Reportagem de capa do New York Times arrasa a política brasileira

Reprodução da capa do NYT

Dilma quis denunciar o “golpe” e o resultado foi péssimo

Deu na Folha

O jornal americano “The New York Times”, um dos mais prestigiados do mundo, traz como destaque em sua capa de segunda-feira (4) uma reportagem que busca explicar os elos entre a corrupção e a atual crise política brasileira. Grande parte da capa do diário é ocupada por chamadas para a matéria sobre o Brasil. A presidente Dilma Rousseff é a maior imagem da primeira página do jornal, que também traz fotos do ex-presidente Lula, do senador Delcídio do Amaral, do juiz Sergio Moro e de um protesto contra o governo. A manchete do jornal é “How Web of Corruption Ensnared Brazil” (Como a Rede de Corrupção Enredou o Brasil).

O destaque para a reportagem sobre a crise brasileira é maior do que o dado, por exemplo, a matéria sobre a indicação de um juiz à Suprema Corte americana ou a uma reportagem sobre a campanha do presidenciável Bernie Sanders nas primárias do Partido Democrata.

A REPORTAGEM

A reportagem do jornal americano entrevista o senador Delcídio do Amaral (Sem Partido-MS), preso pela Polícia Federal por tentar interferir nas investigações da Operação Lava Jato. Ao “NYT” Delcídio afirma que se sentiu como “batendo em um muro após uma perseguição em alta velocidade”.

O jornal aponta o escândalo de corrupção na Petrobras como um dos mais extensos entre os países em desenvolvimento, afirmando ainda que ele, ao lado da crise econômica que afeta o país, “devastou as ambições globais” do Brasil.

Entre os políticos citados na reportagem como alvos de acusações de Delcídio na delação premiada, estão o ex-presidente Lula, além do vice-presidente Michel Temer e do líder da oposição Aécio Neves (PSDB-MG), além da presidente Dilma Rousseff. Segundo Delcídio, ela o teria instruído a sabotar uma investigação sobre a Petrobras, convencendo juízes influentes a libertar empreiteiros magnatas acusados de corrupção.

GRAVAÇÃO DE DELCÍDIO

O “NYT” ainda relata em detalhes o encontro entre Delcídio e o ator Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. O encontro, onde Delcídio articula uma fuga de Nestor do país, foi gravado por Bernardo, e acabou resultando na prisão do senador. Ao jornal americano, Delcídio afirma que “não é um homem corrupto”.

O diário também relata “pânico no Partido dos Trabalhadores”, citando gravações de membros da legenda, como o ministro da Educação Aloizio Mercadante e o ministro-chefe do gabinete pessoal de Dilma, Jaques Wagner.

Casos envolvendo o ex-presidente Lula, como as reformas pagas por empreiteiras em um sítio em Atibaia e a compra de um tríplex no Guarujá também são citados na matéria.

TIPO “GAME OF THRONES”

O jornal faz referência à série de fantasia da “HBO” para se referir ao atual cenário político do país. As gravações que mostram o diálogo entre Dilma e Lula são citadas, assim como críticas ao juiz Sergio Moro, acusado por alguns de comandar uma “caça às bruxas partidária”. O Vice-presidente Michel Temer é comparado a um mordomo de filmes de terror.

Ao final da matéria, Delcídio revela ter acompanhado pessoalmente os protestos do dia 13 de março, contra o governo Dilma Rousseff. Segundo a reportagem, o senador teria ido a uma das manifestações em sua moto Harley Davidson, mas não teria removido o capacete, com medo da reação que provocaria nos manifestantes.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGA reportagem foi feita pelo jornalista Simon Romero, correspondente do “New York Times” no Brasil. A presidente Dilma acreditou que dar entrevistas aos correspondentes de jornais do exterior para “denunciar o golpe” seria uma boa estratégia. Lula fez o mesmo e também convocou os jornalistas estrangeiros. O resultado está se vendo agora, com a imagem do Brasil no exterior ficando cada vez mais manchada. (C.N.)

8 thoughts on “Reportagem de capa do New York Times arrasa a política brasileira

  1. Jararaca e Mandioca afirmam ter reconquistado parte do PMDB e deputados para ficar em casa no dia da votação final do impeachment. Sendo assim, tudo foi por água abaixo. E agora, o que será do Brasil ?!?!

  2. As entrevistas a correspondentes estrangeiros foram faladas a … correspondentes estrangeiros e, como tal, gente experiente, bem informada e com capacidade crítica acima do normal, pois vivenciam o mundo e não apenas o Brasil. Portanto, de nada adianta pessoas de mente desconexa, como o são Dilma e Lulla, tentarem relatar um cenário que não corresponde à realidade. A construção que está à vista e bem diversa daquela descrita por mal-intencionados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *