Reflexões sobre um político chamado Leonel Brizola, seus erros e acertos.

Carlo Germani

Como gaúcho de nascimento e mineiro por opção, acompanhei grande parte da vida política de Brizola.  Seu auge  foi, sem dúvida, o movimento pela legalidade de 1961. Em 1961, aos 9 de idade, fiquei fascinado com o movimento da legalidade, apesar da pouca idade, mas com juízo suficiente para diferenciar o certo do errado.

Os discursos de Brizola pelo rádio uniam o povo gaúcho ao movimento. Tanto é que o Comandante do 3º exército aderiu a Brizola. Em 1964, aos 12 anos vivi toda a movimentação pelo contra-golpe militar (a casa do Comandante do 3º exército fica a 200 metros da casa da família).

Brizola amargou o exílio com um conjunto de provações sem fim. A desestruturação familiar, a vida simples na fazenda do Uruguai (como criador de ovelhas e produtor de lã), e maquinando sua volta ao país e a política.

De volta ao Brasil, anistiado (que os psicopatas-comunistas que estão hoje no poder querem revogar), Brizola, com 57 anos, conservador como sempre foi, repetia o mesmo discurso de décadas passadas.

Brizola não dava espaço para ninguém. Ele era o simbolo único de tudo.  Nas diversas vezes que estive com ele, era explícito que mais desejava ser ouvido do que promover um diálogo.

Brizola, na raça e na coragem (peitou os Marinho dentro da Globo), eleito governador em 1982, fez um governo na base da “procuração”. A obstinação de chegar à presidência da República o deixava alienado sobre as demandas de governador.

Brizolanão perdeu para Lula a chance de segunda turno com Collor, em 1989. Brizolafoi fraudado (0,5% dos votos, apenas). Brizola tenta a presidência por mais duas vezes,e perde até para Enéas (o único representante da direita radical). Sua aliança com Lula (vice na chapa) foi um verdadeiro tiro no pé.

Brizola, ao ser eleito, novamente, governador em 1990, cometeu o maior erro político. Deveria ser candidato ao Senado e não ao governo do Rio. A obstinação para chegar à presidência já tinha um caráter doentio. Brizola
fez um péssimo governo no Rio.

Mas, afinal, o que fez de admirável em sua carreira política? Brizola tem um valor incomensurável pelas suas metas, onde o valor maior maior era a população e o país.

Brizola, na presidência, faria um governo nacionalista, sem dúvida. Mas concentraria todas metas na infraestrutura do país.Educação, nutrição para a população, infraestrutura em saneamento básico, habitação, transporte, portos, aeroportos, rodovias, saúde pública, (…), e acima de tudo, honrar a frase simbolo da bandeira nacional: ORDEM E PROGRESSO.

A ditadura militar, sob a liderança do maquiavélico-farsante Gen.Golbery, criou o fantoche Lula, em detrimento de Brizola.O legado desse crime está na realidade atual: os mesmos comunistas do passado estão com o poder hoje (e não pretendem entregá-lo mais). Implantar um governo diitatorial e totalitário é a meta máxima (vide Foro de São Paulo e movimento revolucionário [cartilha de Gramsci], em plena execução.

Brizola sempre foi um conservador.Todas as suas metas eram a favor da população.Jamais, o Brasil seria conivente e subserviente ao governo oculto mundial (oligarquia financeira mundial) e ao projeto insano e satânico da Nova (Des)Ordem Mundial. E Brizola não compactuaria com a canalha comunista, como Chávez, Morales, Fidel, Cristina,(…).

Concluindo: Brizola,uma referência em coragem (único macho da política brasileira), em “luz própria”, em visão de longo prazo. Brizola, um político que tinha um verdadeiro projeto de país.Brizola, sem dúvida alguma, pode figurar na história política do Brasil e do mundo, como um ESTADISTA.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *