Quem pediu voto no primeiro turno não pode pedir que ele seja nulo no segundo

PSol de Luciana acabou optando pela neutralidade no segundo turno

Pedro do Coutto

Reportagem de Simone Iglesias e Flavio Ilha, O Globo, edição do dia 8, focaliza com destaque a opção que estava atingindo o PSOL, entre defender o voto nulo ou apoiar Dilma Rousseff contra Aécio Neves. Um absurdo, não se definir por uma candidatura, o que é legítimo, mas por admitir um posicionamento no sentido da anulação do voto. A contradição essencial é flagrante, pois quem pediu apoio ao eleitor, e portanto recebeu votos a 5 de outubro, não tem autoridade moral, sobretudo lógica, para desejar que os mesmos eleitores esterilizem o sufrágio nas urnas do dia 26.

Colocada essa questão, podemos analisar a luta dos candidatos à presidência da República em busca de apoios partidários ou pessoais. O movimento sempre se repete de um pleito para outro, mas na minha opinião o que importa mesmo é a vontade de cada eleitor. As legendas não são proprietárias das diversas frações das sociedade refletidas na formação do eleitorado. Constituiria um outro absurdo se acontecesse isso. Na primeira fase, aí sim, proporcionaria maior ou menor tempo de acesso ao horário político na televisão e no rádio.

No segundo turno esse efeito desaparece. Cada candidato possui o espaço de 10 minutos nas telas e nos microfones. A igualdade predomina. Por este motivo, deve predominar também a liberdade absoluta de escolha por parte dos eleitores. Pessoa alguma tem vínculo de emprego ou obediência absoluta às decisões das cúpulas partidárias. Estamos numa democracia, regime cuja principal característica é a liberdade. Os partidos não são donos de nossos votos.

PROCESSO DE ESCOLHA  

O caminho para as urnas, assim, está aberto a todos, independentemente de comandos ou palavras de ordem, como também se chama o desejo que as chefias das legendas desejam manter em ação. Nada disso. O processo de escolha no turno final vai depender do desempenho de Dilma Rousseff e Aécio Neves a partir desta semana, nas apresentações de seus programas e nos debates que vão começar a ocorrer na próxima semana. O primeiro na próxima semana, na Rede Bandeirantes.

Com o confronto limitado a duas candidaturas, ao contrário do que aconteceu no primeiro turno, existirá espaço para formulação de políticas e de programas envolvendo setores essenciais à existência humana, como educação, saúde, saneamento, transporte e segurança, além do fator básico da residência. Este, na verdade, dependem muito mais da política salarial do que de concessões governamentais. Afinal de contas quem paga as prestações pela aquisição da casa própria.

E OS APOSENTADOS?

E falando na fundamental política de salários, cujo reajuste não pode perder para a inflação que atinge a todos, não se pode esquecer, nesta reta final, a situação dos aposentados do INSS. Afinal de contas são mais de 23 milhões de trabalhadores que contribuíram a vida inteira com valores mensais, e que, no momento em que se aposentam, não podem passar a receber importância menor do que aquela sobre a qual desembolsaram suas contribuições ao longo de 30 ou 35 anos, de acordo com o que determina a Constituição Federal.

Se ninguém pode ter seu salário diminuído quando em atividade, não pode sofrer o efeito inverso quando se aposenta. Deixo este tema para o debate final. Muito mais importante que as tentativas de transferência de votos.

17 thoughts on “Quem pediu voto no primeiro turno não pode pedir que ele seja nulo no segundo

  1. Essa Luciana não sei das quantas, filha do igualmente imbecil que governa o Rio Grande do Sul representa o que há de mais atrasado e ignóbil na nossa sociedade.

    Não pode haver canal para dar vazão às idéias de uma pessoa dessa que não tem nada a acrescentar ao debate sincero, altruístico e valoroso para a sociedade.

    É apenas mais uma inútil ocupando espaço na mídia.

    Quanto aos aposentados, segundo o último boletim estatístico do INSS, são 22,6 milhões de beneficiários da área urbana e 9,2 milhões de beneficiários da área rural, totalizando quase 32 milhões de beneficiários.

    O fator previdenciário serviu para reduzir as aposentadorias de quem já as recebia, assim como daqueles que passaram a recebê-las, de modo a estender o programa de benefícios ao setor rural com os recursos escaços da previdência.

    De qualquer modo, este é um vespeiro que algum governante terá de mexer. Não só na previdência, mas, em toda a seguridade social.

    O Congresso terá de ser chamado para votar leis que ampliem as fontes de financiamento da Seguridade Social – que engloba a Previdência Social -, pois, todo o sistema é deficitário e, por enquanto, no orçamento anual, os recursos que faltam são transferidos do orçamento fiscal. Ou seja, os recursos que faltam no orçamento deficitário da Seguridade Social, são supridos com o orçamento fiscal – recursos poupados com os gastos correntes da União com outros setores da economia.

    Tal desequilíbrio tem de ser corrigido por novas leis prevendo novas fontes de receita para o orçamento da Seguridade Social.

    Urgente!

    Até porque, não dá para corrigir as distorções causadas pelo fator previdenciário, ou seja, causar impacto co o aumento da despesa previdenciária, sem antes corrigir e aumentar as fontes da receita do sistema como um todo.

  2. Acabou de sair a pesquisa do Instituto Veritá. Ressalto que ele presta serviços à Secom da Presidência da República…(…)…

    247 – Uma nova pesquisa sobre o segundo turno da sucessão presidencial atribui ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) uma vantagem de quase dez pontos sobre a presidente Dilma Rousseff, do PT. Se as eleições fossem hoje, ele teria 54,2% dos votos válidos contra 45,2% de Dilma.

    A pesquisa foi registrada pelo Instituto Veritá, entre os diias 6 e 8 de outubro, com 5.165 eleitores de todo o País e registrada junto ao TSE sob o número BR-01067/2014.

    Na contagem de votos nominais, Aécio teria 42%, contra 36,1% de Dilma, enquanto 17,4 ainda estão indecisos e 4,5% votariam branco ou nulo.

    Na transformação dos votos nominais para votos totais, isso representaria 54,8% para Aécio, contra 45,2% de Dilma.

    Ontem, uma outra pesquisa, realizada pelo Instituto Paraná Pesquisas, também colocou Aécio na frente, mas por uma margem menor: 54% a 46%.

      • Wagner, bom dia. Os dados que publicaram foram esses:
        Pesquisa OPP – Eleições 2014
        Registro/TSE: BR-01067/2014
        Abrangência: Brasil
        Período: 06 a 08/10/2014
        Amostra: 5165 eleitores
        Margem de erro: 1,4%
        Realização: Instituto Veritá
        Contratante: Iniciativa Própria com recursos próprios
        Como tanto o site 247, como o Instituto trabalham para o governo, sei lá!

        • Ok, Virgílio. Estive olhado a droga do jornal Brasil-247, que é petista, financiado por petistas. Analisei a pesquisa que contém uma incorreção que é a respeito do erro de estimativa.

          Está subestimado. Não é de 1,4% mas de 2%.

          De qualquer forma, como a diferença entre Aécio e Dilma é grande – de 9% -, mesmo expurgando-se o erro de estimativa da diferença entre Dilma e Aécio, sobram 5% de vantagem real para o Aécio. E isto é fantástico.

          O que causa impressão é o fato de a pesquisa não estar registrada no TSE conforme pude constatar.

          Aguardemos.

  3. Schoss, será que o fidalgo candidato da burguesia e da Banca (Clubinho do Bolinha)., vai vestir a roupinha do Capitão América e acabar de entregar o restante do que sobrou d o Brasil para á Matrix.???
    Restou pouca coisa, mas vale alguns bilhãozinhos de dólares, PetrobraX, Banco do Brasil, Caixa Economica Federal e o Bolsa-Família…..
    E isso que a banca quer…

      • Virgilio, o Armando é mais um que está borrado de medo de perder a boquinha. Sabe como é, o cara faz tempo que não trabalha mas recebe o salário no final do mês. O pessoal dos sindicatos sabem muito bem como isto funciona. Veja o Lulla, desde os anos 70 que não faz nada, mas de pobre ele não tem nada. Aliá, ele é elite desde o tempo do sindicato.

        • Eles não vão querer largar o osso de maneira alguma. Enquanto um carteiro ganha em média R$ 1.500,00, os cumpanherus que são puxa sacos estão ganhando R$ 20.000,00. O Meneguelli que é semi analfabeto está no Sesi ganhando R$ 60.000,00 por mes. A Benedita da Silva tem 2 filhos pendurados na Uerj com R$ 13.000,00. A situação é tão vergonhosa que o presidente do PR/RJ, Quaquá , é prefeito de Marica, que tem 120 mil habitantes! Ele conseguiu colocar 30 secretarias, 3 a mais que na Capital. Não contente colocou ainda 59 subsecretarias e importou a filha regra 3 do Lula>

  4. Fora o preconceito, acho engraçado exigir q um partido (seja qual for) estipule voto a seus eleitores, como se fossem donos de currais. O simples fato de negar a determinado candidato q lhe seja outorgado voto, já é uma posição.
    Por não se ver representado tb pela outra parte, o partido sugere q fique a critério do eleitor a escolha.
    Finalizando, nenhum dos dois partidos q participarão do segundo turno irá ressarcir aos aposentados o assalto a que vêm sendo vítimas, muito menos se posicionarão a respeito. Muito embora, todos saibamos q o aumento do “deficit” da Previdência deve-se à sonegação de um sem número de empresas e ao aspecto social de amparo ao trabalhador rural. Este sim, causador do deficit.

  5. Considero uma grave contradição um político pregar o voto em branco ou nulo. Cheira a despeito, falta de fair-play democrático e sectarismo. Quer dizer que ela se julga a única a merecer votos? Ora, D. Luciana todos têm o direito de escolher o seu voto, mesmo aqueles que votaram em você.

  6. Penso que um determinado partido político não interfere na escolha de um candidato pregando voto nulo ou em branco. Só um eleitor de cabeça frouxa vai atrás dessas bobagens…
    Qto à Luciana, prefiro não comentar…

Deixe uma resposta para Paulo_2 Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *