Quem é que vai pagar a fatura?

Sebastião Nery

Noite de 31 de março para 1º de abril de 1964, no palácio Iguaçu, em Curitiba. Todo mundo nervoso, excitado, ao pé dos rádios, ouvindo o noticiário para saber quem ia ganhar: o golpe ou o governo Jango.

O governador Ney Braga, major, do PDC (Partido Democrata Cristão), perplexo, tentava contatos, telefonava, sem saber que posição tomar. Pediu a Hosken Novais (depois, seu vice-governador) para escrever um manifesto revolucionário duro, “em favor da revolução”. E ao assessor Norton Macedo para fazer outro manifesto, moderado, legalista, para qualquer emergência.

Às duas da manhã, entra no gabinete, esbaforido, o diretor da revista “Panorama”, Jorge Curi, com uma pasta cheia de papéis. Ney imaginou que ele poderia ter notícias:

– Curi, como estão as coisas lá pelo Rio, Brasília, São Paulo?

– Sei lá, governador.

– Jornalista, pensei que você sabia de alguma coisa. E você, com quem você está? Está com a revolução ou com o Jango?

– Ora, governador, não estou com ninguém. Eu quero é saber quem vai, nesta confusão, pagar minhas faturas de publicidade.

E jogou um monte de faturas em cima da mesa. Ney saiu para ver como estavam os dois manifestos. Usou o de Hosken e mandou por 20 anos.

###
LESSA

Em 2005m estive em Curitiba, para um  encontro político. O dinâmico ex-prefeito e ex-ministro Rafael Grecca, que presidia a Fundação dos Amigos da Biblioteca Pública do Paraná, e o diretor da Biblioteca, professor Claudio Fajardo, me convidaram para participar de uma série de debates sobre toda essa lambança que está aí.

Antes de mim, falou  o ex-presidente do BNDES, Carlos Lessa, que resumiu:

“Um mês de pagamento de juros pelo governo corresponde ao gasto anual com todo o SUS. Quinze dias, ao gasto anual com Educação. Dez dias, ao gasto anual com o Bolsa-Família. Um dia, ao gasto anual com habitações populares. Um minuto, ao gasto anual com a defesa dos Direitos Humanos”.

Depois, foi a minha vez. Durante quase três horas, debati com centenas de jornalistas, dirigentes partidários e estudantes, o pântano em que o governo Lula e o comando do PT lançaram o País, quando optaram por cumprirem servilmente e agravarem a receita externa do modelo econômico neoliberal.

É pena ver hoje como está arrasada toda uma geração de generosos petistas, que conheço desde a fundação do PT e já desistiram. Mas muitos ainda lutam e confiam no amanhã, sem saber quem vai pagar a fatura.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *