Racionais, frios e digitais, estamos falindo afetivamente

Eduardo Aquino
O Tempo

Nestes loucos tempos, de invasão de descamisados na rica Europa, de guerra santa destruindo países e sociedades, da China virando bolha, peço um tempo para falar de algo que todos sentem, mas não sabem lidar: a falência das emoções e sentimentos.

E por que falar sobre esse tema? Talvez inspirado na absoluta indiferença que vínhamos apresentando, em meio a massacres, mortes, atentados, até que uma criança de três anos afogada solitária no mar das tragédias humanas teve sua imagem partilhada pelo mundo afora, levando a uma epidemia de solidariedade, compaixão, empatia. Aleluia!

Ainda somos humanos, resta a esperança de que em algum lugar dos nossos arquivos cerebrais podemos encontrar sentimentos positivos, ter comunhão de almas, entender que nosso planeta é uma comunidade interligada e composta por semelhantes, pessoas como nós, que sofrem com suas tristezas, angústias, medos, inseguranças, ciúmes, assim como se emocionam com as conquistas, se alegram com os bons momentos. Não importa, idade, sexo, raça, religiosidade, somos todos povoados pelos mesmos elementos universais que formam o corpo, cérebro, mente e alma.

FRIOS E DIGITAIS

Desgraçadamente, vamos acelerando nossos pensamentos, nos tornando racionais, frios, digitais. A lógica, o raciocínio, a mecanização de nossas vidas, hipnotizados pelas telas, viciados em eletrônicos, vai dia a dia atrofiando nossa afetividade. Cadê o colo para o filho pré-adolescente, o tempo ao ar livre para curtir com os filhos? O beijo apaixonado entre marido e mulher? Onde está a paciência no trânsito, a colaboração e paz no ambiente de trabalho? As reuniões de domingo entre família sem o uso de smartphones, iPads e coisas que o valham? E o diálogo franco, os casos engraçados rolando nos almoços familiares?

Se o nosso cotidiano é o “saco” de ter que ir a aula ou ao trabalho, como pretender ter um ambiente positivo, leve, prazeroso, em que passamos grande parte do nosso tempo? Ao contrário, tudo é estressante, pesado, cheio de tribos se digladiando. Ao final do dia, voltar para casa e se deparar com a mudez, mau humor, indiferença entre membros da família. Por isso, não é de se estranhar que depressão, pânicos, fobias, ansiedade generalizada (aquela que dá diversos sintomas físicos com exames normais) entre outras desordens mentais que hoje são epidêmicas, nada mais sejam que a falência do sistema límbico, o setor no cérebro que administra nossas emoções e estresse.

SOFRENDO POR ANTECIPAÇÃO

De tanto pensar acelerado, de tanto nos preocuparmos sem necessidade, sofrermos por antecipação, falimos nossa capacidade de sentir, de ter uma afetividade positiva. Temos o mundo na palma da mão, no celular que nos aplica um modo de vida cheio de modas e artifícios. No entanto, nunca vi tanta gente carente de amor, carinho, atenção. Falta tempo pro cafuné, para deitar no colo, chorar no ombro amigo. O saldo é um clima de fim de festa, sensação de estranheza, como se estivéssemos próximo de uma catástrofe mundial (alguns sinais são claros, povoam os noticiários diariamente).

Dito tudo isso, deixo a dica enquanto é tempo: por que não pensar em investir no aprendizado sobre o comportamento e relacionamento interpessoal no ambiente de trabalho, nas escolas, nas famílias? Somos o que há de mais nobre e divino. E, no entanto, viramos números e estatísticas, cada vez mais catastróficas.

3 thoughts on “Racionais, frios e digitais, estamos falindo afetivamente

  1. CORPOS SEM CENSURA……
    Nos últimos dias a cidade como outras de todo Brasil se deparam com fotos de mulheres que se despiram de sua intimidade e resolveram focacalizar várias poses sensuais, muitas, na intenção de provocar os sentidos mais voraz da raça humana o desejo sexual para seus amores.
    Muitas vezes a rotina de conversas nas redes sociais, onde pessoas não tem muitos argumentos começam as provocações pelas madrugadas a dentro……
    Os diálogos cada vez mais sem sentido tomam conta das conversas, mas nunca um assunto predomina , como o livro de Cecília Meireles, Machado de Assis, Graciliano Ramos……etc …etc… músicas como de Gilberto Gil, Caetano Veloso, Tim Maia, Cazuza, Raul Seixas ……etc …etc…
    Amores conquistados…..amores perdidos …juras de eternidade….. transcrevem realidade nua e crua dos relacionamentos……
    Crianças aderem ao amor cada vez mais cedo…com conivência muitas vezes dos pais que em seus discursos dizem que é melhor em casa do que na rua…….
    Não podemos colocar o lobo, para cuidar de nossas ovelhas……
    A juventude de hoje não conseguem cumprir com todas suas etapas da vida, não existe crianças…pré adolescente… adolescentes ……adultos….
    Desde muito cedo se deparam com um mundo consumista de vaidade …de chapinha no cabelo e vermelho batom….infâncias roubadas…
    Os meninos com o álcool….narguile e modinha da estação….depois droga…. Músicas sem letras..letras sem música…, porque jamais entenderam …..
    Jamais entenderão, porque o óbvio é difícil de conquistar……acordar cedo pra ir pra escola é um saco…. Não tem mais teatro não tem mais atração… a preguiça o tédio o desconsolo…..tornaram evidentes zumbis das noites sombrias …..chegam nas salas de aula com sono….vararam a madrugada com conversas vazias…… e nunca ninguém impôs horários de dormir…o que é isso….
    A sociedade procurando uma resposta, porque a culpa é do governo, do prefeito, do pastor, do padre,dos políticos…..e a minha culpa onde está…..
    Ficou na casca de banana que joguei na rua….na fila do banco que cortei…..na venda de meu voto por um favor insignificante….. na mentira que coloquei pra receber um benefício social, na discussão do trânsito que não tive paciência de esperar o sinal abrir…..
    Quantas vezes me importei com os problemas dos outros….quantas vezes orei para os refugiados….. da fome… da violência….. qual o tamanho de meu preconceito…. Quantas vezes fui ativo na sociedade que atuo… e quando atuo quero algo em troca…..
    Quantos livros li durante esse ano….qual o conceito que tenho sobre a inflação, sobre a crise que o país vive…isso não me interessa …porque não afeta a minha balada meus grupinhos de “amigos”…meu facebook, meu whatsapp…quando não tenho crédito mamãe e papai compram pra mim…
    Porque ficaram todos boquiabertos com fotos e mensagens, essa é a realidade de hoje…. Lixo eletrônicos circulam sem restrição alguma,para alimentar a língua da difamação..da falta de respeito com o próximo…nas esquinas e nos botecos da vida…..
    As oportunidades surgem, mas elas jamais irão até a sua casa e dizer que está a sua disposição…..a bíblia é de ontem.. hoje… e sempre ….e quantas vezes a abriu esse ano…… a vida é apenas uma cuide -a…respeite – a … valorize -a…..não a auto destrua …..
    Recomece quantas vezes for possível mesmo que esteja no chão …não desista …lute…busque….insista..persista…vá a luta…desprovidos de qualquer arma….apenas de sua fé e inteligência….
    Pois logo após a tempestade o sol brilhará para todos….sem exceção…..

    Edivaldo Aparecido de Oliveira ( Assistente Social )

Deixe um comentário para Antonio Rocha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *