Recordar é viver: ministros do Supremo já foram flagrados combinando voto no mensalão

Carolina Brígido (O Globo)

Em agosto de 2007, enquanto o Supremo Tribunal Federal (STF) julgava a denúncia do Ministério Público Federal contra os acusados de participar do mensalão, houve ministros que foram flagrados combinando como votariam. As imagens das telas foram fotografadas durante a sessão e divulgadas pelo Globo.

Sessão do STF que julgava o caso do mensalão, em agosto de 2007. A ministra Cármen Lúcia trocava mensagens via computador com colegas de plenário<br /><br /><br /><br />
Foto: Roberto Stuckert Filho / Arquivo O Globo

Ministra Carmem Lúcia, flagrada trocando mensagens. (Foto Roberto Stuckert Filho, reprodução de O Globo na internet)

Desde então, o tribunal cercou-se de cuidados. Uma das providências foi impedir que fotógrafos e cinegrafistas transitassem livremente pelo plenário. Ontem, eles foram confinados em uma área restrita o fundo do recinto. Quando viram suas mensagens publicadas no jornal, alguns ministros acabaram mudando a linha do voto e réus admitiram mais tarde que a divulgação mudou o rumo da sessão.

Após o episódio, boa parte dos ministros se tornou adepta dos bilhetinhos escritos em papel. Na época, a presidente da Corte era a hoje aposentada ministra Ellen Gracie.

Com a posse de Gilmar Mendes, veio a restrição do espaço destinado aos profissionais de imagem. Foi quando os ministros voltaram a usar o sistema interno de troca de mensagens.

Hoje, a preocupação mudou: eles querem impedir que uma intervenção de manifestantes prejudique o andamento dos trabalhos.

###
SEGURANÇA TOTAL

Segundo O Globo,  o aparato montado no Supremo denuncia a comoção em torno do tema. Dezenas de seguranças de terno preto e gravata da mesma cor ficam postados diante do prédio do STF, na porta de acesso ao plenário.

Após encarar a fileira de homens de preto, o visitante precisava passar por dois detectores de metal antes de entrar no plenário. Também é necessário fazer um cadastro, com documento de identidade, como de praxe. O julgamento afetou também a vida de quem não pensou em ir ao tribunal nesses dias: o ponto de ônibus na frente do STF foi desativado temporariamente.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *