Reflexões sobre a prisão de Mantega e a interpretação da letra fria da lei

Resultado de imagem para mantega preso

Guido Mantega, de boné preto, ao ser conduzido à sede da PF

Jorge Béja

Lei é lei. Isso é verdade. Mas o magistrado precisa estudar a situação para entender o que é razoável. Vamos relatar um fato que ocorreu na década de 70, quando a Lei de Tóxico não distinguia entre traficante e usuário, dependente, experimentador… A todos tratava com o mesmo rigor: penas de reclusão por mais de 10 anos. Eis o fato, acontecido aqui no Rio.

Uma jovem de 18 anos, que nunca tinha fumado um cigarro de maconha, decidiu comprá-lo na calçada da Rua Figueiredo Magalhães, em Copacabana. Queria experimentar. Abordada pela polícia quando seguia para a sua casa, foi presa com a droga e encaminhada à delegacia.

O auto de prisão em flagrante caiu nas mãos da juíza Márcia Nunes, da vara criminal estadual (hoje a Dra. Márcia é juíza federal, por concurso), pessoa simples, de voz baixa, que não usa pintura e se veste com roupa simples e já a vi usando sandália e fazendo compras na feira, puxando carrinho.

AUDIÊNCIA – Eu estava presente quando a jovem foi apresentada à juíza que lhe perguntou se ela era usuária. A moça respondeu que era a primeira vez. Então a juíza disse a ela.

“Não vou condenar você porque no cumprimento da pena aí mesmo e que você corre o risco de se tornar usuária por causa do ambiente prisional. Vou absolver você. Mas uma vez por mês se apresente a mim para contar o que anda fazendo na vida”.

A moça chorou. E durante quase um ano compareceu uma vez por mês à presença da Juíza Márcia. Até que um dia desapareceu. Então a juíza mandou uma intimação para a sua casa. Foi quando a mãe e a irmã da moça foram até a juíza para dizer que ela tinha se recolhido a um convento de irmãs beneditinas. E forneceu o endereço e telefone. A Juiza após confirmar que a notícia era mesmo verdadeira, dispensou a moça da obrigação do comparecimento.

Hoje, passados mais de 40 anos, aquela moça, agora com quase 60 de idade, continua lá no convento beneditino e se tornou freira.

LETRA FRIA DA LEI – A lei é para todos. Se a juíza fosse aplicar a fria letra da lei, a moça seria condenada a mais de 10 anos de reclusão. Mas a sensibilidade, a inspiração, e a imensa visão humana e social da juíza salvaram aquela jovem de um destino crudelíssimo para lhe proporcionar uma vida pura, sem vícios, defeitos e vaidade.

Aquela moça, hoje Irmã Teresa (nome onomástico) soube aproveitar a oportunidade que a Divina Providência lhe deu. Aquela moça é minha afilhada. Minha esposa e eu, por mera coincidência do destino, estávamos presentes na audiência quando ela foi apresentada à juíza e por isso presenciamos tudo o que aconteceu. Ficamos comovidos e decidimos também ajudá-la. E na sua ordenação fomos ser padrinhos.

A lei é mesmo para todos. Mas foi sábio o legislador quando estabeleceu no artigo 5º da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro que: “Artigo 5º – Na aplicação da lei, o juiz atenderá aos fins sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum” (Decreto-lei nº 4657, de 4 de Setembro de 1942).

O CASO DE MANTEGA – O que afirmou o ministro Celso de Mello, conforme se lê na entrevista dele, sobre a perspectiva de a prisão ser feita em qualquer lugar, diz respeito à generalidade. Não, às peculiaridades. O ex-ministro Mantega estava dentro de um hospital acompanhando sua mulher que, segundo constou, se preparava para uma intervenção. Ela tem câncer.

Não havia pressa para prender o ministro, que nem ofereceu resistência. Poderia ter sido preso dia ou dias depois. Nem ele é um condenado por um tribunal. Nem denunciado é. E ao revogar a prisão, o que fez espontaneamente o juiz Moro, este escreveu que a prisão se tornava desnecessária uma vez que o que foi apreendido na casa do ministro era suficiente e o ex-ministro não colocava em risco o sucesso da diligência policial, nem as investigações.

Se ficou constatado que Mantega não representava perigo, por que prendê-lo? Não se faz aqui a defesa do ex-ministro, mas a defesa do que é razoável, o que é coerente e diz respeito ao bem comum.

 

58 thoughts on “Reflexões sobre a prisão de Mantega e a interpretação da letra fria da lei

    • Realmente, é decreto-lei assinado pelo presidente Getúlio Vargas. Mas é tão perfeito, de inquestionável alvance social e jurídico, que suas disposições resistem ao tempo. Pouco antes do Novo Código Civil entrar em Vigor em janeiro 11.1.2011, este decreto, que tinha o nome de “Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro”, foi mantido pela Lei 12.376, de 30.12.2010 e apenas teve o nome alterado. Passou a ser chamado de “Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro”, afim de abranger todo o Direito Brasileiro e não apenas o Código Civil. Nada do antigo Decreto-Lei do presidente Vargas foi alterado.

      Portanto, se a alusão ao fato de ser antigo, de ser de outra época, de ser do presidente Getúlio Dronelles Vargas, foi feita com o intuito de mostrar que o mesmo se tornou inadequado para os dias de hoje (de monosprezo, mesmo), se foi essa a intenção, comprovado está que seus 19 artigos são primorosos. Tão primorosos e úteis que com o passar dos anos continuam importantes, válidos e vigentes.

      • E o câncer anistia os bandidos, Ofélia? O Mantega é um bandido que deveria estar preso pelo resto da vida e as pessoas ficam tendo peninha dele. Oh Brasil das maracutaias e dos insossos. E tem mais, infelizmente o Dr Beja está comentando sobre notícia velha e plantada pelo PT. A mulher do Mantega estava fazendo (se realmente estava) endoscopia exatamente para livrar o criminoso pois a notícia da prisão chegou antes do que a polícia.

        • Eis uma notícia-revelação que o juiz Moro precisa saber. Creio ser dever de quem a fez levar ao conhecimento do juiz. Revela uma artimanha para inviabilizar a ação da Justiça. Não se pode fazer uma afirmação desse peso, que compromete a ação do juiz que busca acabar com a corrupção no nosso país. O e-mail da 13a. Vara Criminal Federal de Curitiba está no Google. É só mandar e se responsabilizar por ela– a notícia.

        • Olha, Paulo2, eu não disse que o câncer anistia ninguém, você quer botar palavras na minha boca.

          Eu apenas quis dizer que se poderia esperar uma outra hora. Foi isto. O câncer é que não espera. Como diz uma amiga, quando ele chega, vem pra levar. Às vezes não leva, ainda bem.

          Ah, e eu tive peninha DELA, da mulher dele. É ela que tem câncer desde 2011. Novamente você deduz como bem entende.

          E tanto não havia pressa que o juiz Moro revogou a prisão. Pode ser pra hoje, amanhã, ou depois. O juiz é muito sensato.

        • Se o Congresso Nacional tivesse, em qualquer de suas duas instâncias, absolvido a ex-presidente, a batata quente estaria na mão do TSE.

          A História poderá julgar mais cedo ou tarde quem foi mocinho e bandido?

        • Teresa, se ele está devendo, o juiz Moro saberá como cobrar. É um juiz sensato, não havia necessidade de prender o Mantega naquele momento. Ele percebeu e revogou a prisão. Fez bem.

          Olha, eu, quando dou esmola, dou de coração. Quando me pedem alguma coisa, faço com o coração. A culpa é de quem engana, não é minha, é de quem pede e não de quem dá.
          A pressa leva a imperfeições e a injustiças. O que a mulher dele tem com tudo isso?

  1. Tenho um tio que é desembargador aposentado do TJ/SP, ele iniciou a sua carreira como promotor, porém por se sentir mal acusando fez um novo concurso para juiz ele nunca usou carro oficial, sequer carteira funcional. Normalmente ele encerrava os seus despachos assim : Cumpra-se, dentro da legalidade , normalidade e circunstancias , pois muitas vezes o agente público não tem, dentro do Brasil real, sequer condições se segurança para o devido cumprimento , basta ver que há áreas onde nem os Correios , nem as Casas Bahia entram.
    Porém o oficial de justiça de sua Vara era meio ‘linha dura’ e certa vez foi efetuar uma ação de despejo, na Favela Heliópolis, acompanhado de apenas um PM. Resultado ? Levou dois tiros.
    O direito no Brasil se baseia na reintegração social do preso e não na mera vingança.

  2. Dr. Béja, a história que narrou é emocionante e exemplar. O que ocorre, é que o povo brasileiro está intoxicado com tanta roubalheira, parcialidade e desfaçatez. Enquanto o Sr. Guido Mantega levava sua esposa nas primeiras consultas para tratar o câncer, implementava segundo a acusação que lhe pesa, vários atos criminosos, a serviço do partido do projeto criminoso do poder. Quantos, em decorrência dos desvios dessa gente, faliram, perderam o emprego, sua família e até deram cabo de suas vidas. São monstros que roubaram o futuro de milhões. Temos que perseguir a punição de todos que apoiam tamanha maldade com nosso Brasil.A canalhice dessa gente é no atacado, no varejo o Sr. Guido que se dane!

  3. O engraçado é que o Mantega ( acho que tem culpa no cartório sim ) , por enquanto é apenas denunciado, já o Cachoeira que tem 2 condenações continua livre, leve e solto, sem sequer estar usando tornozeleira.
    Está ocorrendo uma clara falta de sincronismo entre o Dr. Moro e o MPF quadrangular, que chamou o Lula de ‘ comandante maior do crime ‘ ( acho que sim ), mas nem o denunciaram por formação criminosa.

  4. Ao que parece estamos assistindo ao que se convencionou chamar de “circulóquio prolixo”! De que adianta insistir nessa temática, uma vez que, aqui mesmo, na T.L., já ficou comprovado que Mantega mentiu e que a mulher não estava sendo submetida à intervenção cirúrgica, coisa nenhuma! Um rotineiro exame de endoscopia, transformado em procedimento cirúrgico, foi o argumento falso do advogado que induziu o juiz a reverter à ordem de prisão, prejudicando a ação da Justiça. Diante disso, fica anulado o assunto da diatribe. Cana pro Mantega e para o advogado falacioso! Viva o Moro! Qque saco!

    • Solilóquio, é monólogo. É a fala de alguém consigo mesmo. Já “circulóquio”…

      Quem disse? Onde saiu noticiado? que “Mantega mentiu e que a mulher não estava sendo submetida à intervenção cirúrgica, coisa nenhuma!”.

      Volta-se dizer: os percalços e as vicissitudes da vida a todos apanham, inexoravelmente. É sempre questão de tempo. Infeliz aquele que vendo-as no próximo, não lhe estende a mão e não lhe presta solidariedade para amenizá-las. E ainda as deprecia, como se estive imune a elas. Como se fosse um imortal, resistente a todo tipo de enfermidade e dor.

    • Meu caro Anunnaki.
      Lendo todos os comentários dessa notícia, tenho que reconhecer que o melhor trecho foram as frases finais de seu comentário:

      “Cana pro Mantega e para o advogado falacioso! Viva o Moro! Que saco!” (rsrsrs, pra não usar a baixaria do kkkkkk).

      • Vamos nessa, Jared! A própria filha do Manteiga falou que não houve operação nenhuma, pô! Foi só endoscopia! Ficam numa mumunha sem tamanho em cima de um nada? Argh!
        Vou tomar um porre no dia em que publicarem uma lei determinando que o advogado que utilizar-se de recursos falaciosos para ludibriar a Justiça,como o caso em tela, será punido com a mesma pena a que for sentenciado seu constituinte, caso comprovadamente culpado. Pronto! Só assim tomarão jeito e deixarão de ser defensores de criminosos de fato!

  5. Doutor Beja, nuca me dirigi diretamente ao senhor; hoje faço. Fiz o registro porque sou um seguidor do Trabalhismo de Getúlio, Jango e Brizola. Getúlio é um político que atravessa o tempo depois de morto,despertando respeito, paixões e rancores. Eu que o conheci em vida, já no período democrático, acho que o “trabalhismo brasileiro que é autóctone”, com pequenas modificações preenche todas nossas necessidades. Fico alegre quando aparece aos olhos de quem quer ver coisas boas que Getúlio fez ou sancionou. Obrigado.

    • Então, Antonio, conto-lhe esta passagem. Eu tinha apenas 6 de idade. Corria o ano de 1952. Meu pai, meus irmãos solteiros e eu morávamos em Santa Tereza, na Rua Correia de Sá (fica entre o Curvelo e o Largo dos Guimarães). Papai integrava a guarda pessoal do presidente Getúlio Dornelles Vargas. E um dia disse a meu pai que gostaria de conhecer pessoalmente o presidente Vargas.

      Pronto. Foi o bastante para meu Pai me atender. Ele pediu que minha mãe me levasse à loja da Rua do Ouvidor chamada “Herdeiro” e comprasse a melhor roupa para mim. Isto porque na semana seguinte ele me levaria para conhecer o presidente Vargas.

      Roupa comprada. Tudo pronto. Cabelo cortado a “príncipe Danilo” e lá fomos, Papai e eu. Chegamos no Palácio do Catete cedo, por volta das 8 da manhã. E não demorou muito Papai e eu entramos no gabinete do presidente Vargas. Ele estava de terno branco, paletó fechado, óculos de aro redondo, pele lisa, sorriso largo…um paizão. O presidente Vargas se levantou e veio em minha direção e eu na dele. Me recordo que ele me abraçou, me levantou, perguntou meu nome e me sustentou me segurando com os dois braços.

      O presidente Vargas me perguntou o que eu gostaria de ser quando crescesse: “presidente da República” respondi. Não Jorge, não queira ser presidente da República. Esse país é muito grande para governar. E ser presidente é muito difícil. Depois sei pai explica a você em casa. Mas estude muito, aconselhou. O encontro não foi demorado. Eu tinha apenas 6 anos e muito pouco a conversar com o presidente. Ele elogiou Papai. E no final pegou a carteira e tirou uma nota de Cr$2,00 e me deu dizendo “é para você comprar um presente”. Agradeci e perguntei se podia dar um beijo nele. Pode, respondeu. E eu beijei seu rosto e o presidente Vargas beijou minha cabeça.

      A nota de 2 cruzeiros está guardada comigo até hoje. Novinha, novinha. No centro tem o rosto do Duque de Caxias. E parece que é Eugenio Gudin que assina em cima da inscrição Ministro da Fazanda. Me recordo de tudo como se fosse hoje. Todos nós éramos e continuamos Getulistas.O verso da Nota é a foto da Escola Militar de Rezende e está escrito República dos Estados Unidos do Brasil. A cor do verso da cédula é abobrinha.

      Se recordar é viver, recordar é sofrer também. Sofrer de saudade. Naquela manhã de 24 de Agosto de 1954, papai não estava em casa quando o Repórter Esso (acho que era o Heron Domingues) deu a notícia. Minha mãe, meus irmãos e eu começamos chorar. Lá não tinha telefone. Só três dias depois é que Papai retornou para casa. Aí não me lembro mais.

      Mas uma coisa é certa: foi a partir desse dia que o câncer que matou minha mãe apareceu. Dois carcinomas: um no calcanhar, outro na virilha. E ela se foi em 1957. Eu tinha 11 de idade e já morávamos na Tijuca.

      Os percalços e as vicissitudes da vida a todos apanham, inexoravelmente. Feliz aquele que, por entender dessa dor, estende a mão ao próximo que a sofre para amenizá-la. E infeliz aquele que a recollhe e ainda faz pouco caso da dor alheia. Ninguém vai aos hospitais por prazer e com felicidade.

      • Uma correção: Rua Correia de Sá e não “Correria de Sá”.

        E um complemento que me recordei depois do relato. Naquela manhã, no gabinete do presidente Getúlio Vargas, estava presente uma moça de vestido azul até a metade do joelho e vestia um casaco. Era mais esguia do que baixinha. Ela ficou o tempo todo presente ao encontro. Ao final, me pegou pelas mãos e me levou para fazer uma refeição em outro andar do Palácio do Catete. Ela foi muito cuidadosa comigo, pois ficamos sós. Meu Pai desceu do andar em que ficava o gabinete e depois ela me levou até ele. Depois meu Pai me disse que ela se chamava Alzira. Que era filha do Presidente e sempre estava junto do Pai.
        Grato

  6. Diziam que o Cunha seria preso no máximo em uma semana após a cassação, continua solto e ainda por cima devolveram o passaporte da sua mulher.
    Já a Almirante preso , mesmo tendo sido condenado a mais de 2anos continha com sua patente …

  7. O depoimento com mais (…) que ví na vida..

    Depoente: Eu devo ter. Então, como eu fazia, eu fazia muito no espírito – está aqui, eu tenho aqui – assim democrático, como meus projetos eram muito grandes, estavam em todos os Estados, se nos, quer dizer, achamos que temos uma democracia, eu participei de praticamente em 2006 com o mesmo volume de recursos R$ 1 milhão para o PT, PSDB, é (…) tudo isso daqui a gente pode deixar aqui né.

  8. A única coisa que parece fugir da “razoabilidade” é o fato do Mantega ter chegado ao hospital as 4:30 horas da madrugada, coisa que segundo os funcionários do hospital, nem a “galera” do SUS precisa fazer.
    O passarinho que conversa com o Maduro, já tinha falado o ex-ministro.

  9. Lição de Vida

    Parabéns Dr. Jorge Béja.

    Conheço pelo menos duas pessoas que nas mesmas circunstâncias não tiveram a felicidade de encontrar um anjo.

    É de fato maravilhoso quando o Direito vai atrelado à Justiça Social, o que é garantido por Lei, como mencionado, que possibilita ao juiz não violar sua consciência soberana.

    Lamentavelmente “um anjo sozinho não faz uma freira.”

    É necessário que haja outros anjos ao seu lado para fortalecê-lo, concentrar-se e não desviar-se de seu mister.

    Quando quiser daqui para frente conhecer melhor uma pessoa perguntarei o que ela fez ou fazia quando tinha 6 ou 18 anos.

    Por favor Dr. Béja seja sempre aquela criança de 6 que também estava presente no dia da audiência que salvou uma jovem de 18 de possível injustiça.

    Releve quem não soube aproveitar o introito de seu belo artigo e jogou fora a criança juntamente com a água que fora banhada.

    Respeitosas saudações à sua generosa família.

    • Billy,

      vejo em você a pessoa, que mesmo sem me conhecer pessoalmente, me entende. Sem nunca ter falado comigo, sabe da imensidão de dor e saudade que estão acumulados em mim aos 70 de idade. Sem penetrar nos meus pensamentos, sabe que são eles de entrega ao próximo. Sem conhecer o meu passado e a vida que levei e levo, sabe que sempre estive e continuo a estar ao lado dos vitimados, dos ofendidos, dos pequenos, dos sem voz, sem vez…ao lado da legalidade, do que é justo e bom. Sem nunca ter me ouvido ao piano, sabe que o piano é o filho que não tive e por isso o acaricio e o toco com toda leveza, todo cuidado, mesmo sem virtuosismo. E dele não me separo até o último minuto de vida.

      E saiba, doce amigo, que continuo aquela criança de 6. Continuo aquele mesmo que presenciou uma simplicíssima e iluminada magistrada salvar a vida de uma jovem de 18 anos e lhe abrir o caminho para continuar sendo uma pessoa de bem e de quem nos tornamos, minha esposa e eu, sua madrinha e seu padrinho de “vestidura” no mosteiro beneditino, a mesma ordem religiosa em que estudei dos 12 aos 16 anos, o Colégio São Bento, do internato do Alto da Boa Vista ao externato da Rua Dom Gerardo, na Praça Mauá.

      Em Cristo, com Cristo e por Cristo,

      Jorge

  10. Podia dar menos bandeira…

    Ribeirão Preto – O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, sinalizou neste domingo, em Ribeirão Preto (SP), que uma nova etapa da Operação Lava Jato vai ser deflagrada nesta semana. Em uma conversa com representantes do Movimento Brasil Limpo (MBL), acompanhada pelo Broadcast, sobre o futuro da investigação e da ação conjuntas entre Ministério Público Federal e Polícia Federal (PF), Moraes disse que a Lava Jato prosseguiria e emendou: “Teve a semana passada e esta semana vai ter mais, podem ficar tranquilos. Quando vocês virem esta semana, vão se lembrar de mim”, disse o ministro em um ——-evento de campanha do deputado federal Duarte Nogueira (PSDB), candidato a prefeito no município paulista.

  11. Não tenho condições de comentar o artigo do Dr.Béja, uma pessoa infinitamente mais importante que eu, profissional liberal, advogado, um ser humano bondoso, carismático e dotado de uma consideração imensa pelo ser humano!

    O seu texto diz quem ele é, o que pensa sobre aqueles que estão sob a vigilância da Justiça, e quais seriam os seus conceitos sobre a Justiça em si, que decididamente não envolvem a truculência e violência com quem quer que seja, mas as determinações da Lei.

    Portanto, a humanidade do Dr.Béja é a sua peculiaridade, o que lhe diferencia das demais pessoas, e na condição de jurista sabe como poucos que nem sempre o criminoso paga pelos seus erros, pois depende da sentença transitada em julgado se o ilícito foi devidamente dosado na pena recebida pelo réu ou não, e voga a atuação do seu defensor, se um advogado de renome ou do promotor, que usa as provas que tem à condenação.

    Antes desse processo, de as provas serem apresentadas, o nosso eminente Dr.Béja se manifestou sobre a prisão de Mantega, e agiu de acordo com a sua coerência, conforme a sua filosofia de vida, mediante a sua incontestável religiosidade cristã, que reside no perdão o maior poder do ser humano!

    Evidente que não pediu que o ex-ministro da fazenda seja esquecido pela Justiça, longe disso, mas faz questão de um tratamento digno ao suposto criminoso, um ser humano, e que merece atenções de outros seres humanos, e não vingadores, gente sedenta de sangue!

    • Caro Bendl e Dr. Béja, e demais comentaristas, minha mãe ficou viúva, eu filho mais velho, com 7 anos. ela me levou ao Juiz de menores, para eu ser internado, o Juiz, aconselhou-a a procurar que algum parente me acolhe-se, pois, se internado fosse, pelo ambiente, eu ia sofrer muito, e sair bandido, minha mãe mandou-me, para a casa de seu irmão recem casado em Itajaí,SC, Pai e mãe eram catarinas, não tinha parente no Rio, fiquei pouco mais de 2anos, retornei ao Rio, pelo 2º casamento, cujo marido, foi Pai, herdou 5 irmãos, todos com a Graça de Deus, nos tornamos Cidadãos (ãs) do Bem, Admiro Getúlio, Dª Alzira com a Casa do pequeno Jornaleiro, (através do tempo, 4 primos vindos de Itajaí, passaram por lá,) e tornaram-se Cidadãos do Bem, 3 na PM e um na Marinha de Guerra) que salvou muito jovens da criminalidade (Rui Barbosa: A Fome é má conselheira)seu nacionalismo e defesa do trabalhador, as Escolas, públicas que ensinavam, ser Cidadão e Chefe de Família, Fui aluno da 1ª turma do curso industrial (correspondente ao Ginásio, em tempo integral, da Escola Técnica Nacional no Maracanã.
      Dr. Beja, lhe admiro, pelo que tenho lido em seus artigos e comentários, de ser um Homem de Bem, que se coloca a serviço da Justiça, para os 3Ps, desamparados.
      Fico por aqui, e rogo a Deus e ao Mestre Jesus, para o Brasil ser Justo, para seu povo, e que nos abençoe.

        • Cara Srª Eva,não sabia, vou tentar saber, que saudades das minhas Escolas públicas, que nos ensinava a ser Cidadãos e Chefe de família, as lágrimas, estão embaçando meus olhos. Grato pela informação, estou com 87 anos, e meu sonho de juventude, os politiqueiros ladrões, mergulharam nesse oceano de lama. Que Deus, nos abençoe.

          • Sr Théo Fernandes:

            Também fui aluno de lá e algumas vezes vou ao encontro de ex-alunos, alguns amigos, outros continuam colegas.

            O site é www.http://aeacefetn.org.br .

            Também estou muito próximo do Dr Béja, ele aos 28 e eu aos 80.

            Cordiais saudações.

          • Correção:

            Sr Théo Fernandes:

            Também fui aluno de lá e algumas vezes vou ao encontro de ex-alunos, alguns amigos, outros continuam colegas.

            O site é http://aeacefetn.org.br .

            Também estou muito próximo do Dr Béja, ele aos 28 e eu aos 80.

            Cordiais saudações.

      • Caríssimo Theo,

        A tua história de vida emociona a todos, razão pela qual tu és tão admirado e respeitado neste blog incomparável pelos teus amigos!

        Indiscutivelmente, a maioria absoluta traz consigo relatos de sofrimentos, de amarguras, mas depois a vida melhorou, e tais experiências serviram para fortalecer mais ainda aquele ser humano que no passado sofreu tanto, e hoje se constitui em exemplo, em modelo de comportamento e cidadania!

        O meu abraço forte, Theo, fraterno.
        Muita saúde e muita paz!

  12. Prezados Béja e Mafra,

    Não sei como eu poderia escrever um livro biográfico que JÁ ESTÁ ESCRITO. O que falta é apenas editá-lo. Será um best-seller, com toda a certeza.

    Abs.

    CN

  13. Logo de início, o depoimento do Eike Batista já chama a atenção por um aspecto singular. Não é obrigação do Ministério Público apurar as ‘ notícias de fatos’ ? Então por que restringir o depoimento dessa maneira ???

    ” MPF: – Perfeito, então vamos, Dr. ROBERSON.

    MPF: – Na verdade só colocando de uma forma bem transparente, como nós fomos
    procurados por seus advogados né, o senhor falou que teria fatos a relatar, nos deixaramos o senhor relatar e conforme eventualmente for saindo do escopo da Operação Lava Jato nos faremos aquelas correções de caminho para que a gente faça da forma mais objetiva possível a inquirição.

    Depoente:- Perfeito.

    MPF: – Dr. EIKE, a palavra é sua. ( Dr. em quê ? )

  14. Otorrinos já ….

    MPF: O senhor é o beneficiário econômico dessa conta?
    DEPOENTE: (inaudível) é minha.
    ADVOGADO: Não temos muitos documentos, ai tem que esperar o contador (inaudível).
    MPF: A (inaudível), o senhor era o controlador dela?
    DEPOENTE: Sim. Isso, (inaudível), como é que é?

  15. Dizem,humanismo é um conjunto de idéias e ações humanas com seus valores morais,éticos.
    Amor,justiça,solidariedade,etc..O pensamento humanista entra em atrito com o pensamento religioso afirma que deus é o criador deste valores.

    Afinal,estamos solidários com a companheira do Sr. Guido Mantega ou com o dinheiro público drenado para quadrilha do PT. Em detrimento de milhares de crianças, e idosos morrendo na fila do SUS…. sem assistência, não vou falar de educação nem alimentação,etc..

    Sr.Mantega além de fazer milagre da multiplicação da corrupção, consegue o milagre dos iluminados humanistas deste blog… K. Maravilha !!!!!!

    O Povo !! como diz um personagem Chico Anisio que se exploda..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *