Renan, o Senhor dos Anéis, volta a presidir o Senado nesta quinta-feira

Resultado de imagem para renan e o supremo charges

Charge do Glauco, reprodução do (Arquivo Google

Gustavo Garcia
Do G1, Brasília

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), comandará na manhã desta quinta-feira (8) a primeira sessão de votações no plenário da Casa após o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir mantê-lo no cargo. Na últuma segunda-feira (5), o ministro do STF Marco Aurélio Mello determinou, em decisão provisória, o afastamento de Renan da Presidência do Senado. A medida, no entanto, foi rejeitada pela maioria dos magistrados da Corte em julgamento nesta quarta (7), algo que o senador alagoano avaliou como uma decisão “patriótica”.

A pauta da sessão do Senado desta quinta possui 17 itens. Entre os projetos, está o que endurece as punições para autoridades que cometem abuso. O plenário, contudo, deverá analisar um requerimento de 22 senadores que pede a retirada da urgência dessa proposta, apresentada por Renan, o que pode fazer com que o texto não seja votado.

Alvo de críticas de representantes do Judiciário e do Ministério Público, a proposta também foi criticada nos protestos que ocorreram no país no último fim de semana.

RETALIAÇÃO – Setores contrários à medida argumentam que ela representa uma espécie de retaliação de Renan Calheiros às investigações que envolvem políticos – Renan responde inquéritos no STF no âmbito da Operação Lava Jato e é réu em uma ação penal.

Investigado na Lava Jato, o presidente do Senado defende a proposta e diz que a legislação sobre o abuso de autoridade precisa ser atualizada para proteger o cidadão de arbitrariedades

TETO DE GASTOS – Tida como prioridade para o governo do presidente Michel Temer, a votação do segundo turno da PEC do teto de gastos está prevista para 13 de dezembro.

Segundo o líder do governo no Congresso, senador Romero Jucá (PMDB-RR), mesmo com o calendário apertado e muitos itens na pauta de votação, a “prioridade máxima” é aprovar a PEC antes do fim do ano legislativo, previsto para 15 de dezembro.

Também está na pauta do Senado um projeto que legaliza a exploração de jogos de azar no país. Não há, porém, consenso sobre a proposta, que deve ter a análise adiada. Entre outros projetos, estão o que impede a alteração de contratos do setor público por meio de medidas provisórias e o que autoriza Estados a vender, a bancos, os recebíveis derivados de dívidas de empresas.

17 thoughts on “Renan, o Senhor dos Anéis, volta a presidir o Senado nesta quinta-feira

  1. Com esse acordão, a “magistratura” e derivados ficam livres de ser atacados pelos projetos que envolvem “o abuso de autoridade”, os elevados salários, os privilégios, etc… etc… Pelo acordão, a manutenção de Renan na Presidência do Senado garante a incolumidade dos magistrados e aprovação das propostas de Temer na área econômica e previdenciária. Pronto! Tudo combinado na calada da noite de terça-feira e satisfação garantida para os três podres poderes…

  2. “O ano da Rio-16 nem terminou e o legado olímpico está aí para desmoralizar as nossas vítimas da síndrome de cadela no cio.

    Basta passar em frente da ALERJ para ver o tamanho do legado olímpico.

    Aprovou-se a redução dos salários do governador e de seu secretariado para, em seguida, tungar os menos favorecidos?

    E desde quando ele e seus secretários precisam de salários para sobreviver, se vivem de rapinagem, assim como as primeiras-damas?

    Hipocrisia pouca é bobagem.

    Tanta que o novo prefeito paulistano nomeou o ex-secretário da Segurança fluminense, José Mariano Beltrame, para presidir um conselho na área em São Paulo, ele que participou da gestão de Sérgio Cabral e nem desconfiou da roubalheira instalada no governo de que participava como eminência parda.”

    http://blogdojuca.uol.com.br/2016/12/caosriocas/

  3. Bom dia ,leitores(as):

    Senhor Gustavo Garcia (Do G1, Brasília) ,esta decisão dos ministros do Supremo Tribunal Federal ,é uma prova cabal de que os mesmos “MAL e PORCAMENTE” cumprem suas obrigações constitucionais ,pois é de tamanha ” CANALHICE” e impatriótica para proteger “CANALHAS e CRIMINOSOS” institucionais, com a agravante de desqualificar e desmoralizar a decisão corretíssima de afastamento de Renan Calheiro da Presidência do Senado, a medida do, ” ministro do STF Marco Aurélio Mello ” ,tal como aconteceu com o ex-deputado e ex-presidente da câmara Eduardo Cunha.
    OBS.:Sugiro aos advogados e defensores do ex-deputados e ex-presidente da câmara, Eduardo Cunha, que recorram á este mesmo STF exigindo o direito á “ISONOMIA DE TRATAMENTO”, pois os ministros do STF usaram de “dois pesos e duas medidas” para um problema.

  4. O cenário é assustador! Há uma insegurança institucional no ar.
    A crise não está mais sendo mediada por fatores externos como os movimentos civis, a crise atingiu um auge em que tem-se a impressão que se retroalimenta internamente por dois agentes: judiciário e legislativo.
    O pior é que de dois dias para cá não se ouvem vozes dissonantes. Os senadores, mesmo aqueles mais críticos se fecharam… o povo em um avião sem comandante…
    Apertem os cintos, o poder executivo sumiu!!!!

  5. Alguém dirá em Brasília: “Temos o rabo preso com todos vocês e vice-versa”.

    Comemoremos o dia de hoje. Se vocês não sabem, hoje, 08 de Dezembro, é o “Dia da Justiça”. Comemoremos, pois !

  6. A Comissão Diretora do Senado atualmente é composta pelo presidente, primeiro e segundo vice-presidentes, quatro secretários e três suplentes (originalmente são quatro). Ou seja são dez senadores.

    Nessa turma, o Acre – pasmem – tem três senadores, Roraima dois, Alagoas, Tocantins, Piauí e Maranhão, um cada. Cabe a Minas Gerais a única vaguinha mais ao Sul.

    Alguém me explica qual a razão de, entre esses dez, nove representarem estados do Norte-Nordeste?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *