Renan anuncia recurso ao Supremo para dar autonomia à Polícia do Senado

Resultado de imagem para renan varredura charges

Renan foi ministro da Justiça, mas nada entende de Direito

Cristiane Jungblut
O Globo

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse na tarde desta segunda-feira que vai entrar com uma ação amanhã no Supremo Tribunal Federal para definir competências dos Poderes. Agentes da Polícia Legislativa da Casa foram presos após terem sido acusados de tentar atrapalhar as investigações da Operação Lava-Jato, ao fazer varredura em busca de escutas ambientais em imóveis dos senadores. “Estou repelindo essa invasão” — disse Renan, completando:

“A Polícia do Senado não é invenção de ninguém, como tentam aparentar. É constitucional. De 2013 a 2016, foram 17 varreduras em residências de senadores, a pedido. Fazer varredura para detectar grampos ilegais, a pedido dos senadores, é rotina”.

ESTADO POLICIALESCO – Renan disse que vai ingressar com uma ação nesta terça-feira: “Amanhã, vamos ingressar com uma ação judicial para fixar as competências dos Poderes. Veja onde chegamos. A Lava-Jato é sagrada, mas não podemos dizer que não podemos comentar os excessos. Se a cada dia um juiz tomar uma decisão, estaremos passando a um Estado de exceção depois de um estado policialesco, como disse Gilmar Mendes em 2009”, assinalou o presidente do Senado.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A memória coletiva é cada vez mais curta. Poucos lembram que um criminoso contumaz como Renan Calheiros já foi ministro da Justiça, no governo de Fernando Henrique Cardoso. Mas desta vez ele tem alguma razão, ao defender a competência da Polícia do Senado para  fazer varreduras a pedido de senadores. Mas o que caracterizou mesmo a obstrução da Justiça foi a Polícia do Senado ter feito quatro tentativas seguidas para impedir a busca e apreensão no apartamento funcional de Fernando Collor, com mandado judicial. O diretor da Polícia do Senado, Pedro Ricardo Araújo, chegou a ponto de trancar a porta do apartamento, para impedir a saída da delegada federal e dos agentes que executavam a operação. Além disso, a Polícia do Senado extrapolou sua competência ao fazer varredura nas casas de Eduardo Cunha, que nem é senador, e de José Sarney, um político mais do que aposentado. Detalhe final: já houve um pedido anterior de reconhecimento da autonomia da Polícia do Senado, mas foi negado pela Justiça. (C.N.)

20 thoughts on “Renan anuncia recurso ao Supremo para dar autonomia à Polícia do Senado

  1. Vão se multiplicar as” missões ocultas”…
    Senado já deve estar na mira da PF como sede da corrupção política em Brasília.
    Vai estrebuchar até ganhar suas merecidas algemas.

  2. “RODRIGO MAIA ENTERRA A CPI DA UNE (O Antagonista)

    Brasil 24.10.16 09:53
    Rodrigo Maia, para ganhar de Rogério Rosso e chegar à Presidência da Câmara, prometeu a um grupo de deputados do centrão — em acordo ratificado pelo PSDB — instalar a CPI da UNE para investigar o uso irregular de dinheiro público por essa molecada sempre apoiada por petistas e comunistas.

    O prazo para tirar a CPI do papel venceu e Maia simplesmente a ignorou.

    O presidente até poderia revalidá-la, com o apoio de líderes, se assim o quisesse.

    Ele não quer.”

  3. Alagoas, o estado com mais mortes por habitante. Murici, o segundo mais violento do país. Cidade administrada pelo clã calheiros há décadas. Lá tem até a “Calheirilândia”, imaginem por que. Estado do clã collor de mello. E estes coronéis ousam acusar os outros de fascistas.
    Só vão sair com tapa na cara e chute no rim, por que fazem isso todos os dias com a população do país. E ficam impunes pois tem jagunços a seu serviço.

  4. Esta “Polícia Legislativa” é a “Guarda suíça do Renan Calheiros.
    Deveria, como exemplo a do vaticano, ter por jurisdição apenas o âmbito do senado, sendo proibida de exercer qualquer tipo de atividade fora, sob pena de acusação da usurpação do exercício da função pública, pois a Polícia Judiciaria do pais é a Polícia Federal.
    Acho que é isso que o Renan vai conseguir, o supremo vai passar uma “cerca” em volta do senado.
    Deveriam, assim como a guarda suíça que tem um uniforme histórico, a polícia legislativa adotar uma roupa igual aos antigos cangaceiros, para parecer histórico também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *