Réu por crime de tortura, sargento diz que os ‘interrogatórios’ eram feitos por oficiais

Imagem relacionada

Antonio Vaneir foi reconhecido mas diz ser “inocente”

Matheus Leitão
G1 Política

O sargento reformado do Exército Antônio Waneir Pinheiro de Lima, que se tornou réu nesta quarta-feira (14), segue a estratégia de negar violações de direitos humanos no período cometidas por militares de baixa patente, como a dele.

O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) decidiu nesta quarta-feira aceitar a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra ele, por crimes cometidos na ditadura (1964-1985).

ACUSAÇÃO TRIPLA – Antônio Waneir é acusado de cometer sequestro, cárcere privado e estupro da ex-militante e historiadora Inês Etienne Romeu em uma prisão clandestina que funcionava em Petrópolis (RJ), durante a ditadura e era conhecida como Casa da Morte. Inês Etienne faleceu em 2015. Agora, o sargento afirma que os “interrogatórios” à época eram sempre realizados por oficiais.

Em entrevista realizada em 2016, perguntei se Antônio Waneir, conhecido como “Camarão”, teve relação com a tortura, violência e repressão durante o regime. O ex-sargento respondeu:

 “Olha, deixa eu dizer pra você, o pessoal que era chamado de cabo, soldado e sargento não participava disso. Isso era interrogatório. Até porque você sabe que o nível das pessoas para serem interrogadas é um nível alto, né? Então, isso é coisa de oficiais. Eram oficiais que participavam disso. […] Então, isso aí eu não tenho a mínima… Só oficiais têm como te responder isso aí”, afirmou, referindo-se aos postos de capitão, major, tenente-coronel e coronel.

TORTURA – Na mesma entrevista, questionei sobre as acusações que pesam sobre ele em relação a ex-historiadora. Na ocasião, Antonio Waneir negou as acusações.

“Dizer pra você se ela sofreu tortura… Eu acredito que ela foi interrogada. Eu não sei se no interrogatório sofreu tortura. Mas que foi interrogada, foi. Todos que chegavam eram interrogados por eles, os oficiais. Agora, se era com tortura não sei te dizer, por­que nós não tínhamos acesso”, afirmou.

Antônio Waneir reconheceu, contudo, Inês Etienne como uma das presas do local, ao ser confrontado por uma foto dela tirada na década de 70.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGA tortura a preso político é considerada crime contra a humanidade. Se os militares não tivessem torturado e trucidado presos políticos, a luta armada teria terminado mais cedo. Negar que houve tortura, como faz Bolsonaro, é uma postura ignóbil. Temos de conviver com nossas mazelas, ao invés de negar que tenham acontecido. (C.N.)

Codinomes –  Mesmo décadas depois, o sargento ainda atende quando chamado pelo codinome Camarão que ganhou durante a ditadura por ter a pele avermelhada, mas não aceita o nome de Casa da Morte para o posto em que serviu o Exército.

Antônio Waneir define o centro de tortura e assassinatos do regime em Petrópolis como um “aparelho militar”.

4 thoughts on “Réu por crime de tortura, sargento diz que os ‘interrogatórios’ eram feitos por oficiais

  1. Que boa notícia para terminar bem o dia:

    Sérgio Moro pediu a Jair Bolsonaro para nomear Deltan Dallagnoll, como Procurador Geral da República.

    E levou um redondo não.

    No projeto de poder de Jair não há espaço para o ex-juiz.

    A cada dia que Moro fica como ministro mais
    Jair o trata como capacho.

  2. O fato é que o Hospício Brasil vem de longe, e agora encontra-se em estado de surto psicótico permanente, fora da casinha para onde nunca mais voltará, porque a loucura é sedimentada, posto que incurável com os remédios tradicionais, golpes, eleições e indicações que perfazem apenas ditaduras e plutocracias, sob a égide do mesmo e velho sistema apodrecido.

  3. “A tortura a preso político é considerada crime contra a humanidade” … essa é a sua percepção, caro CN.

    Na vedade, na época, tortura não era crime no Brasil e era prática corrente no mundo todo: franceses torturavam argelinos, ingleses torturavam terroristas do IRA, espanhóis torturavam terroristas do ETA, americanos torturavam vietcongs, alemães torturavam terroristas do Baader e por aí afora; isso, pra não falar no mundo governado pela barbárie marxista e pelas teocracias islamitas, onde até hoje inexiste “crime contra a humanidade”. Aqui, apesar de uma lei de anistia ampla, geral e irrestrita a escória marxista tenta de todas as maneiras se vingar dos milicos, ganhando no tapetão o que perdeu no combate das ruas. Chega de mimimi, o país tem problemas muito mais graves para resolver.

Deixe uma resposta para al Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *