadora Marina Silva? Não se encontra uma explicação lógica.

O lançamento da candidatura do senador Aécio Neves, isso sim, influi na popularidade da presidente, já que o tucano vem pautando seus pronunciamentos com base em críticas ao governo. O mesmo ocorre relativamente ao governador Eduardo Campos, embora não possa contar com seu próprio partido, PSB, para assegurar uma candidatura própria às eleições presidenciais. O que os estrategistas da campanha de Dilma temem é a continuidade da queda de pontos.

O problema, contudo, está mais na alta de preços do que complexidade inflacionária. O tema deve ser enfrentado pelo Ministério da Agricultura e Alimentação, através de estoques reguladores, não através do Banco Central. A alta de 0,5% nos juros pagos pelo governo aos bancos acarreta um aumento de despesa de 7,5  e não abrange os preços dos supermercados, nem das lojas de eletrodomésticos. Tampouco a redução do IPI, renúncia de receita, para venda de automóveis zero quilômetro. O problema está na alimentação, na moradia, nos salários.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “Queda da popularidade de Dilma tem várias causas

  1. Bom artigo, Sr. Pedro. É assim mesmo que vejo, é a minha opinião em seu artigo. Só faltou dizer que para aumentar os estoques reguladores de alimento o governo ter de instituir o imposto de exportação das commodities (grãos).

    Não há outro motivo para o aumento da Selic em meio ponto percentual que não seja para garantir a trajetória de queda da inflação no ano vidouro e a reeleição de Dilma.

    Segundo a declaração de um banqueiro, os bancos dividem os lucros da seguinte forma: 10% vem de títulos do governo e 90% com empréstimos à população. É sobre estes 10% que os bancos agradecem o aumento da Selic.

  2. O POVO ESTÁ PERCEBENDO QUE O GOVERNO DILMA/LULA SÃO INCOMPETENTES PARA CONTROLAR A INFLAÇÃO E QUE ESTÃO ENGANANDO O POVO BRASILEIRO COM MANIPULAÇÃO DOS ÍNDICES DE INFLAÇÃO.
    NOSSAS INDÚSTRIAS ESTÃO PERDENDO COMPETITIVIDADE, O SALDO DA BALANÇA DE PAGAMENTO É UM DOS MENORES DOS ÚLTIMOS ANOS.
    A DISPONIBILIDADE DE CRÉDITO ESTÁ AUMENTANDO ASSIM COMO O CONSUMO DE PRODUTOS PRODUZIDOS NA CHINA AFETANDO OS EMPREGOS AQUI NO BRASIL. Há PERDAS DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA E NO PODER DE COMPETIÇÃO DA NOSSAS INDÚSTRIAS E CONSEQUENTEMENTE PERDAS DE RECEITA NA EXPORTAÇÃO.
    PRECISAMOS DIVULGAR A TODOS OS BRASILEIROS ESTÁS INFORMAÇÕES POIS NUM PAIS DEMOCRÁTICO NÃO PODE IMPERAR SOMENTE O PONTO DE VISTA E A POLÍTICA GOVERNAMENTAL.
    ACORDA BRASIL!!!!!!

Deixe um comentário para Almério Nunes Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *