Reflexões sobre o estupro na TV e a existência de programas imbecis como o BBB.

Carlos Newton

É impressionante o sucesso de programas como Big Brother Brasil e assemelhados. O segredo é o incentivo ao sonho.

Hipoteticamente, qualquer um poderia participar, basta se inscrever. Mas sabe-se que não é bem assim. Há critérios para a escolha, não se trata de sorteio. O povão é enganado logo ao fazer a inscrição. Mesmo assim, muita gente assiste, sonha em estar lá e torce para os participantes que mais  agradam.

O imbecilidade funciona. Assiste quem quer, ninguém é obrigado. Na fase atual, a grande atração é o tal do estupro não comprovado. Para ganhar audiência, a direção do programa expulsou um dos participantes, acusando-o de estupro, embora a jovem que participou do namoro debaixo do edredon não o tenha confirmado. Não se sabe se houve sexo, o rapaz diz que broxou, a garota não lembra de nada, os dois estavam de porre, em função da bebida fartamente distribuída pela direção do programa, que incentiva a embriaguez.

Agora, o tal estuprador quer voltar ao BBB. Seu advogado exige, mas a TV Globo não concorda. Resultado: a emissora se arrisca a encarar um belo processo judicial de indenização. Afinal, manchou a imagem do rapaz, que passou a ser tido como estuprador, retirou-o da disputa, sem direito de defesa. Qualquer advogado mediano pode fazer uma festa com esses argumentos.

Os advogados da TV Globo já sentiram o tamanho do problema, mas a direção da emissora não volta atrás. Enquanto a polêmica não chega à Justiça, o ideal é seguirmos a sugestão do comentarista Joaquim Barreto, boicotando não somente os patrocinadores, mas a própria emissora. Uma boa alternativa.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *