Renan baixa o nível e diz que Janot fabricou denúncias “nas coxas” para se vingar

Resultado de imagem para renan charges

Charge do Alecrim, reprodução do Arquivo Google

Cristiane Jungblut
O Globo

Alvo de denúncia dentro da operação Lava-Jato, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), acusou, nesta terça-feira, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o Ministério Público de “só fazer política” e disse que as denúncias contra ele foram “feitas nas coxas”. Renan disse que as ações do Ministério Público são “contra o Senado” e disse que isso ocorre porque a força-tarefa da Lava-Jato inclui promotores que foram rejeitados pelo Senado.

“E essas outras denúncias, como aquelas, são denúncias apressadas, feitas nas coxas, que demonstram o caráter político do Ministério Público, de vendeta, de vingança, porque o Senado rejeitou os três nomes. Não há sequer acusador: a empresa negou que tivesse feito doação, o deputado negou que tivesse falado em meu nome. Então, essa denúncia vai ter o mesmo destino das outras denúncias: será arquivada. Porque nunca cometi crime, irregularidade e sempre tive muito cuidado com a minha vida pública e com a minha vida pessoal” — disse Renan.

PGR FAZ “POLÍTICA” — “Quando a Procuradoria-Geral da República vai apenas para a política, ela perde a condição de ser o fiscal da lei. O Ministério Público, infelizmente, passou a fazer política, só política. Quando você faz política, você perde a condição definitivamente de ser o fiscal da lei”, assinalou Renan, que classificou de “absurdas” as acusações contra ele.

“Você tem delações e delações. Você tem o nome citado porque alguém interpretou que alguém falaria em seu nome é um absurdo. Isso só serve para alimentar um noticiário e para permitir um prejulgamento das pessoas. Pelo amor de Deus! Temos que separar o joio do trigo” — disse ele.

VINGANÇA DE JANOT — Renan voltou a falar que a força-tarefa tem integrantes que agem de forma vingativa contra o Senado.

“Depois que o procurador-geral da República colocou na força-tarefa três membros do Ministério Público rejeitados pelo Senado para o Conselho Nacional do Ministério Público e para o Conselho Nacional de Justiça, isso, por si só, já demonstra o que ele está pretendendo fazer com o Senado. De modo que as conduções coercitivas, as buscas e apressões, o pedido de prisão, a prisão da polícia, a usurpação de competência, tudo é decorrente do fato de o procurador-geral da República ter colocado como membros da força-tarefa três pessoas rejeitadas pelo Senado. Porque coloca a PGR na política. É evidente que eles vão tomar todos os dias medidas e mais medidas que não se sustentam contra o Senado” — disse ele.

Renan afirmou que, no caso das denúncias de 2007, o Supremo Tribunal Federal descartou duas das três acusações.

“Estou absolutamente tranquilo. Do episódio de 2007, o Ministério Público entrou com três denúncias no STF e duas foram arquivadas. E uma terceira foi aceita por peculato da verba indenizatória”.

PONTO DE EQUILÍBRIO — “O Senado não é fator da crise, é ponto de equilíbrio e tem feito o seu papel, tem cumprido a sua parte”, acentuou, concordando com o presidente Michel Temer, que cobrou a divulgação das delações.

“Não conhecemos o teor das delações, são vazadas seletivamente para permitir um prejulgamento. O importante é que se conheça o teor das delações, sejam ou não homologadas, para que o país acompanhe com dados, com contra-argumentos, com fatos. Não é isso que está acontecendo no Brasil” — disse ele.

Sobre o projeto da Lei de Abuso de Autoridade, Renan desconversou:

“Pretendo votar todos aqueles itens indicados pelos líderes para compor essa agenda de final de ano”.

Renan ainda comparou o que está acontecendo no Brasil com a operação Mãos Limpas, ocorrida na Itália. “Não pode fazer o que aconteceu na Itália. A operação Mãos Limpas perdeu muita força na Itália porque condenou muitos inocentes. A divulgação permitia que inocentes fossem julgados todos os dias nos meios de comunicação. Se isso acontecer no Brasil, que está acontecendo, será muito ruim” — disse Renan.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A entrevista é uma aula de desfaçatez, com Renan se posicionando como vítima de perseguição política pelo Ministério Público Federal. E ainda se julga no direito de falar expressões à repórter de O Globo, dizendo que as denúncias foram “feitas nas coxas”. Quem mostra ter sido feito nas coxas é o próprio Renan, ao se exibir como um político inteiramente desclassificado. Realmente, é desanimador. (C.N.)

25 thoughts on “Renan baixa o nível e diz que Janot fabricou denúncias “nas coxas” para se vingar

  1. Vamos ter paciência!
    Em fevereiro o páis se livra desse escroto na presidência do congresso!
    Esperemos então que os senadores criem vergonha na cara e nunca mais escolham um pulha como esse para presidir a casa!

      • De acordo com informações da Operação Lava Jato, Imbassahy recebeu R$ 300 mil na campanha de 2014. Ao proferir o seu voto favorável à saída de Dilma, ele equiparou o voto contra o impeachment em uma parceria com “um governo do retrocesso, do vale-tudo, mergulhado na corrupção”.

        De acordo com o que afirmou o parlamentar na ocasião, “corrupção não se compara, corrupção se pune”.

        Imbassahy foi escolhido pelo presidente Michel Temer para assumir a Secretaria de Governo, em uma tentativa aumentar o espaço do PSDB na gestão. Ele ocupará o lugar do ex-ministro Geddel Vieira Lima, que deixou o governo após ser envolvido em uma crise política.

        Mais sucinto, Duarte Nogueira, prefeito eleito de Ribeirão Preto (SP), disse que o Brasil não aguenta mais “mentiras, impunidade e corrupção” e que seus pais lhe “ensinaram valores e princípios”.

        Já Aleluia, ao proferir o seu voto, disse que Dilma “não é honrada” e que ela “roubou na refinaria, roubou na PETROBRAS e roubou em Belo Monte”.

        Do outro lado do espectro ideológico, Almeida se dirigiu ao então presidente da Câmara e falou em uma “conspirata de corruptos liderada por vossa excelência, deputado Eduardo Cunha”.

        OUTRO LADO

        Procurado, José Carlos Aleluia disse que não recebeu nada que não fosse legal e que colocou toda prestação de contas e explicação acerca das doações em sua página no Facebook.

        Duarte Nogueira afirmou por meio de nota que todas as doações recebidas em suas campanhas eleitorais foram regularmente declaradas e aprovadas pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e disse serem prematuras especulações em torno de delações ainda não homologadas.

        Antonio Imbassahy enviou nota dizendo que Cláudio Melo Filho afirmou que as doações a ele foram declaradas e o próprio delator apresentou os recibos da Justiça Eleitoral. Apontou que Melo Filho também disse que fez a doação sem que houvesse um pedido do deputado, numa tentativa de aproximação da empreiteira pelo fato de Imbassahy ser político influente da Bahia.

        Daniel Almeida não retornaram os contatos da reportagem.

        Sérgio Lima/Folhapress

        Deputado: Antônio Imbassahy (PSDB-BA), líder tucano na Câmara
        Voto: A favor do impeachment
        Apelido: Não tem
        Quanto recebeu, segundo delator: R$ 300 mil na campanha de 2014

        Frases na votação do impeachment:

        Cada um dos Deputados teremos a oportunidade de escolher de que forma nossos filhos e netos irão se referir a nós: com orgulho, por termos dado ao Brasil a chance de um recomeço; ou com vergonha, por vê-los transformados em sócios de um Governo do retrocesso, do vale-tudo, mergulhado na corrupção.

        (…) Cada um terá a oportunidade de escolher o que irá dizer aos milhões de brasileiros que perderam seus empregos, que penam por atendimento médico, que veem a redução dramática dos recursos da educação, enquanto bilhões de reais se foram na corrupção sistêmica e desenfreada. E corrupção não se compara, corrupção se pune!

        Os Santos.

  2. kkkkkkkkkkkkk
    Renan rebaixa o nivel ?????

    Não seria mais exato dizer que a política, de maneira geral, se rebaixou ao nível de Renan?

    Quando o STF permitiu que ele continuasse como Presidente do Senado, não desceu ao nível de Renan?

    Quando o STF não desmentiu a afirmativa abaixo, também não desceu ao nível de um canalha que é alvo de pelo menos ONZE INQUÉRITOS nesse mesmo STF?????

    0:25 segundos

    https://www.youtube.com/watch?v=Lzi-7md69eQ

        • Quando o presidente da República, COM A AJUDA DE OUTROS DOIS EX-PRESEDENTES, trabalha nos bastidores para ACORDAR O RESULTADO DE UM JULGAMENTO e manter um canalha na Presidência do Senado, sob o ridículo e falso pretexto de aprovar um projeto de lei, não se está descendo ao nível de um canalha????

  3. Jader Barbalho agora mistura a Lava Jato com um possível impeachment de Michel Temer. “Está em marcha um processo para derrubar Michel Temer. A grande mídia aliada a determinados setores.”

    Humberto Costa sucede Jader na tribuna e diz que poderia ter feito o mesmo discurso na época de Dilma.

  4. http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-brasil/2016/12/13/pgr-diz-que-investigacoes-tem-tempo-proprio-e-nao-visam-interferir-na-politica.htm

    Caro CN … O Ministério Público não pode recorrer ao auxílio das FFAA; pois não é Poder Constituído!!!
    Outro braço constitucional da investigação, a Polícia Federal, conforme:

    CAPÍTULO III … DA SEGURANÇA PÚBLICA
    Art. 144. A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos:
    I – polícia federal;
    § 1º A polícia federal, instituída por lei como órgão permanente, organizado e mantido pela União e estruturado em carreira, destina-se a:” (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
    IV – exercer, com exclusividade, as funções de polícia judiciária da União.
    … … …
    Também a PF não pode pedir auxílio das FFAA.

    • Caro CN … tema complexo!!!

      Já que o PGR afirma que o Ministério Público tem tempo próprio … e CAPÍTULO IV … DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 80, de 2014) … SEÇÃO I … DO MINISTÉRIO PÚBLICO
      Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis.

      Ora … o MP é essencial à função jurisdicional do Estado … precisa atender esta constitucionalidade!!! ainda mais que: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jurisdi%C3%A7%C3%A3o – Dá-se o nome de jurisdição (do latim juris, “direito”, e dicere, “dizer”) ao poder que detém o Estado para aplicar o direito ao caso concreto, com o objetivo de solucionar os conflitos de interesses e, com isso, resguardar a ordem jurídica e a autoridade da lei.
      … … …
      Aí pode entrar o STF e entrar a garantia da lei e da ordem … e as FFAA podem auxiliar nas investigações!!!

  5. RENAN E TEMER QUEREM ULTRAJAR O PAÍS NA CALADA DA NOITE
    Brasil 13.12.16 22:03
    Renan Calheiros e Michel Temer querem, mais uma vez, ultrajar a nação na calada da noite, agora com a votação para aprovar a tal lei de “abuso de autoridade”.

    O Brasil saberá responder à altura.

    A Justiça saberá responder à altura. A verdadeira Justiça, não a dos conchavos brasilienses.

    • Caro virgilio … saudações!

      Tenho comentando mostrando constitucionalmente como as FFAA podem auxiliar nas investigações … até socorrendo nosso PGR, com seu tempo próprio de investigação … … … não estou comentando sobre IPM; pois não são crimes militares!!!

      Em 1974 e 1978, quando fui candidato a deputado federal pelo MDB-RJ … após a aprovação da candidatura pela Convenção … só conseguíamos o registro na Justiça Eleitoral com Atestado dado pela Justiça Militar … … … eles sabem investigar, sim senhor!!! e podem ajudar nas investigações do MP – tanto que existe o Ministério Público Militar!!!

      É só Dona Carmen … … … abr.

  6. Renan Calheiros peitou o poder judiciário de frente, não atendeu o oficial de justiça e ainda colocou o STF no paredão, não tem medo de enfrentar qualquer poder, bate de frente e sai ganhando, o que está por trás de toda esta arrogância, todos temem o presidente do senado, é impressionante, todos ficam de cabeça baixa, o único que está peitando é o MPU.

  7. O ANTAGONISTA POSTOU:

    RENAN PRECISA SER ERRADICADO DA POLÍTICA

    Brasil 13.12.16 22:14

    Não é mais possível ter Renan Calheiros na presidência do Senado.

    Não é possível ter Renan Calheiros na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

    Não é possível ter Renan Calheiros no Senado.

    É preciso erradicá-lo da política nacional, sob pena de virarmos uma republiqueta das bananas.

  8. O STF, que também não presta, deveria processar prioritariamente os canalhas em posições importantes do poder. Uma listinha inicial começaria com Renan, Juca e Padilha como centro-avantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *