Reflexões sobre o emprego do pronome indefinido…

Faz sucesso na internet essa mensagem que nos foi enviada pelo comentarista Luiz Fernando Brito Pereira. É uma lição que serve para tudo, especialmente para assuntos políticos e administrativos.

Era uma vez quatro indivíduos que se chamavam todos, alguém, cada um e ninguém.

Existia um importante trabalho a ser feito, e pediram a todos para fazê-lo. Todos tinham certeza de que alguém o faria. Cada um poderia tê-lo feito, mas na realidade ninguém o fez.

Alguém se zangou, pois era trabalho de todos! Todos pensaram que cada um poderia tê-lo feito e ninguém duvidava de que alguém o faria.

No fim das contas, todos fizeram críticas a cada um porque ninguém tinha feito o que alguém poderia ter feito.

Moral da história – em querer recriminar a todos, seria bom que cada um fizesse aquilo que deve fazer. sem alimentar esperança de que alguém vá fazê-lo em seu lugar… A experiência mostra que lá onde se espera alguém, geralmente não se encontra ninguém.

Estou repassando a todos a fim de que cada um possa repassá-lo a alguém sem esquecer de ninguém.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *