Reflexões sobre o marxismo na realidade da época em que foi concebido.

Almério Nunes

Em primeiro lugar, é para mim uma honra comentar um escrito do grande Ferreira Gullar, o Homem do “Poema Sujo”. Em segundo lugar, a lucidez do Sr. Fuchs impressiona. Suas palavras são sábias e explicam tanta coisa …

Mas peço que levem em consideração o ambiente no qual vivia Marx! No tempo dele, os trabalhadores perdiam mãos e braços em “lançadeiras” e outras máquinas primitivas e nada podiam reivindicar. Nem um mísero “adicional por risco”, como existe em certas profissões atuais.

Marx imaginou então uma sociedade mais justa e partiu para uma utopia verdadeiramente fantástica, na qual a participação de quem efetivamente produzia tinha que ser reconhecida e (bem) remunerada.

Grande Ferreira Gullar, é claro que antes de tudo vem o trabalho intelectual, mas ele necessita de suor para ser executado ou … de nada valerá. A mais valia marxista nunca poderá ser negligenciada sob pena de relegar a décimo plano este suor. O “ganho” conseguido com o trabalho não pode ficar todo com o “intelectual” ou … estaremos falando não de marxismo, mas de escravidão – que é do vivem os empresários do capitalismo, hoje e sempre escorados pelos bancos e outros subsídios/muletas que os sustentam, formando um oceano de corrupção e crueldade que violentam pelo saqueamento que originam.

Creio que é válido, aqui, recordar as palavras de Renée Descartes, o Pai da Filosofia Moderna: “Sei que estou apenas iniciando a construção de um edifício, falta ainda muita coisa, outros prosseguirão com as minhas ideias”.

Marx não teve seguidores, ninguém se habilitou para dar real sequência às suas teorias. Misturaram tudo! São muitos que se apregoam como marxistas, sem sequer haver lido uma linha do Capital ou do Manifesto. Faz todo um sentido que ele tenha sido expulso de alguns países. A Humanidade (o que é isso?) é suja, não acolhe Marx.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *