Reforma da Previdência tem projeto complexo, confuso e com várias contradições

Resultado de imagem para reforma da previdencia charges

Charge do Mariano (Charge Online)

Pedro do Coutto

O anteprojeto de reforma da Previdência Social, elaborado pela equipe do Ministro Paulo Guedes, a meu ver, é complexo, confuso e repleto de contradições. Basta examinar com atenção a reportagem de Geralda Doca e Marcelo Correa, em O Globo, para se chegar a essa conclusão. Por exemplo. A idade mínima foi fixada em 62 anos para mulheres e 65 para os homens. O texto diz no seu início que as regras serão as mesmas para os servidores públicos e para o setor privado, neste caso na esfera do INSS.

Porém, em outro trecho da reportagem está afirmado que haverá, no caso dos funcionários uma idade mínima de 56 anos para mulheres e 60 anos para os homens.

CONTRADIÇÕES – Não entendi bem. Pois em um trecho está sustentada a tese da igualdade, mas na prática são diferentes as exigências para os celetistas e as que se referem ao funcionalismo. O Globo acentuou, na edição de ontem, que a transição será de 12 anos tanto para os trabalhadores do setor privado quanto para os servidores públicos. As contradições não acabam aí. Existem várias outras que, numa hora acentua a igualdade, em outra informa diferença dos critérios e das exigências para o funcionalismo e o setor privado. É preciso uma explicação.

Aliás, a matéria como foi publicada nos jornais, exige uma tradução. Parece até um labirinto marcado por objetivos menos aparentes. Um desses objetivos é o de conduzir os assalariados de renda mais alta para os planos de previdência privada, nos quais está colocada a aposentadoria integral pelos seus participantes. Assunto para o Itaú, Bradesco, Santander. Quando falo em renda mais alta, tacitamente acentuo que os assalariados de renda mais baixa não poderão assumir planos de previdência a médio e longo prazo.

DEBATE PÚBLICO – O assunto será aberto a opinião pública no próximo dia 20, quarta-feira. Pelo que se observa o número de emendas ao projeto de emenda constitucional será muito grande, pois além dos equívocos colocados inevitavelmente haverá pressões tanto de celetistas quanto de funcionários.

E A TRANSIÇÃO? – Vale acentuar a importância da matéria escrita por Idiana Tomazelli e Adriana Fernandes, O Estado de S. Paulo, também na edição de ontem. A reportagem revela que até 2020, portanto num espaço de tempo curto, 9 em 10 servidores poderão se aposentar com o salário integral. É o que se entende quando se focaliza o tempo de transição, tanto para os funcionários quanto para os celetistas.

Temos assim um longo caminho pela frente, sobretudo porque a complexidade do que foi noticiado pela imprensa impede que matéria de tal importância possa ser votada pelo Congresso até o mês de maio. Com a divulgação de pontos esclarecidos nas linhas do documento do Executivo, chega-se a conclusão que a equipe do Ministro Paulo Guedes terá que rever seu próprio trabalho. Não se tem certeza do que foi elaborado até agora.

As sombras que marcam o anteprojeto não são produto do economês. Qualquer um ao ler as reportagens vai fazer as mesmas perguntas sobre as contradições publicadas.

8 thoughts on “Reforma da Previdência tem projeto complexo, confuso e com várias contradições

  1. As informações sobre o anteprojeto publicadas pela imprensa parecem que foram obtidas em retalhos colhidos no lixo do ministério da economia, pois são confusas e visivelmente incompreensíveis. Alguns setores da imprensa fazem tanto esforço para apoiarem algo que sequer entendem, que acabam por gerar mais confusão e o aumento da rejeição pela sociedade.

  2. A previdência tem que se caracterizar com providência, ou seja, “disposição prévia dos meios necessários para obter um fim, para evitar um mal ou para remediar uma necessidade”, nos moldes da Providência Divina, enquanto ” sabedoria suprema de Deus com a qual ele governa todas as coisas e pessoas”. E foco tem que ser, exclusivamente, a providência social dos idosos, enfermos, desvalidos e afins, sem privilegiados, sem marajás e sem trambique$. E isso que tem que ser garantido, com no máximo R$ 3 mil, por cabeça, ao mês, sem acúmulos de aposentadores e pensões dentro do sistema, conforme o caso. O resto, que vá se entender com a iniciativa privada. E assim seremos um país humano e civilizado, garantindo-se o mínimo social necessário, com estabilidade longevidade previdenciária. Simples assim.

  3. Parabéns Jornalista Pedro do Coutto pela incansável disposição de alertar e analisar as ações irresponsáveis destes aventureiros.

    O Povo Brasileiro tem que, na melhor tradição republicana das nações que se impuseram no Concerto Mundial das Nações desenvolvidas, ir, em tempo hábil, para as ruas e praças, em milhões e milhões de homens e mulheres de todas as gerações vivas em defesa da Previdência Social – Regime Geral, que está sob o ataque de abutres a serviço do Sistema Financeiro, único beneficiário e interessado neste crime contra a nacionalidade brasileira, apelidado de “Reforma”.

    A Premissa Básica a ser exigida pelo Povo Brasileiro de seus governantes de plantão, é a Auditoria da Dívida Pública e da Previdência Social, a serem realizadas num prazo máximo de 180 dias corridos.

    E uma vez realizadas, permitirão os ajustes para mais ou menos tanto na Dívida Pública quanto nos parâmetros de contribuição e de benefícios da Previdência Social.

    O momento e a sanha dos abutres exige do Povo Brasileiro, não só o Discurso, mas também a Ação. Ou seja, demonstração inequívoca da disposição de Luta em defesa dos interesses do Povo Brasileiro.

    • Suspeito?
      Não…..
      Suspeitíssimo.

      Hoje, para os abutres do Sistema Financeiro, este senhor é o Homem mais importante da República. O Senhor Bolsonaro, para eles não passa de um biombo útil.
      Até aprovarem a “Reforma” da Previdência Social este status quo não mudará.

Deixe uma resposta para Nélio Jacob Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *