República das cuecas: Ministro do Superior Tribunal de Justiça aparece sem calça em sessão virtual da Corte

Agora, até a Justiça esta seminua. Só faltou a mão no bolso

Fernanda Alves
O Globo

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Néfi Cordeiro apareceu sem calça durante sessão de julgamentos da 6ª Turma por videoconferência, na última terça-feira, dia 20. No vídeo, que está viralizado no Twitter, é possível ver que as pernas do magistrado quando ele se levanta da mesa de trabalho. Na parte superior o ministro está vestindo terno, gravata e a tradicional toga.

O vídeo da sessão disponível no Youtube foi editado e não contém mais o momento em que o ministro se levanta, mas é possível identificar, pela minutagem da transmissão que a foram retirados 15 segundos da gravação. O gabinete do ministro informou que que tem ciência de que o vídeo está circulando nas redes sociais, no entanto, não irá se manifestar a respeito.


SESSÕES REMOTAS – Por conta da pandemia de coronavírus, sessões judiciais pelo país inteiro têm sido realizadas de forma remota, através de aplicativos de videoconferência. A nova tecnologia tem gerado diversas gafes. O desembargador Carmo Antônio de Souza, do Tribunal de Justiça do Amapá (TJ-AP) apareceu sem camisa em reunião com outros colegas do órgão no Zoom, por não saber que a gravação já tinha começado. Quando percebe a situação, ele sai do vídeo e retorna vestido.

Na Paraíba, o procurador Ministério Público da Paraíba (MPPB) José Raimundo foi flagrado cochilando por cerca de três minutos durante a 7ª sessão de julgamento realizada pela 4ª Câmara do Tribunal de Justiça (TJPB).

Até mesmo no Supremo Tribunal Federal aconteceram situações inusitadas. O ministro Gilmar Mendes falou um palavrão ao final de uma reunião virtual. Ele depois pediu desculpas em sua conta no Twitter.

 

9 thoughts on “República das cuecas: Ministro do Superior Tribunal de Justiça aparece sem calça em sessão virtual da Corte

  1. Notório saber jurídico;
    conduta ilibada;
    exemplo de cidadania;
    moral e ética como característica da sua jornada pessoal;
    modelo de ser humano ….

    Sim, sim, leio um romance de ficção, onde os magistrados de um país precisariam ter os requisitos acima, mas conseguiram burlar as exigências, e hoje são exatamente o contrário do que se pedia.

    Então temos quem libera criminoso;
    quem muda as leis conforme interesse e conveniência;
    o tribunal virou corte política;
    juízes se engalfinham, e se acusam recíproca e mutuamente;
    recebem verbas sem origem definida;
    julgam em seus favores planos econômicos da época do Brasil colonial, aumentando seus proventos vertiginosamente;
    cada magistrado possui um séquito de assessores e auxiliares consigo …

    A curiosidade minha é saber como o autor finalizará a história pois, assim, o grupo que teria de ser inatacável, transparente, tornou-se uma quadrilha, um bando de pessoas que concede perdão para ladrões do povo e erário, traficantes e assassinos, e burla as leis em benefício próprio para encher as suas burras de dinheiro, o símbolo da avidez, do objetivo, do prazer máximo, de orgulho para aqueles que se locupletaram dessa maneira ilícita, corrupta e desavergonhada!

    Ora, ora, por que não andar pelado, e suspiros de enfado acompanhados de palavrões?!

  2. Se estivesse no trono cagando não faria a menor diferença… Estaria cumprindo religiosamente o papel que lhe foi designado, com muita honra e falta de vergonha na cara.Vai cagar Ministro! CREDO!

  3. Origem da palavra CUECA e RECUAR!
    Durante o intervalo da aula de latim, quis saber do meu professor a origem do termo Cueca e do verbo Recuar. Ele era um ex-padre italiano, um tanto ríspido; deu-me a chave da biblioteca e mandou que eu pesquisasse:
    CUECA é um híbrido greco-latino: Cu + Eco. CU vem de Cullus (latim) daí, Chulo, Fajuto. Eco, do grego, Casa; presente em Ecologia. Porquanto, literalmente, CUECA = Casa de Cu.
    *Quando vi a partícula Eco, pensei que fosse a reverberação do peido, fazendo da Cueca uma caixa de ressonância.
    RECUAR tem a mesma raiz: RE, forma reduzida do prefixo Retro (movimento para trás) + CUAR, uma forma verbal para Cu. Logo, Recuar significa andar no sentido do Cu.

    • Boa Paulo! Muito legal.Mas parece que estes nossos conhecidos personagens não tiveram aulas de latim e passaram a usar a cueca ou mesmo o orificio anal como cofre.Um sacrilégio! Quanto ao recuo, penso que estes malabaristasfazem um movimento totalmente inverso , fedido , vexatório, que nem os próprios cafajestes conseguem explicar ou convencer alguém da necessidade de se enfiar alguma coisa no blastoporo e ser feliz! Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *