Rayneres e Danilos

Arte

Tostão (O Tempo)

Por causa de más atuações e da força do Olimpia-PAR em casa, o Fluminense corre grandes riscos de ser eliminado. Já o Atlético, no Independência, é favoritíssimo.

Na primeira partida entre Fluminense e Olimpia, vi, pela primeira vez, na íntegra, o jovem Rhayner jogar. Ele tem sido bastante elogiado. Lembrei-me de Negueba, quando atuava pelo Flamengo, hoje contratado pelo São Paulo. Negueba está contundido. Ney Franco, que era treinador da seleção sub-20, deve ter gostado muito do jogador.

Escrevi, tempos atrás, uma crônica com o título: “País dos Neguebas”. Alertava que o Brasil produz, cada vez mais, do meio para frente, jogadores como Negueba e Rhayner, velozes, dribladores, mas com pouca técnica e lucidez. Ameaçam muito e realizam pouco. Passam e finalizam mal. Parecem melhores do que são. Foi o que vi em Rhayner. Espero que ele e Negueba não sejam somente isso.

Esse tipo de jogador costuma brilhar nas categorias de base. No profissional, perdem a vantagem física e frustram seus admiradores.

Nos últimos tempos, proliferaram, no Brasil, os Neguebas e os Rhayneres, em detrimentos dos Danilos. O jogador do Corinthians tem características opostas. Possui pouca velocidade e mobilidade. Dribla pouco, mas tem muita técnica e lucidez. Passa e finaliza bem. É melhor do que parece. Seus inúmeros gols, em jogos decisivos, não são coincidência.

Evidentemente, há jogadores nos estilos de Rhayner e Danilo, com variadas qualidades técnicas. Os craques são os que reúnem, em alto nível, as duas características.

Quem assistiu às partidas entre Borussia e Bayern e entre Flamengo e Santos percebeu que, além das diferenças individuais, os dois times alemães deixavam pouquíssimos espaços entre os setores, e quem estava com a bola era bastante pressionado. A distância entre o jogador mais recuado e o mais adiantado era a metade da do clássico brasileiro.

Já Corinthians e Botafogo mostraram um futebol moderno e eficiente. O Corinthians faz escola. O time, ao vencer vários títulos importantes, com uma estratégia parecida com a das melhores equipes do mundo, mostra que a opinião de que, no Brasil, por causa da tradição e do estilo, não dá para fazer certas coisas, é conversa de preguiçoso e de incompetente. Quem não sabe aprende.

A moda é o futebol alemão. Para os “entendidos”, o Barcelona e o futebol espanhol já eram. Para recuperar o trono, o Barça não precisa mudar o estilo. Tem que corrigir as várias deficiências. O time possui fracos reservas, em algumas posições, como na zaga, não recupera a bola como fazia, é deficiente nas jogadas aéreas defensivas, nunca usa o cruzamento – uma opção eficiente em alguns momentos –, além de não ter um excepcional atacante, fora Messi. Agora tem.

RAPOSA E GALO

O Cruzeiro, a cada jogo, mostra que é um time bom e organizado. Ainda é cedo para dizer que é um forte candidato ao título do Brasileiro. Dagoberto, que sempre se destacou pela velocidade e habilidade, tem jogado também com muita técnica e com muita lucidez.

Na derrota para o Coritiba, Pierre fez marcação individual em Alex. Anulou o jogador do Coxa. Por outro lado, Alex ia para a ponta, e Pierre ia atrás. Deixava um enorme espaço na intermediária, por onde o Coritiba trocava passes e chegava, com facilidade, à área do Atlético. Marcação individual já foi abandonada há muito tempo e não é feita nem quando os times enfrentam Messi ou Cristiano Ronaldo.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *