Resta saber se o gigante pegou de novo no sono pesado, ou não.

Altamir Tojal (Esse Mundo Possível)

Uns fomentam a violência com a máscara do anticapitalismo. Outros convocam um golpe militar, com a máscara do anticomunismo. Em comum o mesmo rancor pela democracia, o mesmo projeto totalitário.

A violência institucional dos mascarados e da polícia tira o povo das ruas. São manobras patéticas para capturar a rebelião dos brasileiros.

Tem mais:  o governo finta as demandas por serviços decentes e menos corrupção com mais propaganda do “país das maravilhas” e a reforma política para garantir a reeleição.

O PT ressuscita o projeto de controle da mídia (censura à imprensa) e volta a defender os mensaleiros, atacando o presidente do Supremo Tribunal Federal.

Centrais sindicais e movimentos sociais comprados pelo governo fazem um Dia Nacional de Lutas para apoiar o governo.

Acossado no início pelos brasileiros nas ruas, o Congresso Nacional começa a votar uma “agenda positiva” pautada pela sociedade e logo depois relaxa e volta a zombar da sociedade.

Partidos e candidatos se aproveitam da confusão para aniquilar os adversários. Governo, Congresso, partidos e sindicatos se desmoralizam e alimentam o falso dilema entre participação e representação, uma estratégia para desacreditar o voto e continuar no poder.

Os que se assustaram com o povo nas ruas estão agora tranquilos, confiantes em suas estratégias de captura da rebelião. Parece mais distante a conexão da nova política com a política tradicional.

Resta saber se o gigante pegou de novo no sono pesado, ou não. Se pegou, vai acordar hora dessas. Quem pensa que povo não pensa é porque já esqueceu de junho. E julho nem acabou.

No mais tardar, o gigante acorda ano que vem para o acerto de contas com as urnas. (artigo enviado por Mário Assis)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

2 thoughts on “Resta saber se o gigante pegou de novo no sono pesado, ou não.

  1. Mal passou o pico dos protestos, e a Câmara dos Deputados prepara um pacote para diminuir o controle sobre as manobras eleitorais dos deputados e aumentar a impunidade:
    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/08/1319850-pacote-da-camara-reduz-rigor-para-desvios-das-campanhas.shtml
    E o Vacarezza ainda tem a desfaçatez de anunciar que isso é para “coibir a malandragem”.
    É muito caradurismo. Não estão nem aí para o povo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *